casa de trabalho de nordeste

nordeste

nordeste

Em Nordeste, S. Miguel, ainda se trabalha lã local para fazer mantas, algumas malhas e trajes para os grupos folclóricos (em que a lã é agora muitas vezes substituída por fibras sintéticas). Na Casa de Trabalho e Protecção à Juventude Feminina do Nordeste o fio é criado pelos processos manuais de cardar, fiar e torcer, e foi lá que, com a gentil D. Filomena, aprendi a fiar na roda.

nordeste

nordeste

fiei

4 comments » Write a comment

  1. Muito interessante! Em Vancouver conheci uma senhora de Nordeste, que emigrou para o Canadá, e que se lembrava, quando era nova (anos 60) de duas irmãs da freguesia que fiavam numa roda. Segundo o que contam os meus familiares de São Miguel, na altura, as rodas de fiar não eram uma coisa que existisse noutras zonas da ilha. Por isso fiquei mesmo surpreendida: há 50 anos, quando Nordeste era realmente o ” fim do mundo” , já tinha avanços tecnológicos e uma tradição textil que ultrapassava as freguesias mais centrais.

Leave a Reply

Required fields are marked *.


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>