nevoeiro

que estava com a minha irmã em ny, perto do rio, junto a um prédio branco no meio do nada (estava nevoeiro). em volta do prédio havia canteiros cheios de plantas e entre as plantas havia uns tufos brancos que ela queria ir ver de perto, porque não tinha percebido que eram as orelhas de cães (muitos muitos cães) que esperavam, sentados e contentes entre as plantas, prontos para nos desfazerem em pedacinhos. os cães eram lindos e macios, do tamanho e feitio de pastores alemães mas brancos e com olhos azuis. arfavam em silêncio. quando lhe expliquei, uma onda de medo passou-lhe pelo corpo. tão forte que eu também a senti. e os cães também. pedi-lhe que pensasse depressa em coisas boas enquanto eu própria ficava cheia de medo. uma onda de pensamento em coisas boas percorreu-nos a ambas e sossegou os cães. depois fomos embora, pelo nevoeiro.

1 comment » Write a comment

  1. e’ engracado porque tem sido assim antes de vir para ca’. quando me lembro dos assaltos fico com medo e quanto mais medo tenho mais penso nisso e mais medo tenho e depois tenho de me obrigar a agarrar-me a coisas boas que tem de me preencher de sentimentos de coisas boas.

    acho que foi sobre isso o teu sonho.

    agora tenho curiosidade de saber como vai ser quando voltar, porque acho que ja’ nao vou ter medo.