quando

eu era pequena (aí até 1983) não havia (cá) barbies. havia tuchas. eram cabeçudas, feiosas e de plástico muito mais cor de rosa que as barbies. também havia cabides forrados a carpélio cor de laranja (ou era castanho?) com uma cabeça de bicho em cima (ou estou a sonhar) e as meninas iam tendo mini-serviços de chá (chineses?) cujo bule não dava jeito nenhum.

lúcia

confeitaria nacional

confeitaria nacional

na escolinha os chapéus dos meninos estão guardados numa velha caixa de bolos da confeitaria nacional. sempre que a vejo regresso instantaneamente a uma qualquer das muitas tardes que lá passei contigo.

forward

detesto forwards. odeio forwards. abomino forwards. todos os que recebo vão direitinhos para o lixo. não os abro mesmo que sejam mandados pelo meu tio, pelas minhas primas queridas ou pela minha melhor amiga.

por isso e porque tinha de aliviar a frustração de ter passado três horas à espera na loja do cidadão escrevi um forward sobre forwards e enviei-o ao desconhecido (desconhecido!) de quem recebi hoje um daqueles que dão vontade de bater no remetente. está aqui. fico à espera de sugestões para uma segunda edição, revista e aumentada.

estou cansada

estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada, estou cansada

(nos últimos dias tenho-me lembrado muito deste bocadinho de um espectáculo de pina bausch)