raparigas

apaixonadas, cultas, independentes, despachadas;

que escolheram o curso superior que bem lhes apeteceu; que foram adolescentes durante dez anos ou mais; que tocam piano e falam francês; que trabalham (e muitas vezes de graça); que nunca tiveram um emprego; que acreditam em causas e deram o corpo ao manifesto; que estão a chegar aos trinta; que tiveram uma depressão algures pelo caminho; que fizeram a licenciatura num instante e muitas a seguir um mestrado; que tiveram ou vão ter um filho por amor.

que ainda precisam de ajuda para pagar a renda.

bisnaga

v., 9 anos, achava que uma pessoa nasce de raça negra porque na barriga da sua mãe havia uma bisnaga com tinta preta. perante o meu espanto horrorizado, explicou-me que era o que a mãe lhe tinha dito. contradisse esta mãe sem nenhum problema de consciência e forneci uma explicação alternativa, correcta e mais lógica. pergunto-me a qual das duas reconhecerá v. autoridade.

galão bordado

galão bordado

se eu tivesse uma loja era uma retrosaria. mas uma retrosaria de há 50 anos ou mais. de antes da generalização dos sintéticos.

sempre que posso ando aos restinhos nas retrosarias. compro o último metro deste e daquele galão bordado (ex-aequo no meu top de coisas boas com o galão de máquina), botões de que já não há mais e outras maravilhas no género.