knitsonik stranded colourwork sourcebook

knitsonik

A Felicity Ford, aka knitsonik, é uma de várias mulheres britânicas que admiro pela relação intelectual que têm com o tricot. Não escrevem posts particularmente cor de rosa e não passam a vida a apregoar a domesticidade (seja lá o que isso for, mas que normalmente – e sem tom pejorativo – inclui bolos e decoração), o que não significa que não tenham uma presença online esteticamente cuidada. O que publicam não é para percorrer na diagonal e fazer um rápido like, é mesmo para ler. É interessante e deu trabalho, tem informação e opinião. Ora a Felicity lançou há poucas semanas, depois de um bem sucedido processo de crowdfunding, um livro que reflecte bem esta maneira de estar na vida e na malha. Apesar de ser de leitura extremamente acessível e de se poder ler de fio a pavio ou só olhar para as imagens, é um livro cuidadosamente concebido e escrito, daqueles que certamente sobreviverão bem à passagem do tempo. Propõe ser um manual para transformar as nossas paisagens e objectos de todos os dias (uma estrada, um edifício, um gravador) em padrões de jacquard e apresenta um belíssimo método para o fazer. O processo resulta na construção de amostras progressivamente afinadas até chegar ao resultado ideal, que pode depois ser aplicado em todo o género de peças (no livro são dadas instruções para umas perneiras e umas longas luvas sem dedos).

Felicity Ford, Knitsonik, Stranded Colourwork Sourcebook, 2014.

Mais knitsonik ♥: Shetland Wool Week Song (a letra está aqui) e Comparing the sounds of combing Estonian wool and Cumbrian wool in Mooste, Estonia, aqui.

rua da rosa
jamieson & smith

Lisboa é uma cidade infinitamente inspiradora para quem pensa em padrões. Dos óbvios azulejos e mosaicos aos tons e linhas de uma casa esventrada. Os fios são Jamieson & Smith.

2 comments » Write a comment

  1. Lisboa… em fios ou em qualquer outro modo, é para ser vista!
    Dia primeiro de janeiro de 2015 vou reve-la. Desta vez serà sò de passagem, dormir em 2014 e acordar em 2015 em Lisboa antes de seguir para o Brasil. Mas espero ter outros dias em breve para finalmente ir conhecer a Retrosaria e rever a cidade toda; toda é exagero, claro, mas, à cada vez, eu bem que tento! :-)

  2. O livro é deveras maravilhoso, até agora só tive tempo de folhear rapidamente mas fiquei mesmo entusiasmada com as ideias e o método (embora seja uma daquelas tricotadeiras que odeiam fazer amostras…).

Leave a Reply

Required fields are marked *.