para mais tarde recordar

puzzle

Não sei bem quando foi que deixei de fazer posts deste género. A grande maioria das primeiras vezes da E. ficaram de fora deste espaço (e de qualquer outro que não as nossas memórias, porque este passou a ser o meu único diário) e muitas já não consigo datar com certeza (foi aos nove meses que disse papá, mas quantos mais demorou até dizer também o meu nome?). Marquei o dia em que largou a chucha mas não o da última fralda, algumas gracinhas mas não outras, sem grande critério mas sempre a pensar no quanto é que será expor demasiado: eles, a primeira geração de bebés blogados, encarregar-se-ão sem dúvida de nos criticar daqui a uns anos. Tudo isto porque a E. me acordou a ler. Sem perceber o que estava a ler mas a ler. Estávamos no sofá, com ela a fazer de conta que me contava histórias para adormecer (o que, no meu estado actual, funciona em menos de um minuto). Já do outro lado, comecei a prestar atenção ao que estava a ouvir: áa, depois áapéee, áapécuéeee, e quando soletrou ápécuéna (a pequena) dei um salto. Tu já sabes ler?! O interesse pelas letras já vinha de há mais de um ano, mas tinha decidido não dar mais do que resposta aos inúmeros como é que se escreve e o que é que diz aqui diários. A seguir à surpresa de hoje não resisti a ir buscar a Isaurinha e a comprovar que junta as letras quase todas sem grandes hesitações. Não sabe ler, porque não consegue na maior parte das vezes deduzir sem ajuda o significado do que acabou de dizer, mas junta sozinha as letras de uma palavra inteira.

Tão importante como isto, pelo menos para ela, enquanto juntávamos triângulos para o próximo quilt e depois de dias de treino, conseguiu assobiar.

14 comments » Write a comment

  1. Parabéns! é uma data e peras. Ainda tenho para aí o livro que recebi de presente quando aprendi a ler (embora tivesse muitos mais, este tem dedicatória).

  2. Caramba! A E. é um gênio :)

    Linda a foto do pezinho e o chão da escola.

    E ainda assovia!

    E continua a cara do pai hehe

    beijos

  3. UAU! Estou verdadeiramente impressionada!

    De onde se prova que não há, realmente, uma data óptima para se começar a ler (começa-se sempre por aí, por juntar letras…)senão a data em que os miúdos se decidem a fazê-lo. O que também é um facto é que quando se interessam por uma coisa, e ao contrário de nós, adultos, eles vão mesmo até ao fim!

    Parabéns à E.! E ainda por cima assobia! Tenho de contar à M.!

  4. Fizeste-me lembrar aquelas histórias em que os pais descobrem/ percebem que (antes do tempo) os seus filhos descodificavam sozinhos a arte, quer ao nível da pintura ou da música. Gostei muito de te ler, especialmente como descreves este “passo mágico” favorecido pelo tempo, tempo esse que algumas crianças não têm… ou têm cada vez menos. Bastou um momento para a E.. Foi lindo. Imagino que tenhas ficado muito surpreendida!

    Mas como toda a arte, é preciso muito trabalho, claro! Loolll. Exercício, assim como o assobio… looolll. Eu estou à espera que o Benjamim salte. A partir do momento em que as crianças aprendem a saltar com os dois pés, muita coisa vem logo a seguir, noutros campos do desenvolvimento. Está quase. Por enquanto salta com um pé, com muito estilo e muita piada.

    Beijinhos

  5. É o método mais simples e quase infalível para aprender a ler (disse-mo a minha mãe que é professora do ensino básico).

    Ao juntar as sílabas e letras, a criança aprende quase sozinha, apenas porque acaba por ser em grande parte instintivo aprender a juntar as sílabas para construir palavras.

    Aliás, foi um professor que “inventou este método”, ao espalhar por casa várias palavras e apercebendo-se de que o filho ao observar e absorver as palvras, assim aprendeu a ler.

    Afinal, as frases dos livros do género: A TIA TAPA O POTE fazem com que nos apercebamos da essência da leitura. :)

    Muitos parabéns ;)

    ps- eu não me lembro sequer de aprender a ler, ainda no infantário já escrevia e passei a 1ª classe a fazer fichas dos meninos da 2ª

    (não avancei um ano simplesmente porque não o quiz, a minha mãe- que não foi minha professora por decisão- deu-me a escolher)

  6. grandes conquistas faz a tua menina. agarrar assim as palavras é extraordinário. muitos beijinhos (falta muito para o dia d? estou a torcer por ti… e que a “força” esteja contigo)

Comentar