abia a patua*

E. a pintar

Desconfio que nada (a não ser, talvez, a toupeirinha) faz a E. tão feliz como poder mexer em tintas. Quando subimos a rua juntas recita orgulhosa a cor de cada pichagem (e são muitas) e em casa sempre que ninguém repara vai remexer a gaveta dos acrílicos. Se com as canetas a brincadeira passa cada vez mais por representar alguma coisa (e pedir-nos tantas vezes quantas a nossa paciência permitir que desenhemos de seguida e por esta ordem um gato, um cão, um passarinho e uma minhoca), com o tinta o prazer está na mancha, nas texturas, na superfície, nas pingas (e no chão, na roupa, no cabelo, etc.).

*a Elvira está a fazer pinturas

8 comments » Write a comment

  1. que coragem!

    eu confesso que ainda nem dei marcadores à I por temer os “prejuízos” que possa causar…

    e a E não quis ainda provar as tintas? nham nham…

  2. :)

    Por acaso ela nunca teve muita tendência para pôr coisas na boca, mas claro que esta tinta não é tóxica (acho que é do mesmo género das que nos infantários usam para as famosas “digitintas”). A hora da pintura é que costuma ser especial: de manhã, imediatamente antes do banho, claro. E a “toilette” era um pijama velho com uma t-shirt do pai igualmente velha por cima.

  3. ainda não chegou à fase de continuar o trabalho na parede? Os meus são peritos, com lápis de carvão, de cera, marcadores, tintas.

  4. Que delícia….

    Quando tinha a idade da Elvira, no meu quarto existia uma parede gigante onde era permitido fazer tudo o que me apetecesse. Havia desenhos por todo o lado e o mais engraçado era ver a evolução deles…

    :) bom ano e continuação de novas e boas ideias

    Ana