regresso ao passado

A propósito não sei do quê, ontem dei por mim à procura de duas séries de desenhos animados que adorava quando era pequena: As Misteriosas Cidades do Ouro (não me ocorre nenhuma que me tenha marcado mais) e Ulisses XXXI. A seguir saimos para levar a E. ao jardim e, apesar da vergonha, não resisti a pedir ao F. que me tirasse uma fotografia junto à heroína dos meus onze anos (que não vou ver ao vivo mas tenho pena).

Regresso para ler este post da Heidi (a mais prolífica de todas as mamãs crafty).

doumo arigatou gozaimashita (2)

arigatou

Não percebo nada de futebol. Limito-me a concordar com tudo o que a Isadora diz sobre o assunto e se não fosse o F. (e os meus alunos a matraquear-me diariamente com isso) continuava a não saber responder à pergunta de que clube é que és?.

Acontece que o meu usagi viajou para o Japão num envelope cheio de selos do Euro 2004 e que por isso um amigo da Mitiko (que gosta muito de futebol e estava a torcer pela equipa portuguesa) me perguntou se eu não lhe enviava também a ele uns selos destes em troca de qualquer coisa.

Read more →

blinks

O post de hoje no Canto da Sereia.

Um teste de I.Q. que não resisti a fazer (parece que sou uma Precision Processor) e a Tile Machine (engenhoca de fazer padrões) que encontrei via In a minute ago.

Recebi um email da Yuriko Watanabe em resposta ao que enviei gabando-lhe o trabalho. Não resisto a transcrever um bocadinho:

I read your mail with pleasure and looked at your website with very interest. The characters in the site are all very lovely, and especially one of which head wears a leaf is to my liking.

Also, the numbered tags are wonderful.

:)

040622.jpg

Tantas vezes me queixei a mim própria de quase não ter amigas mesmo próximas, parecidas, equivalentes. Mas elas andam aí, e quando encontro uma fico assim como este chão.

braga

O que asocio imediatamente a Braga: a Sé (e por causa disso a minha tese), a fotografia da Mariana sentada no cavalinho do Bom Jesus e depois a do Martin Parr no mesmo sítio, o Werther (porque foi lá que o descobri), embalagens saídas de outras eras e a Catarina, claro.

Ultimamente tenho recebido muitos emails de Braga (mais do que de qualquer outra cidade), de pessoas que não conheço mas que acabam por entrar de certa maneira na minha vida. A mais recente foi a Ana. Parabens, Ana!