pensar foi o pai que me ensinou e a mãe também

pensar foi o pai que me ensinou

Petição Cidadãos pela Laicidade

PS: é absurdo o argumento de que também se desperdiça dinheiro dos contribuintes noutras coisas e quanto à sensibilidade católica da maioria, lembre-se que é uma maioria que entre outras coisas votou sim à despenalização da IVG. Vale a pena ver esta reportagem:

A César o que é de César: a fotografia foi tirada na exposição da Joana Vasconcelos que está no CCB. É um pormenor da peça www.fatimashop.

36 comments » Write a comment

  1. Só não percebo porque é que um pais Laico como o nosso continua
    a ter tantos FERIADOS RELIGIOSOS.

    Acho que já era altura de abolir do nosso calendário TODOS eles
    incluindo Páscoa e Natal.

    Porque é que Laicos que somos, continuamos a usufruir, não só da
    tolerância de ponto quando o papa nos visita mas de alguns dias durante
    o ano que supostamente seriam para os crentes manifestarem a sua fé?

    Isto é que eu não entendo.

  2. … e com que honras se recebe este “chefe de estado” !

    Frases infelizes, de facto.

  3. Já está assinado! Há com cada coisa mais idiota neste lindo Portugal… É o papa, é o Benfica a ser recebido na câmara de Lisboa, é o Mundial… Belo “Jardim das Delícias”…

  4. “(…) é o Papa, é o Benfica8(…)”? Assim está a cultura do e no nosso País.
    Portugal não mantém apenas boas relações diplomáticas com o Vaticano. Portugal não é apenas um País em que a religião católica é a mais expressiva entre a população. Portugal é um País com valores e princípios profundos e profundamente católicos. Negar isso é negar Portugal e os portugueses.
    O resto – a forma, os gastos… infelizmente é o que, nos últimos tempos mais se coloca, a tantos níveis e em tantas situações. Essa é outra matéria.

  5. Concordo com M..
    Já ando um bocado farta de ouvir falar mal da visita do Papa, das tolerâncias de ponto, das escolas fechadas, do trânsito cortado e dos gastos exacerbados.
    Vamos ter calma e pensar antes de falar mal (que é tão fácil). Há que respeitar as pessoas e as suas crenças, e o Papa como Chefe de Estado (sem aspas) e como figura principal de uma entidade que é a Igreja, independentemente de sermos católicos.
    Era tão mais útil ver esta vontade do falar mal canalizada para protestos contra os nossos governantes que fartam-se de meter nosso dinheiro ao bolso, contra a justiça no processo de pedofilia da Casa Pia, por exemplo, que nada fez e tem deixado sair impune todos os acusados, contra os milhões de Euros (nosso dinheiro!) gastos nos festejos do Centenário da República e tantas outras coisas que realmente prejudicam a nossa condição actual, a nossa economia, o nosso futuro e o de nossos filhos. Isto sim era fazer algo útil pela sociedade.

  6. o q me choca nisto tudo é a forma como a política utiliza todos estes momentos para manter assim o povo português bem submisso e caladinho num período de crise terrível.

  7. Curioso seria quererem retirar aos portugueses as suas convicções mais profundas.

    Retirem tudo, tentem negar tudo. E daqui a umas décadas os nossos filhos, netos ou bisnetos, hão-de encontrar uma amálgama a que não se pode chamar identidade. Encontram um conjunto de liberdades sem unidade e que de nada vale por sí só. Tudo se permitirá em nome da liberdade individual. Não se vão orientar.

  8. Mas em algumas questões, sim, houve exagero. Na tolerância de ponto, nas escolas encerradas. Não compreendo como se encerram escolas públicas não sendo um dia feriado. Esta é uma questão muito objectiva que podia ter sido mais debativa, mais contestada, mas não vejo que o tenha sido. Os pais que têm os filhos em escola pública, por opção ou por necessidade, e que não são funcionários públicos, são obrigados (e se a entidade patronal concordar) a tirar um dia de férias. Ou dois. Ou três?!

  9. M., eu sou ateia mas respeito os credos alheios. Não quero desenvangelizar ninguém, aliás até simpatizo com muitos dos princípios do Cristianismo. Sou por um Estado laico e acho que aos olhos da larga maioria dos portugueses, católicos ou não, todo este fasto (75 milhões?!) num contexto de crise profunda é insultuoso e é algo que eu não esperava deste governo. Por outro lado, também não gosto da facilidade com que se insultam nossos políticos e o problema em dizer mal do chefe de estado aqui em causa. É que os governantes portugueses pelo menos são eleitos por sufrágio universal e o mesmo não se pode dizer dos do Vaticano.

  10. No mesmo dia que o Papa dá a missa e é transmitida pela televisão em tempo real, noutro canal dão a notícia do aumento dos impostos. Só de pensar que o meu dinheiro vai para isso… revolta-me um bocadinho, parece que durante uns dias não estaremos em crise. Tenho pena que só agora tenham limpo as ruas a fundo e não quando é realmente preciso. E a mensagem dos cartazes espalhados pela cidade dá cabo de mim, se temos que respeitar quem o venera, também deviam respeitar as outras pessoas que aqui vivem, bastava terem colocado os cartazes no local da missa. O Papa visita países desfavorecidos sem necessidade destas tretas todas, somos mesmo pequenos.

  11. Será que a FÉ… tem que mover tanto dinheiro … tantos interesses … será necessário tanta cerimónia para o receber … não era segundo o grande livro sagrado, JESUS, um homem que nas suas vestes simples caminhava entre o povo, sendo ou não seus seguidores… que estendia as mãos sem ouros, sem trajes luxuosos e amava e abraçava quem dele precisava… não vejo isso representado neste homem, nem na instituição que representa (desde sempre). Eu sou católica, acredito em DEUS, mas não acredito em todo este espectáculo e penso que não é esta a mensagem que ELE nos quer passar.
    Não quero acreditar que quando tantas crianças passam fome (sem tocar sequer na “crise”) mesmo aqui, no nosso país… se esbanje desta maneira. Não penso que receber “chefes de estado” de forma mais comedida fosse apagar a identidade do nosso país, aliás até acho que o nosso grande problema é vivermos da imagem e a maior parte das vezes esquecemos as pequenas coisas que nos tornam tão especiais… tão diferentes…

  12. Rosa, compreendo. Mas a petição abrange muito mais do que a matéria financeira. Daí os meus posts anteriores.

  13. Fui educada para acreditar na igreja católica. Hoje respeito quem acredita, mas eu…..tenho tantas dúvidas.

    A igreja tem feito tanto disparate, recusa-se a evoluir e a aceitar os tempos modernos.

    Custa-me imenso nesta época de crise ver os nossos milhões a serem gastos nesta recepção ao Papa. E como pertencendo a um Estado Laico gostaria de ver os restantes chefes de igrejas e confissões serem recebidos com um pouco mais de dignidade. Lembro-me quando cá esteve o Dalai Lama quase foi recebido na obscuridade.

  14. E porque razão os autocarros da Carris (empresa pública portuguesa???) andam com bandeirinhas do Vaticano?

  15. Oh, Joana Gama… Seria uma boa seguidora de Marx!
    Trabalhar, trabalhar, trabalhar!! Mas já dizia Jesus “nem só de pão vive o homem”, admira-me que uma suposta artista pense assim… o homem não atinge a plenitude, não se eleva pelo trabalho. O homem só é homem pelo saber, a espiritualidade, pelas relações humanas. E todos os feriados não foram criados do nada, de um dia para o outro mas sim vindos das vivências seculares que a sociedade soube criar para celebrar a humanidade. A inteligência está em saber adaptar essas celebrações ao caminho de cada um e assim com os seus, com as suas famílias, celebrar também o facto de sermos muito mais que meras fábricas de trabalho.
    Não há uma petição contra a demagogia?

  16. De facto todas estas manifestações religiosas parecem um pouco “tristes” e “pobres” mas infelizmente são à semelhança do povo português que é ignorante, iletrado. É uma fé feita de crendice e superstição, tão fusfurescente como essas santinhas da tua foto, Rosa.
    Tudo isto é uma pena porque afasta da Igreja todos aqueles com mentes mais esclarecidas e que de certo modo poderiam mostrar o lado intelectual, com fundamento da Igreja. Poderiam mostrar que ,a par da espiritualidade há uma filosofia muito forte vinda do pensar de milénios de história que o homem não pode apagar e que deu a esta sociedade ocidental o basilar da sua orientação em sociedade.`
    É mais dificil tolerar e compreender estes dias de manifestações públicas do que apontar o dedo. Mas tudo isto é natural, qualquer sociólogo dirá que é normal das sociedade que se movimentam em massas e que são impelidas uns pelos outros a adorar e a venerar.
    Também aqui se falou do Dalai Lama… grande e santo homem que ensina a saber olhar, esperar, tolerar e compreender. Aproveito para dizer que há agora uma tendência para gostar e admirar o Budismo e de facto tem muito para ensinar mas por si só é uma religião muito individual, uma fé onde é fácil ser santo porque está virada para o indivíduo.
    O desafio do Cristianismo está em estender a mão ao próximo e saber viver uns para os outros.

  17. “(…) do povo português que é ignorante, iletrado(…)” – que atrevida é a ignorância, e que triste e errada ideia. De quem fala, Lara Mafalda?

  18. após a leitura de certos comentários fico triste de tratarem assim o povo português de ignorantes & iletrados. a causa deste constato em relação ao povo português não será devido á irresponsabilidade dos diferentes governos q priviligiaram uma politica liberal q acentuou um desiquilibrio económico e intelectual justamente no povo português ignorante e iletrado, porque este povo sim terá que trabalhar trabalhar trabalhar para ter de comer, alimentar os filhos, pagar os créditos, pagar as facturas da água e da luz. para este povo português sem dúvida que lhes foram dadas poucas as mesmas oportunidades que normalmente deviam de ter sido dadas para todos aqueles que fazem parte de uma democracia. a minha fé, pensamento e compaixão vai para o povo português ignorante & iletrado q muitos deles foram impedidos de ir trabalhar nestes últimos dias e q no fim do mês a diferença será no salário já sem dúvida á origem bem reduzido.

  19. Ainda queria falar das cerimónias, dos rituais, dos gastos, das aparências: na busca da compreensão do homem, do seu propósito enquanto ser inteligente surgem os rituais e este estão tão fundidos em nós que não nos apercebemos e acabamos por os desvalorizar. Eles uniformizam grupos, aproximam grupos, assinalam importâncias, explicam o inexplicável, valorizam e enfatizam momentos que ficam marcados em nós.
    A Rosa ao numerar os seus bonecos criou um ritual e com isso individualizou cada um deles e deu-lhes a devida importância. Criou uma embalagens própria para envio de correio, o que poderia ser um gasto superflúo mas não é porque a sua obra precisa desse tratamento especial, valoriza-a e acima de tudo identifica-a.
    A Rita Cordeiro, e peço desculpa de aqui falar dela mas é o caso de que me lembro, fotografa-se todas as segundas em cima de um banco, seguindo um ritual criado por um grupo para assinalar um dia especial.
    Cada um, à sua dimensão, cria os seus rituais e as suas cerimónias.
    A Igreja, instituição secular e pelos mesmos motivos, criou os seus rituais de forma a assinalar datas, acontecimentos, de forma a identificar pessoas, de forma a unir pessoas, de forma a uniformizar rituais e acima de tudo de forma a engrandecer o que para ela é merecedor de tudo. Dada a sua dimensão, dada a quantidade de seguidores, os seus rituais são como são. Mesmo que todo o dinheiro dispendido na realização destes rituais fosse distribuídos pelos pobres, os pobres continuariam pobres e a Igreja perderia a oportunidade de unir os seus seguidores e de os valorizar.
    A Igreja e todas as instituições que gastam dinheiro em rituais…

    Rosa, desculpa, é o teu blog… mas o meu ninguém lê :)

  20. Olá Rosa. Coloquei no meu mural do Facebook, um link para este teu post. Se te incomodar, avisa, que eu retiro. obrigada.

  21. Eu fiquei irritadissima porque ontem tive dificuldade em chegar ao meu trabalho e tive dificuldade em chegar a casa, porque por causa desse senhor não havia transportes.
    Aqui muito se fala da tolerância dos não católicos para com a visita do Papa e respeito…e o respeito dos católicos para quem quer trabalhar neste dia? O Papa paga-me as contas? O Papa dá-me de comer?
    Lara Mafalda, é um pouco ofensivo estar a chamar o povo de ignorante e iletrados, é a roçar o mau gosto….
    Que defenda a sua fé é lá consigo, agora não queira fazer lavagem cerebral.
    Em vez do povo português se reunir para festejar um campeonato de futebol e a vinda do Papa, deveria era reunir-se e revoltar-se com o que se passa neste país.
    É o que digo, voltamos ao tempo do Fátima, Fado e Futebol.
    Enquanto o povo está distraído com estas pequenas coisas, não se apercebe do que se passa no país.

  22. Rosa,
    li os comentarios e não consegui identificar como sendo teu blog… normalmente os assuntos são fofos[tricô, bonecos], leves [desenhos ou fotos] e coloridos [colcha de patchwork, mosaicos]… afora as rendas,
    os pães, os galões. Nao quero aumentar a conversa… confesso que sobre religiao, cores e gostos nunca chegaremos a um acordo. Por que expor opinioes tao intimas, que ultrapassam geraçoes num blog como a Ervilha? O blog é teu e talvez nem devesse estar me metendo… mas fico triste que as pessoas tenham que se expor…[como visivelmente eh o caso da M.!] melhor tratar do que une, emenda, costura, cria. Mas uma vez, minhas desculpas. Um abraço, Lisbeth Lima

  23. Longe de mim estava querer polémica ou ofender fossem quem fosse, estava era de algum modo a tentar que as pessoas compreendessem e fossem mais bonevolentes com tudo o que se passa, como pessoa feliz que sou, amante do belo e das artes sinto uma certa responsabilidade em mostrar o lado belo, simples da vida, cheias de miséria, de dificuldades e de más notícias estão as pessoas. A vida também tem um lado solar!
    Quanto ao povo portugues não sou eu que falo da sua ileteracia, são estudos europeus e é com respeito que repito isso, eu também faço parte do povo.
    E, Lisbeth Lima tens toda a razão e desde já peço desculpa por me ter metido e ter desviado o blog para outros temas… Estou arrependida de me ter expressado.
    Aproveito para corrigir um erro: não é fusfurescente que se escreve mas sim fosforescente.

  24. O post era sobre “outros temas”, daí os comentários acompanharem esses “outros temos”. Parece-me natural :)

  25. Que engraçado… pensar também foi o que os meus pais me ensinaram.
    E a verdade é que se isso me pode fazer questionar algumas posições da Igreja Católica (que é terrena, e constituída por homens e mulheres, pessoas como nós), não me impede de forma alguma de me identificar com a espiritualidade de um movimento que segue o exemplo de um Homem que um dia disse que o mais importante era amarmos o próximo como a nós mesmos.
    Confesso que o titulo do post me surpreendeu. Acha mesmo que quem acredita não aprendeu a pensar?

  26. A ostentação e falta de humildade nas atitudes da Igreja vão além, se não dizer contra, a doutrina da religião católica.
    A falta de rigor com os casos de pedofilia entre sacerdotes e crianças são um exemplo de ofensa gravíssima a qualquer cidadão q pratique qualquer religião.
    Aqui no Brasil ficou conhecido o caso de um arcebispo de uma região muito católica, q excomungou uma equipe médica e a mãe de uma menina de 9 anos q foi violentada, ficou grávida de gêmeos e teve um aborto concedido pelo Estado. O agressor, padastro da vítima, foi perdoado, pois se disse arrependido. Q desfecho cruel para mãe e filha, além do sofrimento da violação, da violência e suas sequelas, o peso da culpa imputada pelo “Deus do arcebispo”, q pior q tudo não as amparou.
    Por isso salvem todas as pessoas e suas diferentes crenças! Salve a ética, a verdade, a justiça e a humanidade!

  27. Há muito tempo que percorro este site de fio a pavio, e por isso hoje estou profundamente triste. Deixará de fazer parte dos meus favoritos. Fui educada na religião católica, mas sei muito bem até onde posso ir. Também fui ensinada a pensar e por isso sei arrancar todas as ervas daninhas e fazer sobressair o que de bom me foi transmitido. O que vi aqui foi gente muito pouco tolerante, cheia de preconceitos e sem respeito pelo outro. As escolas não deveriam ter fechado, certo? Certo. Ai e a crise? Bom, pensemos na quantidade de flores que foram vendidas, nas viagens que os transportes de longo curso venderam, nas peças magníficas de artesanato que foram feitas, no emprego que gerou (embora temporário!), nos hotéis cheios, nos restaurantes cheios, nas recordações que foram vendidas para tantas pessoas de todo o Mundo, etc, etc. E as pessoas que não foram trabalhar ou que chegaram atrasadas? Certo, foi uma complicação. Mas estavam avisadas, certo? Talvez. Mas e então quando se cortam estradas para um evento desportivo (como a meia- maratona de Lisboa, por exemplo)? Quando se alteram os transportes públicos por causa de um concerto magnífico que toda a gente quer ver? Quando há uma manifestação pró- ou contra- qualquer coisa? Chiça penico, não cabemos cá todos? O Estado é laico, mas o povo português é profundamente católico, senão os recintos não estariam cheios. Pensemos nas milhares de pessoas que encontraram um pouco de paz nestas cerimónias, que regressaram a casa com mais “saúde mental”. Para os que estão a pensar: “olha cá está mais uma fanática santinha!”. Engane-se, sou crismada, tenho namorado, não sou casada (e vou para o Inferno por causa disso ), defendo profundamente o casamento entre homossexuais e a adopção de crianças pelos mesmos. Só não sou ignorante e preconceituosa, defendo uma liberdade responsabilizante, a tolerância e a ajuda ao próximo. Se gosto do padre da minha aldeia? Não, detesto-o (é intolerante como muitas das pessoas que aqui escreveram). Se fui ver o Papa? Não, não gosto dele. Mas também não me fez mal nenhum.

  28. Ah, é verdade, eu detesto tudo o que se gera à volta de Fátima, todo o negócio deprimente, etc, etc. Gosto de Dalai Lama e da Sacre Coeur em Paris. É uma igreja lindíssima e encontra-se lá uma paz!!!!!!

Leave a Reply

Required fields are marked *.


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>