beiroa beanie

gorrinho

I’ve just finished a new version of Bruno’s beanie, this time using a simple Fair Isle motif and one of my favourite shades of Beiroa.

There is now a downloadable pdf with the pattern in English (charted and written down), for those who asked for it – remember I knit Portuguese style, which means all circular work is purled (not knitted).

Download pattern

PS: as instruções em Português estão aqui.

receita de natal

lord mantraste
patinho mantraste

A Feira de Natal da Retrosaria já vai no seu terceiro dia (os convidados deste ano são: Jubela, Zélia Évora, DoSemente, Lord Mantraste e By Stro). Entre visitas, meadas e muita conversa, uma amostra que tinha de fazer transformou-se de um dia para o outro num gorro à marinheiro (o Bruno chama-lhe tapa-carecas). A receita é esta:

Uma meada de Beiroa cor 685
20g de Beiroa cor 409
Um pedacinho de beiroa cor 573

Umas agulhas circulares de 5mm x 40cm (ou conjunto de 5 agulhas de 5mm x 20cm)
Umas agulhas circulares de 6mm x 40cm (facultativas)
Um conjunto de 5 agulhas de 6mm x 20cm
Uma agulha para rematar

Notas: o fio é trabalhado dobrado.

Montar 80 malhas com a cor 685 nas agulhas mais finas.
Trabalhar circularmente 26 voltas em canelado *2 malhas de liga, duas malhas de meia*.
Com as agulhas de 6mm, trabalhar 4 voltas em liga.

Motivo: este motivo foi retirado do livro 150 Scandinavian Knitting Designs de Mary Jane Mucklestone e tem 9 malhas de largura por 8 carreiras de altura.

Para trabalhar este motivo ou outro motivo com 9 malhas de largura:
Aumentar uma malha no início da volta (81 malhas) e trabalhar em liga as 8 voltas do motivo em jacquard. Matar uma malha no final da 8ª volta (80 malhas).

Para trabalhar um motivo com 4, 8 ou 10 malhas de largura não é necessário fazer quaisquer ajustes.

Uma volta em liga.

Diminuições:
*6 malhas de liga, um mate simples*. Repetir de * a * até ao fim da volta.
Uma volta em liga.
*5 malhas de liga, um mate simples*. Repetir de * a * até ao fim da volta.
Uma volta em liga.
*4 malhas de liga, um mate simples*. Repetir de * a * até ao fim da volta.
Uma volta em liga.
*3 malhas de liga, um mate simples*. Repetir de * a * até ao fim da volta.
Uma volta em liga.
*2 malhas de liga, um mate simples*. Repetir de * a * até ao fim da volta.
Uma volta em liga.
*1 malha de liga, um mate simples*. Repetir de * a * até ao fim da volta.
Uma volta em liga.
*Um mate simples*. Repetir de * a * até ao fim da volta.
Uma volta em liga.

Cortar o fio, deixando uma ponta com cerca de 20cm de comprimento. Com a agulha de rematar, passar o fio por dentro das 8 malhas remanescentes. Rematar as pontas de fio pelo avesso do gorro.

gouveia

tecer em gouveia
tecer em gouveia
tecer em gouveia

Não sabendo, passa-se por Gouveia sem conhecer o tecelão residente. A sua oficina não está no roteiro urbano da cidade porque esta como muitas outras cidades tem uma noção de património perigosamente ultrapassada. A visita vale a pena mesmo que não se seja particularmente ligado ao tema. O Sr. João tece as suas toalhas de pé, sem o habitual assento ou apoio para as costas, numa espécie de dança sobre os pedais ritmada pelo trabalho do chicote e o bater da queixa. Obrigada Ana Rita por me teres levado até lá.

Contactos:
C. Comercial Outeiro – Loja 7
Gouveia

fiar nos açores

spinning wool

Na Lomba da Maia, em São Miguel, fia-se a lã na roda, mas a roda é aquilo a que no continente chamamos geralmente caneleiro (ou rodilheiro se estivermos em terras de Miranda) e que na maioria das vezes não é usado senão para encher as canelas para o tear. Tecnicamente um caneleiro desta tipologia (há outras) é uma roda de fiar de tipo 1 em ponto pequeno – o mecanismo é exactamente o mesmo mas para o operar há que estar sentado numa cadeira baixa. Fiar numa roda assim tão pequena acaba por não ser (julgo eu) muito mais produtivo do que fiar no fuso, mas ainda assim remete para uma relativa especialização da actividade. Comparadas com as do Continente, as rodas açorianas têm uma diferença de razão certamente secular: os fusos são integralmente feitos em madeira e não em ferro, o que permite que um bom carpinteiro (e há muitos) possa construí-las do início ao fim. A minha vem a caminho.

Mais rodas de fiar portuguesas.

Panos da Terra: um novo blog, totalmente aconselhado a qualquer pessoa que tenha lido este post até ao fim.