serrote

O novíssimo caderno Papel Moeda das publicações Serrote chegou mesmo a tempo de me ajudar a entregar a declaração de IRS dentro do prazo (mais uma coisa que com tanta calma ficou para os últimos dias).

E links, atrasados ou não:

Entrevista à Isabel, que leio sempre.

Quilt inspirador, um site de referência e a E. enrolada num vindo daqui.

A tank wrapped in pink.

Velho novo: saco feito de calças de ganga.

Guisolito: 1001 variações sobre carteira de Tetrapack (aqui as instruções do modelo mais básico) sobre lindos fundos.

das fraldas

...

No grande ponto de encontro em que o mercado de agricultura biológica do Príncipe Real se tornou para mim e para a E. fiquei ontem a conhecer (olá Mariana) uma novidade (para mim) que estou a tentar encaixar entre o último grito do consumo consciente (assunto em que o meu blog de referência do momento é o Worsted Witch) e a mais absurda das fricalhices: o movimento anti-fraldas (alguns de muitos outros links: A culture without diapers; Dare to bare; Babies without diapers? No thanks). Já tinha pensado muitas vezes nos bebés sem fraldas dos documentários sobre tribos pouco ou nada ocidentalizadas (os menos telegénicos assuntos da higiene pessoal acabam por nunca ser abordados) – como é que aquelas mães andam sempre com os bebés sem fralda na anca e tanto elas como eles parecem sempre limpos? – mas não tinha percebido que não era preciso ir tão longe (cf. Decommissioning the diaper). Se vivêssemos no campo, se a casa não fosse tão fria e não estivéssemos à espera de um bebé de Inverno, se… . Para já (e em contagem decrescente para voltarmos à rotina das ditas) acho que me fico por mais uns emails para as principais marcas de fraldas descartáveis (ainda não me dedidi a experimentar as de pano) a explicar que eu e provavelmente muitos outros mães e pais preferíamos comprar fraldas mais pardas mas menos lixiviadas e, ainda melhor, biodegradáveis.

checklist

Calças de grávida: problema resolvido na Veronique Delachaux (um par de calças de ganga de cintura baixa e elástica). Obrigada Sónia pela dica.

Projectos editoriais em atraso: um quase feito, outro por fazer (puf, puf, puf).

Impossibilidade de deixar comentários n’A Ervilha Cor de Rosa: problema aparentemente resolvido desde esta manhã.

15 semanas

mana na barriga

Às 15 semanas já tenho um bocadinho de barriga e ainda não resolvi o problema da falta de calças. Só me apetece estar sossegada a ler, não me aborrecer com coisa nenhuma e pensar em quilts (aqui vê-se um bocadinho do próximo) e tricot. Ontem a E. começou a fazer desenhos com a mana (é quase de certeza uma mana) na minha barriga (e a avó na barriga do pai também). Este estado de graça transforma-me numa pessoa menos ansiosa (bom) mas também menos ansiosa por trabalhar (menos bom) e, neste momento, já inacreditavelmente atrasada com a minha contribuição para este projecto e outro igualmente interessante. Esta semana, portanto, menos leituras (já terminei o Sense and Sensibility), menos preguiça e mais trabalho!