uma vida simples

estação
alentejo sem rede
taleigo

Vou para estar e raramente me faz falta contar que fui e ao que fui. Há uma calma qualquer que é nova (deve ser da idade). Depois tenho pena porque sempre tive diários, sempre foram o meu espelho, a minha garantia de ter feito, ter estado, ter sido. Não vim aqui gravar o dia em que pela primeira vez ordenhei uma cabra nem o inesquecível serão passado a fazer queijo ou o sorriso da A. à conquista das ruas da vila na sua nova bicicleta. Às vezes só viver é tudo.

lar

5 comments » Write a comment

  1. Tenho saudades de acompanhar o teu blog na versão diário, mas por outro lado compreendo tão bem o que dizes. Sinto o mesmo. Sempre que estou com pessoas que gosto a divertir-me ou a descansar a ideia da partilha virtual é algo que começa a ficar demasiado longe no meu cérebro. Às vezes tenho pena de não registar mais, de não fazer mais fotos, registar os momentos todos, mas depois…’Às vezes só viver é tudo’!

  2. tambem tenho muitas saudades das tuas partilhas. também gosto de registar, tipo diário, numa espécie de resumo, o caminho que vamos percorrendo, adoro fazer flashback. sei que um dia nos saberá bem ir ver para trás…..mas também sinto o mesmo. muitas vezes já vou lá ao cantinho registar com esforço, quase para cumprir calendário. sei que um blog não é íntimo mas é um canto tão mais tranquílo que o género facebook. beijinhos

  3. Eu também gostava de te ler mais vezes, por uma razão muito egoista, porque gosto muito de ler o que escreves e das tuas fotografias. Mas, claro, percebo bem o que dizes…

Leave a Reply

Required fields are marked *.