das coisas por escrever

tempo

1. Cada vez que olho para ela penso que nunca vai voltar a ser tão pequenina e quero comê-la com os olhos e com beijos. 2. Tentar dar atenção às duas ao mesmo tempo nunca funciona. 3. A E. tem dores imaginárias desde que a irmã nasceu mas exibe-a com orgulho às visitas como se de obra sua se tratasse. 4. (e 5. e 6. e 7.) Uma cesariana não é um parto.

31 comments » Write a comment

  1. tenho um filho de três anos e gostava muito de ter um segundo mas penso sempre nos ciúmes do mais velho e no sofrimento que lhe iria causar… fico preocupada com isso. felicidades.

  2. Concordo contigo. Tive uma cesariana de urgência(com anestesia geral) e um parto normal,por esta ordem. E não há comparação….

  3. Fiz uma cesariana de ur^gência e um parto normal, por esta ordem com 4 anos de diferença. Concordo contigo. Não há comparação…. Lindas fotos, recordações preciosas. Como o tempo escorre mesmo por entre os dedos.

  4. o perceber que é mesmo preciso escolher uma em “detrimento” da outra, custou-me muito.

    mas tem de ser (mais no início, menos agora).

    e rapidamente aprendemos a “geri-las”. :)

  5. Por mais ciúmes que possam aparecer nesta altura, um irmão é dos melhores presentes que a vida nos pode oferecer (e os nossos pais, obviamente).

    A A. é linda, linda, e a E. está a crescer tão depressa!

    Muitas felicidades para toda a familia *

  6. Tive esse mesmo sentimento que o tempo estava a passar muito rápido com meu segundo filho (que no primeiro ainda não sabemos). Uma vontade de prolongar estes deliciosos meses. Agora ele já tem mais de 1 ano, às vezes acho que não dei atenção suficiente, outras me parece que conseguimos aproveitar bem este ano… É sempre um jogo delicado dividir as atenções, a mais velha sempre sofre com a atenção que o menor recebe. Mas ao mesmo tempo me encanta vê-los brincando juntos, rindo, e até brigando :) É um grande aprendizado. A relação que eles tem é única.

    Tuas fotos e tuas meninas são lindas!

    bjs

  7. Oi Rosa! Já tinha tentando comentar antes pra te dar os parabéns, mas acho que não saiu. Parabéns!!! Que lindo, duas meninas! Depois da E., devo dizer que estava bem curiosa pra saber que nome daria ao bebê. Amélia, adorei!

  8. Só me ocorre: que linda bébé!

    As dores imaginárias da E. recordou-me o que eu já tinha esquecido – a minha filhota mais velha também as teve (numa perna, mas sempre na mesma!) quando o irmão seguinte nasceu!!!!

    1 beijo

  9. 1. A Amélia é um doce.2. Aproveita-a ao máximo! 3.é normal a E. reagir assim e ao mesmo tempo exibir a irmã.é um sinal de que vai correr tudo bem e estranho era se assim não reagisse. 4. Já te tinha dito que a Amélia é um doce e que apetece dar-lhe beijinhos nas bochechas deste lado do computador???

  10. Por vezes, a consciência de que o tempo se esvai, de que eles estão a crescer a uma velocidade estonteante e de que todos estes pequenos momentos não se repetem é tão aguda que até dói.

    Para aplacar a dor, vivemos esses momentos ao máximo, com todas as forças de que dispomos e tiramos fotografias (muitas).

    Estas, da Amélia, estão lindas.

  11. Um beijinho para as meninas ervilhinhas Mãe e filhas, mas um muito em especial para a E., porque também é uma nova e difícil tarefa esta de aprender a ser irmã mais velha!

    Com carinho*

  12. Eu também tinha vontade de comer o Benjamim com os olhos e com beijos. A maternidade é mesmo especial, modificando-nos como uma impressão em plasticina…

    Uma cesariana não é um parto mas é um nascimento.

    Beijinhos.

  13. É uma doçura, os primeiros meses são uma experiência fantástica, conhecer e reconhecer e voltar a conhecer aquele ser tão pequenino que nos conquista dia a dia.

    Beijocas e tudo de bom

  14. Sobre o ponto 4: Já fiz duas cesarianas. A última no Sábado, na MAC (voltei ontem para casa). Desta vez estava muito esperançada num parto normal. Até tinha entregue um plano de parto à MAC e tudo… Trataram-me bem e esforçaram-se por seguir os meus desejos. Consultaram-me em tudo o que se desviou do plano (até o bebé nascer, nas urgências, pq depois no recobro e enfermaria ninguem quis saber de como eu queria fazer as coisas), mas infelizmente não escapei á repetição da história. Agoa com o bebe a dormir vim aqui ver rápido se ainda encontrava a referência ao livro do Michael Odent sobre como estar em paz com as cesarianas, de que falaste há umas semanas atrás…

    E, sabes, para me consolarem (eu sei que é com boa intenção…) ainda ouço comentários género “tiveste sorte, assim ficaste despachada e não doeu nada” :-( As pessoas sabem lá o que isto custa (por dentro e por fora)…

  15. Eu fiz uma cesariana programada. Não tinha outra hipótese e soube-o mesmo antes de ficar grávida. Não me angustiei com o facto, angustiei-me apenas no egoísmo da razão que o justificou e que justificará outras futuras maternidades. E perante isso só podia descontrair na realidade de não vir a ter um parto doloroso, no sofrimento que a minha filha não arriscou e principalmente no facto de poder ver a minha filha (não sujeitando a minha frágil retina a um provável descolamento). Tudo isso relativizou o sofrimento do pós parto (e obviamente os riscos que uma cesariana acarreta). Correu tudo bem e estou pronta para repetir a experiência, sem traumas nem más recordações. Mas obviamente que não tenho termo de comparação.

    Aquilo que eu sinto que falta num parto, se assim se pode chamar, deste tipo, é a emoção e o primeiro contacto com o bébé. não é como nos filmes… não no-lo põem ao colo imediatamente. é tudo muito impessoal e estranho. acredito que o caos hormonal do parto natural exarcebe as emoções a um nível que não consigo sequer imaginar. Isso sim parece-me ser a diferença fundamental…

    Apesar de ter passado pela cesariana de forma tranquíla e de não lhe guardar rancores nem más recordções, não compreendo as mulheres que me dizem que preferem uma cesariana a um parto normal. E na verdade há muitas…

    Quanto ao aleitamento tive a melhor experiência. Sem drama algum. Sem sequer hidratar o peito com mais do que o próprio leite. Amamentei exclusivamente até aos 7 meses. Depois, contra as minhas expectativas e contra a minha profícua produção leiteira, a minha filha rendeu-se absolutamente à novidade das sopas, fruta papas e iogurtes que deixou de querer o meu leite aos 8/9 meses.

    Só quis partilhar a minha experiência positiva, já que é tão raro as pessoas as partilharem…

  16. eu vou ganhar uma irmã, minha mãe esta gravida eu estou achando muito bom mas estou com um pouco de ciúmes, mas minha mãe disse que vai dividir o mesmo amor entre eu e ela.

Comentar