les plus beaux jacquards du monde

100 idées
100 idées

Des cristaux de neige deviennent les fleurs d’un kaléidoscope fantasque. Des animaux hiératiques marchent à l’étoile. Un oiseau-dieu échappe au piège des mailles et prend son vol de feu sur la cordillère des andes. La géométrie se colore, délire et s’en va dériver loin des mornes sentiers euclidiens. Tout cela par la magie de la laine, des aiguilles, de l’imagination réunies. Tout cela grâce au jacquard, qui existait bien avant qu’un tisserand ne lui donne son nom, vers 1800, par le biais curieux d’une machine à tisser.

Em Outubro de 1975, começava assim um artigo do número 24 da revista 100 idées sobre as malhas a cores de todo o mundo (por coincidência são o dia, mês e ano em que nasci).
Trinta e oito anos depois as camisolas em jacquard, sem nunca terem desaparecido, voltaram em força às montras e as imagens deste artigo parecem tiradas de um dos mais recentes livros japoneses de tricot. Os países do norte da Europa usam-nas (sempre as usaram?) com mais orgulho, reinventam-nas, fazem delas património, identificam-se com e por elas.
Um exemplo da Islândia, de onde vêm as camisolas Lopi da segunda fotografia:

The Icelandic financial crisis and recovery could be seen as the most expensive group therapy of all time. The Icelanders had five years to come together and ask themselves: Who are we, and what is our place in the world? (…) Since 2008, she says, “suddenly everyone started to knit Icelandic sweaters like crazy.” Indeed, young Icelanders do seem to walk around less frequently in cheap labels like Zara and H&M than they do in patterned hand-knit sweaters. “They are warm, they are beautiful, they are very Icelandic. There is something comforting about them,” Ragga says. She also sees them as the antithesis of suits, the globalized uniform of bankers.

de Out of the Abyss: Looking for Lessons in Iceland’s Recovery.

Na Dinamarca, a série de televisão The Killing criou um verdadeiro fenómeno em torno da camisola usada pela protagonista, uma camisola feita à mão em lã e com motivos tradicionais das ilhas Faroe (sim, lã daquela que pica mas isso não fez diferença nenhuma), que se tornou quase mais popular do que a própria série.

The knitwear also has personal memories for the actor, who was brought up in the 70s in a very hippy-like environment in Copenhagen. “I wore this sweater and so did my parents. That sweater was a sign of believing in togetherness. There’s a nice tension between those soft, human values and Lund being a very tough closed person – because to me it says that she’s wanting to sit around a fire with a guitar; it gives a great opposite to her line of work and behaviour.”

The Killing: Sarah Lund’s jumper explained

O sucesso foi tal maneira que a designer que a concebeu gere agora uma marca de sucesso, a Gudrun & Gudrun e que a camisola é mencionada no site oficial do turismo da Dinamarca. É o poder do jacquard, a fascinar desde há mais de quinhentos anos.

keito dama
lopi sweater

Imagens:
1. Camisolas de inspiração dinamarquesa na revista 100 Idées n.º 24, de Outubro de 1975.
2. Camisolas de inspiração islandesa na revista 100 Idées n.º 24, de Outubro de 1975. Sobre a história das camisolas Lopi, ver Nation in a sheep‘s coat: The Icelandic sweater.
3. Anúncio de uma marca norueguesa de lã (1956) no número 160 da revista japonesa Keito Dama (Inverno 2013/2014).
4. Camisola de inspiração islandesa no livro japonês Traditional Knits of the World 1: Iceland Lopi (2013).

4 comments » Write a comment

  1. wow! Adorei ler e ver! Quando estudei na noruega (2006-2008) muitos dos meus colegas dinamarqueses tinham camisolas parecidas à da primeira imagem – e todas feitas à mão.

  2. Trabalhei à 3 anos com 1 finlandês, que usava 1 camisola semelhante às da segunda imagem. Comprou-a durante a Lua-de-Mel que passou na Islândia. A camisola era linda!!!

  3. Pingback: cobertor | A Ervilha Cor de Rosa

Comentar