sns

sistema nacional de saúde a funcionar

A E. foi chamada ao centro de saúde do bairro para o exame global dos 5/6 anos (cuja existência desconhecia). Esperámos menos antes de sermos atendidas do que acontece em geral no consultório particular da pediatra que a segue. Foi vista sem pressas por uma médica motivada, afectuosa e atenta. Gosto de acreditar no Sistema Nacional de Saúde.

14 comments » Write a comment

  1. pois eu também quero acreditar no SNS e acredito que tem havido um esforço no sentido de o melhorar. foi com pena que tive que optar por uma obstetra particular para seguir a minha gravidez, no entanto vou apostar no hospital público para o parto. é sempre bom haver boas notícias como esta tua :)

  2. também gosto de acreditar no SNS. A verdade é que apesar de ter tido más experiências pessoais, sempre que se tratou do meu filho tudo correu muito bem no SNS. Tanto no hospital onde nasceu (Évora)como mais tarde em Sta. Maria onde esteve internado durante 1 semana senti um grande apoio por parte dos médicos. E tem sido muito bem acompanhado desde aí…

  3. Olá

    Toda a minha vida frequentei as consultas do SNS. Durante a gravidez dos meus dois filhos, durante o seu crescimento (1 tem 13 anos e o outro 15) e durante as minhas consultas (poucas, diga-se de passagem) e nada tenho a censurar. Consultei uma vez um ginecologista privado, não me senti melhor tratada e esperei bastante, mas fui avisada disso. Por que razão pagar pelos mesmos serviços e pelo mesmo atendimento?

  4. Eu passei a acreditar ainda mais no SNS depois de ter tido um problema de saúde que foi tratado pelo médico que me seguia (particularmente) como uma forma de ganhar dinheiro – coisa que se percebe bem quando numa consulta para tentar esclarecer qual é o problema a maior preocupação dele era explicar-me quanto é que me ia custar. Depois disso fui a um hospital público onde fui muitíssimo bem tratada e onde sempre houve tempo para me explicar qual era o problema e qual era a solução.

  5. De momento também só tenho bem a dizer do SNS. Confesso que as minhas experiências no Porto não foram as melhores (tempos de espera enormes e atendimento apressado) e só lá ia mesmo quando precisava de “baixa”. No entanto aqui em Viseu funciona ás mil maravilhas!

    Recentemente resolvi experimentar as consultas de planeamento familiar e não só saí dez vezes mais informada do que em anos de consultas ginecológicas privadas como descobri que metade dos exames que costumava pagar (como o Papanicolau) afinal são gratuitos!

    É bom quando o sistema nos surpreende pela positiva…

  6. gosto muito do meu médico de família que esporádicamente me acompanha o meu filho. já por muitas vezes me pus a pensar para que raio vou eu ao pediatra particular. deve ser da viagem de primeiro filho…:)

  7. Olá Rosa.De vez em quando venho cá espreitar o teu blog, e resolvi mais uma vez comentar.

    Antes da minha filha nascer tive uma infeliz “experiência” num Centro de Saúde, só para para obter uma declaração que como estava grávida.Quando a minha filha nasceu, “nasceu” também no nosso bairro um espaço de saúde que fez-me pensar que vale a pena acreditar no serviço publico português, as Unidades de Saúde Familiar – USF. Não quis acreditar e até comentei em tom de brincadeira:”Estarei eu na Escadinávia?” :)

    O espaço, as pessoas, o relacionamento,não tenho nada de errado a dizer. Sou uma cidadã, utente e mãe satisfeita ao ver que tenho um grupo de pessoas, profissionais (mas todos mesmo) a prestar bem um serviço, sem falta de educação, “amuos profissionais”, e outras manisfestações, que infelizmente ainda encontramos em muitos centros de saúde e não só.

  8. O meu filho bebé tem sido seguido no Hospital Maria Pia, no Porto. Só tenho bem a dizer – a médica que o acompanha para além de ser tecnicamente competente, transmite imensa tranquilidade, as consultas acontecem à hora marcada e, se tivermos algum problema entre consultas, é fácil contactar a médica telefonicamente.

  9. Que boa notícia!

    Eu também gosto de acreditar no SNS e fico muito contente com boas noticias destas. Sinto orgulho!

    Vivi 6 anos nos EUA e o cenário era muito fiferente.

    Na verdade para muitas coisas recorro ao privado, mas as experiências que tive no SNS foram muito boas (p.e. decidi no final da gravidez deixar o obstetra privado que me queria convencer que cesariana era a melhor coisa que me podia acontecer, e fui seguida na Estefania e fiz o parto lá e acho que foi uma optima opção)

    Uma grande amiga minha foi seguida na gravidez numa médica no centro de saude do bairro alto e gostou muito.

  10. Dizem que o SNS português é dos melhores do mundo, os médicos é que podem variar de qualidade e profissionalismo. Tenho familiares em Inglaterra que dizem que se tiverem um problema de saude não querem ficar lá. Tenho familia em Itália e quando um dos meus primos teve um problema grave veio para Portugal. Não tenho a certeza que cá funcione tudo muito bem, sobretudo com os centros de saude. Em Coimbra os hospitais são optimos tanto o pediátrico como os HUC e o CHC e nunca me passou pela cabeça recorrer a outros quando foi preciso; não tenho a mesma confiança nos centros de saude. Temos pediatra e oftalmologista privados. É assim uma mistura de muito bom e menos bom.

  11. Bom e mau há em todo o lado, mas no geral o SNS é bastante bom e muitas vezes melhor do que alguns particulares.Tive a minha tia acamada e desde o Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, ao Centro de Saúde,a assistência foi sempre mesmo muito boa, com enfermeiras de visitas regulares, etc.Confesso que fiquei admirada com o acompanhamento.

  12. nesta area so tenho tido boas experiencias. a consulta obrigatoria foi extremamente detalhada, calma e com uma ternura incrivel tanto da parte da medica como da enfermeira.

  13. Eu tenho tanto boas como más experiências com o SNS. Pelo que me parece, funciona muito bem nos grandes centros urbanos, mas na província nem por isso, principalmente quando se trata de idosos. Se, por um lado, só tenho maravilhas a dizer do meu médico de família, que é excelente e tenho o seu contacto de telemóvel para ligar sempre que for preciso (para além de me ter seguido durante ambas as gravidezes e tudo ter corrido da melhor forma), por outro, fico no mínimo escandalizada com o que se passa na terra do meu Marido, em particular com a minha Sogra. O serviço do centro de saúde em si é óptimo, mas a falta de condições para tratar de uma população na sua maioria idosa e sem meios de transporte é chocante. A minha Sogra tem de há um ano para cá um problema nas pernas que lhe dificultam muito andar. A minha Sogra explicou o que sentia ao médico e a resposta dele foi: “é a idade, minha senhora”. Ora bolas, a senhora tem 78 anos, mas isso é razão para não dar importância ao caso? Receitou-lhe medicamentos e só mandou fazer exames porque a minha Sogra insistiu. A pior parte: chegou-se à conclusão que a minha Sogra necessita de ser operada, ou pelo menos fazer fisioterapia. Mas para fazer fisioterapia sem recorrer a um particular é necessário ir para o Hospital de Coimbra (não sei qual deles), que fica a 1 hora de distância de carro (a minha Sogra não conduz e o único meio de transporte público para Coimbra é o Taxi…) e tem que se estar lá desde as 2h da madrugada para apanhar lugar! Chocante, no mínimo.

  14. olá Rosa :), a tua E. tb vai para escola este ano?

    eu tb não sabia da exist~encia desta consulta , que pelo que parece é obrigatória :) e também eu passei por lá com a minha M. para fazer esses diagnósticos aos olhos ao ouvido …..

    não tenho queixa nenhuma do médico de familia, mas tb sei que tenho sorte, estou numa nova unidade de saúde familiar, aliás pioneira se não foi a primeira foi das primeiras e é de certeza uma das mais dinamicas do país e para acabar em beleza a minha médica foi minha vizinha durante anos :)) por isso a minha relação é optima com o meu centro de saúde :)))

Leave a Reply

Required fields are marked *.


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>