os meninos gordos

prato dos meninos gordos

Há muitos anos que tenho uma grande admiração pelo Jamie Oliver. Mais concretamente pelos seus esforços pela melhoria da qualidade da comida servida nas escolas britânicas e pela sua luta contra o açúcar. Julgo que muitas das ideias que defende conseguirão vencer o poder dos lobbies da indústria agro-alimentar e serão senso-comum daqui a alguns anos (poucos, espero): a rotulação explícita e obrigatória dos alimentos açucarados como prejudiciais à saúde, o controlo da publicidade a estes (não-)alimentos, etc. Numa altura em que os índices de obesidade infantil em Portugal são dos mais elevados da Europa, este post trouxe-me à memória os célebres Meninos Gordos, um menino e uma menina nascidos em Itália nos finais do século XIX que foram exibidos como fenómeno por toda a Europa e inspiraram a decoração de pratos e outras peças de cerâmica de várias fábricas do Norte de Portugal (vale a pena conhecer a sua história através do livro de Isabel Maria Fernandes). Hoje talvez passassem despercebidos.

Imagem retirada do site do Palácio do Correio Velho: Raro prato em faiança portuguesa, produção da Fábrida de Bandeira, Gaia, séc. XIX, cerca de 1842-43. Decoração em tons de azul, em parte estampilhada, tendo ao centro vista de jardim com figuras dos dois “meninos gordos”, Mateu e Anna, aba com decoração de aspas. Cabelo com gatos, ligeiro gasto no vidrado do bordo.
Diam.: 34 cm.

joão

retrosaria joão

O João, que vestiu o A2 ainda na maternidade, cresceu. Ganhou uma paleta de tons quentes mas tranquilos, como os que (me) apetece vestir aos bebés.

A photo posted by Rosa Pomar (@rosapomar) on

Nesta brincadeira de quando chegaram os primeiros novelos comprovei que o João é em tudo semelhante ao fio das antigas mantas do Baixo-Alentejo. Um dia, quando o meu tear antigo voltar a tecer, hei-de fazer uma.