feedback

polainitos

No Verão conheci a D. Teresa Simões, exímia fiandeira e fazedora de meias de Bucos. Vim aprender as grades de sete e de nove malhas, os corações e a espinha de peixe das meias que os homens daqui (e não as mulheres) traziam dentro dos socos. Trazia comigo umas meias meias feitas à maneira da Serra de Montemuro que a intrigaram. Ensinei-lhe o misterioso ponto da concha, ficámos amigas. Agora, no meu regresso a Bucos, ofereceu-me uns polainitos nesse ponto, feitos na lã por ela fiada das ovelhas mais meirinhas. Assim circularam desde sempre os pontos e as técnicas, entre segredos e amizades de mulheres de sítios diferentes. Assim se constrói a tradição.

casa de trabalho de nordeste

nordeste

nordeste

Em Nordeste, S. Miguel, ainda se trabalha lã local para fazer mantas, algumas malhas e trajes para os grupos folclóricos (em que a lã é agora muitas vezes substituída por fibras sintéticas). Na Casa de Trabalho e Protecção à Juventude Feminina do Nordeste o fio é criado pelos processos manuais de cardar, fiar e torcer, e foi lá que, com a gentil D. Filomena, aprendi a fiar na roda. Read more →