☐ ☐ ☐

☐☐☐☐☐☐

70s

Terminei hoje esta almofada. Os retalhos com que a fiz vieram de um pequeno atelier de costura e estavam guardados num saco juntamente com outros, todos muito pequenos, que alguém há muito tempo não teve coragem de deitar fora. São todos de algodão e de tecidos dos anos 70, quase de certeza portugueses. Com o bom tempo, foi um instante enquanto os lavei e ficaram prontos a usar. Por serem tão espampanantes não arrisquei mais do que cortá-los em quadrados e, mesmo assim, até decidir que ficavam bem como almofada com crianças em cima houve uns momentos em que achei que eram cores a mais. Afinal não são.

zoo

lemur

lemures

Passámos o dia no Jardim Zoológico. Já lá não ia há tantos anos que foi como conhecer um sítio novo. Do Jardim da Aldeia dos Macacos, do cemitério dos cães e do elefante que tocava o sino a troco de uma moeda pouco sobra e a imagem dos animais enjaulados e deprimidos que guardava da última visita felizmente não corresponde ao que se vê agora.

Convém dizer que a visita que fizemos foi especial: tivemos a sorte de ser convidados do Zoo e de podermos andar um bocadinho pelos bastidores: pegámos em araras, fizemos festinhas numa doninha ex-fedorenta e o ponto alto foi estar junto dos lemures de cauda anelada (a quem a A., a E. e o Minúsculo ajudaram a dar de comer) sendo que um deles tinha um bebé com apenas oito dias de vida. Não tirei nenhumas fotografias de jeito porque fiquei tão entusiasmada como elas. E depois da visita (muito bem) guiada ainda nos sobrou energia para mais umas horas de passeio.

Muito obrigada, Jardim Zoológico!

Read more →

barreiro

bico do mexilhoeiro

bico do mexilhoeiro

O Bico do Mexilhoeiro faz parte do património natural do Barreiro. É uma praia fluvial cuja água assusta de tão poluída (terá sido muito diferente no passado), escondida por um renque de barracas de madeira (antigas casas? de pescadores?) cada uma mais extraordinária e fotogénica que a anterior (aqui). São feitas de bocados de outras coisas (uma das portas parecia ter sido de um elevador) e pintadas com as cores e o jeito que usa quem vive junto da água.

Read more →