amor de lã

amor de lã

amor de lã

De casa da tecedeira segui para casa da D. Isabel, escrinheira e fiandeira. Na noite anterior percorrêramos a aldeia a pé. Vimos as estrelas, as vacas a dormir, ouvimos os mochos e as cigarras, admirámos as casas de pedra silenciosas. Nem com muito optimismo conseguiria ter imaginado o estendal de lã que vi pela manhã. Aqui os teares emudecem (mas houvesse encomendas e acredito que voltassem a tecer) mas ainda se fia. A nossa sala de estar é aqui, disse a D. Maria da Cruz apontando para um banco de pedra no largo. E de Inverno estamos aqui, num outro mais abrigado. Se tivesse vindo ontem já nos conhecia todas, dantes fiava-se aqui muito. Hoje temos uma missa e um convívio, mas venha amanhã que lhe mostro o que quer ver.

lã

A lã é lustrosa e muito limpa. Já foi lavada (deito-lhe um bocadinho do sabão da louça, disse a D. Isabel) e, aqui como em Mértola, é determinante a escolha da matéria-prima logo na origem. Vem de um rebanho premiado de ovelhas da raça mirandesa e só se aproveitam as melhores partes do beldre (velo). As tchocas (são as cagaitas do Alentejo, as zonas sujas com fezes do animal) e a lã mais suja são retiradas antes da lavagem.

lã

Toda a lã é fiada à mão, apesar de em muitas casas existirem magníficas rodas de fiar, semelhantes à da D. Vitorina mas ainda maiores. Só que aqui chamam-se tornos (este já era dos bisavós da D. Isabel) e são usados apenas para torcer a lã.

rodilheiro

O rodilheiro (caneleiro), que descansa junto às batatas e maçãs, onde se enchem as canelas para o tear, também pode ser usado para torcer a lã, aliás o mecanismo é o mesmo da roda de fiar. Trouxe comigo três sacos cheios de novelos de lã. Uma mais escura, outra de uma ovelha malhada que deu um cinzento mesclado fora de série, e outra branca. Vou fazer um casaco para o Inverno. E já encomendei mais uns quilos à D. Isabel para a Retrosaria.

19 comments » Write a comment

  1. sabes o que mais admiro em ti? o respeito pela tradição, a pesquisa histórica inconstante e a generosidade em compartilhar teus achados! teu flickr foi dos primeiros que segui quando comecei a andar pelo mundo virtual e até hoje é um prazer imenso e uma agradável forma de aprendizagem continuar te seguindo. um dia pretendo ir até Portugal e te conhecer pessoalmente. um abraço grande
    Ceres

  2. Olá! Só gostaria de dizer que o seu blog, para mim, é muita, muita inspiração! Adoro seus posts e as fotos, tudo é tão lindo! Parabéns! Abraços :)

  3. Gostei.
    Estive no Corvo e dei de caras com uma roda de fiar, feita por um senhor que regressou da América, porém os gorros do Pico eram em fibra. Finalmente vi as benditas agulhas de varetas de guarda-chuva. Ja viu?

  4. Com este tempo outonal, ver estas lãs no seu estado mais natural, dá vontade de começar a tricotar para o Inverno!
    Parabéns pelo seu blogue que nunca me canso de acompanhar!

    Ilda Ferraz

  5. Que Lindo.
    E pensar que essas pessoas que tem um trabalho tão lindo estão deixando de faze-lo.
    Que lindo resgate voce tem feito, tenho certza que pra essas mulheres será um incentivo muito grande e uma porta que se abre.

    Beijos Rosa e parabéns pelo lindo trabalho!

  6. que post fantástico. gostava de por instantes ser uma mosquinha para presenciar esses encontros mágicos. obrigada por podermos espreitar. fico à espera que a lã chegue à retrosaria : )

  7. Os retratos são lindos, Rosa. Que viagem tão fascinante! Certamente a aposta vem deste meio, já que as fábricas de lanifícios só aceitam quantidades industriais. Terei um dia, de ir até Lisboa para espreitar esta nova qualidade da lã!
    Adoro o torno. É uma peça que mais admiro neste processo todo da lã:)

  8. Tenho adorado estes últimos posts! Tenho andado a trabalhar também com lã mirandesa que arranjei em Mogadouro – é lindíssima em cor e brilho (a que tenho é castanha), mas realmente quando fiada acabar por picar bastante – misturado com algum merino já fica muito melhor a nível de conforto.

    Mais uma vezes os meus parabéns por estas reportagens tão bem feitas da lã transmontana. =)

  9. Pingback: mirandesa | A Ervilha Cor de Rosa

  10. ¡Me encanta la abundancia de lana! Tendré que traducir al español para saber dónde es este lugar.

  11. Olá, vc mora no Brasil? Amei esse post e as fotos. Parabens! Aonde foram tiradas?? Me pareceu Portugal. Posso postá-las com seu credito?
    Obrigada
    Ingrid

Comentar