dever de resposta

chão

Eu não ia mesmo escrever sobre o assunto, mas ter acordado hoje a pensar nisso fez-me achar que era melhor. Diria que aquele Aqui e Agora foi o pior programa de pseudo-informação da história do canal se tivesse visto outros, mas a verdade é que raramente ligo a SIC (e a televisão em geral) que não seja umas horas mais tarde, para ver uma série ou um filme. Aliás se visse mais televisão provavelmente teria dito logo que não à jornalista Amélia Moura Ramos quando ela me contactou. Em vez disso cedi duas horas de uma manhã de trabalho que teriam sido bem mais proveitosas a fazer outra coisa qualquer (nada, por exemplo) para lhe dar a minha opinião sobre o assunto que a levou a escrever-me (Sou jornalista da sic e estou a fazer uma reportagem sobre a vida privada na net. Li a sua opinião sobre os babybloggers e achei que seria interessante falar consigo.). Infelizmente, só quando vi a peça é que percebi que a intenção da jornalista nunca fora a de vir registar a minha opinião, mas antes a de recolher material para ilustrar o ponto de vista fundado na absoluta ignorância que serviu de premissa a todo o programa. A esta falta de sinceridade soma-se a falta de informação da Amélia Moura Ramos relativamente ao assunto: fui eu que lhe dei a conhecer os únicos outros sites que mencionou na peça e ela própria assumiu espontaneamente em conversa não ter nenhum à-vontade com as novas tecnologias (o que a meu ver é bastante desaconselhável a um profissional dos media) e o receio que tinha enquanto mãe de não poder acompanhar a filha nestes domínios.

Ora tudo isto seria apenas ridículo se não houvesse ainda muitos portugueses info-excluídos, que vêem televisão mas não sabem o que é um browser. Todos esses, que são pais e avós de muita gente, terão ficado ainda mais receosos e desconfiados mas nem um bocadinho mais capazes de proteger os filhos e netos dos tais perigos que lhes foi dito estarem do lado de lá de todos os monitores. Muito menos de os compreender.

Falta-me só dizer que também é por isso que deixei gradualmente de ver televisão: prefiro procurar e ler pessoas que escrevem, muitas vezes de graça, sobre aquilo de que sabem e gostam do que ver um grupo fixo de comentadores e jornalistas pagos para dizer generalidades (e enormidades) sobre qualquer assunto que lhes seja apresentado.

32 comments » Write a comment

  1. Não podia estar mais de acordo. Não vi a reportagem na tv, mas segui o link que colocaste há uns dias e vi on-line.

    Achei, como sempre, que foi uma “sicalhada”, mas fiquei absolutamente pasmada ao ver pessoas com alguma responsabilidade social e intelectual dizerem barbaridades de uma forma excesivamente pessoal.

    Os comentadores da sic são tudo menos imparciais e o mesmo acontece com os jornalistas. A minha opinião é que a televisão é cada vez mais perigosa e manipuladora. Sem dúvida, muito mais perigosa que qualquer blog nacional..ou mesmo que o fenómeno da internet.

    Espero realmente que não estejamos a criar uma géração de info-excluídos…ignorantes e manipulados. A televisão, neste caso e em geral, parece estar a travar uma guerra com o outro ecrã. A sua sobrevivência enquanto media nº1 está em risco. Acho que é também por isto que há ainda tanta distância entre a tv e a internet, e pode justificar em parte este péssimo serviço televisivo, mascarado de jornalismo.

    Parabéns, acho-te muito corajosa por escreveres esta resposta, sem dúvida com todo o dever e todo o direito.

  2. well done

    e ainda

    touche

    gente ignorante e arrogante sao uma combinacao tremenda.

    adoro este movimento de mulheres/maes… que atraves da net se tem dado a conhecer

    criado movimentos

    dado aso a sua criatividade e independencia financeira

    tudo isto sao coisas perigosas e aterrorisantes para algunS

  3. Ainda bem que te ouço a dizer isto, Rosa :) Eu vi a tal reportagem e fiquei um bocado baralhada na altura. Tu não pertencias ali… foi o que pensei logo. E confirma-se :)

    Beijinho

  4. ainda bem que resolveste dar resposta…

    aquilo irritou-me tanto e a forma como deturparam tudo, deixou-me perplexa!

    espero que os responsáveis do programa leiam esta resposta e que, pelo menos, pensem em aprender mais qualquer coisa…

    afinal a sua responsabilidade pelo que passa para um vasto público tem de ser de alguma forma apontada…não se pode andar por aí a dizer e divulgar a milhões coisas que não são devidamente fundamentadas!

    e quando não se sabe mais, faz-se de conta…há sempre alguém que acredita.

    infelizmente!!!

    obrigada

  5. Pois não vi a reportagem mas acredito que serviu para abrir os olhos a muita gente, como aqui se vê, infelizmente às custas de alguém que agia de boa fé. Que o jornalismo em Portugal deixou de o ser há muito tempo, só não vê quem não quer.

    Também eu acredito neste movimento de mulheres/mães que está a começar a vir ao de cima e tenho a certeza que algo está para mudar. Mas por favor, ouçam a vossa voz interior antes de pôr aquela foto tão linda do filhote a circular pelo planeta! Ai a culpa…

  6. O seu último parágrafo diz tudo, a informação já não é o que era. A verdade é que os jornalistas já partem para a reportagem com a ideia, um ponto de vista definido. E depois na edição da peça consegue-se o q se pretende.

    Eu estava à espera da sua resposta!

  7. Sorry, I meant to say

    “hear hear”

    as in “hear, all ye good people, hear what this brilliant and eloquent speaker has to say!”

  8. sigo com espanto toda esta celeuma aqui de longe … o nosso país tão Queiroziano !

    e fico mais tranquila por escrever noutra língua, nunca publicar fotos dos meus filhos, não dizer quem sou , nem de onde venho, nem porque estou aqui …

    mas … acredito profundamente na liberdade de expressão ! e se alguém lhe apetecer publicar a foto de toda a sua família a fazer o pino,o que terá de importante a dizer um programa-tv- sensacionalista-para-atrair-audiências-mal-fundamentado ?!

    de qualquer maneira, as vanguardas sempre fizeram comichão aos media… por isso talvez esses blogs estejam na vanguarda mesmo ! Portanto, Rosa, estás na boa estrada !:-)

  9. Ainda não tinha visto o programa.

    É por isto que não tenho televisão em casa há cerca de 3 anos, prefiro escolher o que quero ver e quando quero ver, e não ser influenciada por 2 ou 3 pessoas que não sabem do que falam…

    Gostei de te ver, embora muito mal acompanhada ;)

  10. Eu não vi a peça, aliás, ultimamente nem tenho vontade de ligar a TV para me dar conta do controlo que os media têm sobre a histeria das pessoas.

    Acredito que essa reportagem tenha sido mais um exemplo..

  11. Boa Rosa.

    Eu não vejo a SIC, não vi a reportagem mas posso imaginar. Zanguei-me com a SIC o ano passado por outro motivo. Escrevi para lá a dizer o que pensava. Em resposta “chamaram-me” burra/ignorante.

    E depois refectindo…sim era burra por ligar para essa estação. Aliás, hoje é raro ligar para qualquer uma delas. Prefiro ver um bom filme ou então como tu dizes e bem passar algum tempo a “ler” pessoas interessante que têm algo de BOM a partilhar.

    Acho que devemos dizer mais aquilo que sentimos e pensamos e reclamar quando achamos por bem.

    E se formos a ver a grelha dessa estação…bem NO COMENTS

  12. Não sei se o que fazes é expor as tuas filhas, mas se for eu acho que é duma forma muito carinhosa e discreta. Parabéns pelo blog!

  13. Olá.

    P’lo que li acho um atrevimento da jornalista em questão, até pla falta de sinceridade em dizer as fontes de ajuda para a reportagem.

    Infelizmente não vi, pq tb vejo pouca TV.

    O seu Blog já me é familiar há muito tempo e os seus trabalhos, que são fantásticos e inconfundiveis onde se encontram,tambem.

    As minhas coisinhas são muito simples.O blog nasceu para ser um escape para os meus problemas de saúde.

    Vou algumas vezes cá no Porto a umas galerias que ficam na Rua Miguel Bombarda, onde se encontram coisas muito bonitas.

    Obrigada pla paciência de me “aturar”

    bjnho e muitas felicidades.

    olharbiju(alice)

  14. todo o programa está longe de ser uma peça jornalística séria… gostei muito da tua resposta.

    Parabéns pelo blog, gosto muito das coisas que fazes e da maneira como relatas um quotidiano que chega a parecer mágico.

  15. Fizeste muito bem escrever este post. Mas não deixes de confrontar directamente a jornalista com o que deu a entender que seria o teu testemunho com o que foi editado para o programa. Eu ficaria danada!!

    Em qualquer reportagem os jornalistas falam só do que lhes convém e às vezes o mais importante é camuflado, como já pude verificar em algumas reportagens e que até já me queixei por duas vezes por escrito sem obter resposta (o mais provável é que a minha queixa tenha sido inconveniente).

  16. Quando comecei a pensar num blog, pensei simplesmente num espaço de partilha e reflexão sobre situações de educação e maternidade. Nunca até este momento tinha reflectido nos perigos dos babyblogues e da exposição das crianças, embora sem o pensar tenha tido sempre cuidado com essa exposição. Não vi o programa. Às vezes somos apanhados em situações que não prevemos e parece que foi o que te aconteceu. Mas quem lê este blog sabe fazer essa distinção. E serve isto para reflectirmos sempre sobre esse cuidado. Pelo menos para mim. Obrigado por isso. Boa resposta

  17. Não vi toda a reportagem (a minha net super lenta a isso determinou), mas acho lamentável que a tenham manipulado como bem entenderam…

    Por isso mesmo, parabéns pela resposta!

    Beijinhos.

  18. Não vi a peça, pois deixei de ver televisão a não ser algumas séries. Subscrevo aquilo que dizes, a televisão é pura perda de tempo, com informação manipulada e sensacionalista, assim como alguma literatura, cinema… enfim são os sinais destes tempos de mediocridade! Valha-nos os circuitos alternativos onde se encontra ainda o que tem valor!

  19. Ontem vi na sic online a peça de que falas…um verdadeiro LIXO!

    Incrível a tristeza desses pobres jornalistas que deturpam tudo a favor do sensacionalismo barato.

    Fique estúpida com essa do “Mostra as filhas” como se fossem exibidas de uma qualquer maneira horrível, já para não falar na mistura anormal de casos e situações falados de uma maneira corriqueira.

    Enfim, por estas e por outras é que este país ainda anda assim, atrasado, não duvido disto.

  20. A televisao é o meio de comunicação com mais gente despreparada. Já tive a infelicidade de participar de um programa pra abordar um assunto ao qual achava importante divulgar e só me decepcionei.

    Te entendo perfeitamente.

    Leio seu blog faz mais de um ano, mas nunca hávia comentado. Tenho vergonha, pois sou brasileira e provavelmente existem muitas diferenças no português. Dessa vez resolvi arriscar. seus trabalhos são lindos! Suas histórias são inspiradoras! Você é muito inteligente e isso me cativa demais!

    Beijos

  21. Olá!!

    Há já algum tempo que ” espreito” o seu blog com alguma inveja por não ser capaz de fazer estas coisas,acho lindas as suas filhas.Adoro o seu blog, e concordo consigo na sua opinião sobre a reportagem, mas garanto-lhe que mesmo depois de ver a reportagem não mudei de opinião a cerca do seu blog.No entanto entendo a posição da reportagem quando se diz que não se sabe quem nos espreita, e quais as intenções dessas pessoas, como eu, por exemplo… você não me conhece, não sabe quantas vezes visito o seu blog nem com que intenção o faço, embora no seu não se encontre muitas informações para os mal intencionados, mas há blogs que as têem.

    Mas afianço-le que sou um doce de pessoa, inofensiva, sou só uma curiosaque de vez em quando espeita a sua “janela”.

    Um beijo

  22. Ainda bem que respondeste!

    Principalmente para evitar que mais alguém seja ENGANADO por essa Senhora que se intitula jornalista!

    Bjs

  23. Olá Rosa,

    Acabei de ver a reportagem on-line… Concordo plenamente com o que escreveste. Se na primeira reportagem se busca alertar para a calúnia que pode ocorrer na internet, na segunda esquece-se que esse é um risco transversal aos média e que portanto, pode abrange igualmente a televisão. Penso que a segunda peça explora situações com o único propósito de chocar. O tratamento jornalístico nada tem de coerente, facto patente nas escolhas das situações a abordar, que na sua maioria não podem ser comparadas.

    Num país em que o grau de qualificações é extremamente baixo, em que grande parte das pessoas não tem possibilidades de adquirir um computador, quanto mais ter acesso à internet, propagar desta forma na opinião pública os “malefícios” da internet parece-me no mínimo irresponsável…

  24. Boa! It looks like the Portuguese media is equally as bad as the one in the US. This reminds me of the horrendous interview that the Today show did with DOOCE author Heather Armstrong about blogging mammas. I felt awful for Heather.

  25. olá

    só agora pude ver o famoso debate (mal enjorcado, mas podemos chamá-lo assim). Na ânsia de limpar programas desnecessários do computador, apaguei também os ficheiros de hardware de som (tã esperta, ham…)

    e percebo perfeitamente a tua má disposição. é ultrajante a manipulação das declarações assim como é escabroso querer mostrar a internet como o papão capaz das maiores atrocidades pedófilas e homicidas, quando podemos estar tão sossegados com a informação genuína, pacífica e imparcial da televisão.

    e esta foi a segunda que te pregaram…

    um beijo

  26. Quando vi o trabalho da SIC pensei logo na forma pouco objectiva com que a jornalista fez a peça, sem contactar fontes diversas e partindo para a história com a cabeça completamente formatada. Cheguei aqui, ao teu blogue, por acaso e ainda bem que escreveste o dever de resposta. Concordo totalmente.

Leave a Reply

Required fields are marked *.