re-made in portugal

joana vasconcelos re-made

xana re-made

com o xana

Fomos ontem à inauguração do Re-made in Portugal, onde as artes plásticas, com a Joana Vasconcelos e o Xana entre outros, parecem bem melhor representadas que o design ecológico, secção em que nenhuma peça me prendeu e que a meu ver sairia enriquecida com uma abordagem às técnicas seculares de recuperação e reciclagem materializadas em muita da nossa arte popular. Sigo não para bingo mas para Nisa e volto já.

sns

sistema nacional de saúde a funcionar

A E. foi chamada ao centro de saúde do bairro para o exame global dos 5/6 anos (cuja existência desconhecia). Esperámos menos antes de sermos atendidas do que acontece em geral no consultório particular da pediatra que a segue. Foi vista sem pressas por uma médica motivada, afectuosa e atenta. Gosto de acreditar no Sistema Nacional de Saúde.

traje à vianesa

traje à vianesa

traje à vianesa

No ano passado deixei aqui este apelo do Museu do Traje de Viana do Castelo. Quando, há umas semanas, fui finalmente visitar o museu encontrei o recém-publicado Uma Imagem da Nação – Traje à Vianesa. Foi a minha leitura de férias, e foi com imenso prazer que encontrei o meu nome na lista de agradecimentos (juntamente, entre muitos outros, com o da Mary). O livro é um estudo alargado e profusamente ilustrado do chamado traje à vianesa. Contextualiza historicamente a formação do traje (António Medeiros), descreve cada um dos seus elementos, a sua construção e matérias-primas (Benjamim Pereira) e organiza cronologicamente o seu uso e representações (João Alpuim Botelho). Por serem temas a que tenho dado particular atenção, soube-me a pouco a página dedicada ao lenço e às meias, sobre os quais muito mais haveria que dizer. Ficam para outras publicações, que espero que o Museu venha a editar.

Read more →

de volta

lavradeiras do minho

Regressámos de umas curtas mas excelentes férias para um literal duche frio: estamos sem gás em casa devido a uma fuga na conduta geral do prédio e ao mau serviço da LisboaGás. E se é inacreditável termos de ir para obras pouco tempo depois de a empresa instalar ou certificar as condutas no interior das casas, pior é os vizinhos preferirem voltar às botijas a investir no seu património. Enfim.

Page 1 of 212