quase 23 meses

Boa parte das minhas manhãs são passadas entre a mesa do computador e a das agulhas, com a E. a brincar no espaço que fica entre uma e a outra (e frequentemente também em cima e por baixo de uma e da outra). O ideal seria conseguir teclar com uma mão, coser com a outra, desenhar (um cão, um gato, um passarinho, uma minhoca e uma banana, por esta ordem e muitas vezes) para a E. com um dos pés e ficar com o outro livre para as emergências e reflexos rápidos que com um toddler por perto são uma constante. Como tenho de me limitar a fazer uma ou no máximo duas destas coisas de cada vez (e sem o auxílio dos pés) acabo por recorrer bastantes vezes a entreter a E. com o que me ocupa nesse momento, explicando-lhe o que estou a fazer e, quando a paciência é muita, convidando-a a fazer as coisas comigo (pôr o recheio nos bonecos, por exemplo, é uma das actividades predilectas). Esta manhã, ao falar mais para mim do que com ela sobre como não sabia por onde andava uma certa lata que queria encontrar, igual à que tinha nesse momento nas mãos, ela surpreendeu-me com um decidido iôta iata cá qui e puxou-me, corredor fora, até apontar orgulhosa para a dita outra lata, na qual nunca tinha mexido e de cuja existência não me passaria pela cabeça que soubesse. Parece que de um dia para o outro o meu bebé se transformou numa pessoa.

10 comments » Write a comment