museu de etnologia i

tecelagem cabo verde e guiné

tecelagem cabo verde e guiné

Uma das exposições patentes no Museu de Etnologia (a Mary também viu) apresenta (a propósito do trabalho de uma artista plástica contemporânea) lindíssimos panos tradicionais de Cabo Verde e Guiné Bissau. São compostos por várias faixas estreitas tecidas em tear manual cosidas umas às outras. Parecem já ter deixado de fazer parte (ou quase) da maneira de vestir do nosso tempo, tendo provavelmente sido gradualmente substituídos a partir do século XIX (como na Europa), por tecidos decorados por estampagem (muito mais baratos e em boa parte importados). A tradição no entanto subsiste (pelo menos em parte) graças ao folclore e à procura global(izada) do que é étnico. On-line, encontra-se a Artissal (uma associação de Tecelagem tradicional que produz artigos artesanais de qualidade e promove um projecto de desenvolvimento comunitário na Guiné-Bissau) e uma página norueguesa – The Capeverdean pano – a unique handicraft – com o contacto de Henrique Sanchies, tecelão caboverdeano.

A exposição inclui ainda um conjunto de capulanas da colecção do MNE, recolhidas nos anos 90 na Guiné. A legenda chama-lhes panos legós, designação (local?) que o Google desconhece.


Mais informação:

Guião do Museu Nacional da Guiné-Bissau, no blog Senegâmbia.

Panos revelam costumes da Guiné Bissau: sobre uma exposição de panos guineenses no Brasil.

Guiné Bissau – Arte e Cultura: página da associação Acção para o Desenvolvimento com fotografias não datadas de artefactos guineenses.

capulanas / panos legós

babywearing cabo verde e guiné

10 comments » Write a comment

  1. k bonitos e os links muito interessantes! :))

    aproveito para te convidar a visitar o meu blog k agora tem novo look, dá-me a tua opinião, críticas sao bem vindas.

    bjokas

  2. tenho nalguma das minhas tristes caixas que esperam pacientemente por um lar fixo, panos lindos guardados semelhantes aos da primeira foto que me oferceram na Guiné. Mas apenas a preto e branco, também construidos em tiras por serem feitos em teares pequenos. Gosto especialmente de um muito estreitinho feito num padrão de quadradinhos vermelhos e brancos típico da etnia Papel que assim ao longe faz lembrar uma toalha de um restaurante italiano!!!! Porque o mundo é muito pequenino!

  3. Rosa,

    acho k devias assinar as tuas fotografias, directamente na fotografia, com o photoshop ou outro editor de imagem,

    e uma treta pq leva tempo…ja sei..mas todos deveriamos fazé-lo

    eu agora fiz dowload das deste post, porque quero guardar os padroes do tecido,

    e podia publicá-las em meu nome se nao tivesse escrupulos…entendes?

    o outro dia um amigo meu fotografo profissional, e que me esta a judar no portofolio-catalogo dos meus artigos e na pagina web recomendou-me

    por nas fotos da minha autoria:

    © Ana Resendes

    bem é so uma sugestão que me pareceu importante comentar-te,

    jinho

    a,

  4. A descoberta da Travadinha levou-me a procurar artesanado de Cabo Verde e o google images levou-me para ti de volta.
    Q engraçado, como um boomerang.
    Adoro estos panos, especialmente o laranja.

Leave a Reply

Required fields are marked *.