fernão joanes (4)

joaquim vendeiro

ti zé camilo

tosquiada

Em Agosto prometemos voltar a Fernão Joanes para assistir à festa da Senhora do Soito e filmar uma tosquia feita pelos especialistas sobreviventes na arte de bordar ou enramar as ovelhas, o Ti Zé Camilo e o Ti Aristides. No tempo em que era pastor e tosquiador, o Ti Zé Camilo não via enfeitar as ovelhas nem assistia à festa. No segundo Domingo de Maio, data em que esta se realiza, estava ele no Alentejo. Era lá, pelas bandas de Portalegre, que começavam os seus dois meses de trabalho a tosquiar ovelhas, avançando para norte de rebanho em rebanho até chegar novamente a casa. Sempre à tesoura, a maioria era tosquiada rapidamente, de um lado ao outro. Mas pelo menos o carneiro tinha um tratamento especial: era enramado, como os cajados e tantas outras peças de arte pastoril, com motivos geométricos cuidadosamente bordados com a ponta da tesoura. O tosquiador fazia-o por brio, em competição com os restantes, às vezes contrariando o patrão que queria um serviço rápido, outras vezes recebendo da dona da casa uma compensação especial pela obra criada.

bordaleira

ti aristides

ti aristides

Não resisti à pergunta óbvia da origem dos motivos usados e o Ti Zé Camilo não se atrapalhou: vêm das cuecas das raparigas. Depois da risota geral corrigiu: dos saiotes que as raparigas da sua juventude usavam, com as suas barras de rendas e biquinhos. Já se sabe que os bordados e as rendas emprestam desenhos uns aos outros, e este não é excepção.

A prática de bordar as ovelhas raramente foi referida na bibliografia que conheço. Aliás a principal referência é a que aparece na Cartilha do Tosquiador, onde é considerada uma prática condenável. Mais recentemente, há imagens (sem texto) de uma tosquia semelhante à que vimos ontem no livro A Transumância e Fernão Joanes. Sonhos Transumantes (Guarda, Câmara Municipal da Guarda e Junta de Freguesia de Fernão Joanes, 2004).

ti zé camilo

ti zé camilo

vila verde de ficalho

hino da restauração

soleira

Com uma semana de atraso, porque entretanto já estivemos no Douro Litoral, algumas imagens das comemorações do 1º de Dezembro em Vila Verde de Ficalho. O dia começou cedo e gelado, com o pequeno almoço de fatias fritas na Sociedade Recreativa 1º de Dezembro, de onde os homens saem às 8 horas munidos de bandolins, banjos, violas, bombo e caixa para passarem toda a manhã a percorrer as ruas (todas as ruas) da vila ao som do hino da Restauração (composto em meados do século XIX). Ali está-se mesmo ao pé da fronteira, tão perto que muitos trabalham e casam do lado de lá, tão perto que, entre modas e cantigas, ao fim da manhã todos cantavam la virgen se esta peinando. Manhã fora anda-se e toca-se, primeiro para poucas caras ensonadas à janela, depois para cada vez mais pessoas. Pára-se para comer e beber, saúda-se em formatura o posto da guarda, a junta de freguesia, o centro de dia. No ano que vem o dia da Restauração não é feriado. Como será?

mulheres de bucos

mulheres de Bucos

mulheres de Bucos

As Mulheres de Bucos vieram à Retrosaria no âmbito da programação da MPAGDP para a Festa no Chiado. A sala foi pequena para todos os que as vieram ver e ouvir. Na fila da frente, um rapazinho desenhava à vista a dobadoira. Entre cantigas, as mulheres enunciaram as fases da lã numa língua para elas óbvia mas estranha a quase todos os ouvidos urbanos: estoquear, amolentar, desguedelhar, cardar

O lindo cartaz do evento foi feito pela Catarina Sobral.

The Women of Bucos came from Minho to sing and show their work Retrosaria. They are a group of talented spinners, weavers and knitters from a small village in the north of Portugal (Bucos) who have learned their skills from their mothers and grandmothers. Once a week they meet at Casa da Lã to work together and keep the tradition alive.

mulheres de Bucos

festa no chiado

fernão joanes (3)

rebanho

enfeitar o rebanho

Quando falam das suas ovelhas, os pastores e pastoras de Fernão Joanes gabam sempre os grandes cuidados que lhes são (ou, na maioria dos casos, eram) prestados: contam como lhes faziam regularmente a cama com giestas frescas, como lhes moldavam os cornos com a ajuda de água a ferver para ficarem mais bonitos, como as bordavam durante a tosquia (havemos de voltar na altura certa para ver isto ao vivo), desenhando-lhes à tesoura motivos sobre todo o corpo. Trazer um rebanho bonito e bem tratado era e é motivo de orgulho por estas paragens. E pelo menos uma vez por ano, na festa que se celebra no segundo domingo de Maio, os animais eram lavados (sim, lavados) e vestidos a preceito para receberem a benção na capela de Nossa Senhora do Soito. Mesmo depois de ver as pêras e cabeçadas usadas pelos bodes do outro lado da serra, as ovelhas enfeitadas de Fernão Joanes não podem deixar ninguém indiferente.

The shepherds and shepherdesses of Fernão Joanes always took great care of their sheep: they shaped the sheep’s horns to perfection with the help of boiling water, and drew complex geometric motifs on their bodies during shearing (we will return in may to film this). Once a year, on the second Sunday of May, the animals were bathed and embellished to receive the priest’s blessing in the chapel of Our Lady of Soito.

d. carmen

d. ângela e a ovelha mocha

Fernão Joanes

fernão joanes (2)

Ti Aristides

Ti Aristides

Fernão Joanes, na Guarda, é uma aldeia pequenina a quase 1000m de altitude. Os rebanhos são poucos hoje em dia porque os pastores envelheceram, mas as histórias do que se passava há 30 ou 40 anos são muitas e fascinantes. Por ali pouco se vêem os casacos de raxa e capas de Burel do outro lado da Serra – quando sai com as ovelhas, o pastor leva o cajado e um cobertor de papa (Maçainhas é ali mesmo ao lado). O rebanho conhece as riscas da manta e segue-a, obediente, que o pastor a sério é o que anda à frente do rebanho e não atrás dele. E se o corpo se ausenta, a manta e o cajado trabalham sozinhos. Read more →

agosto galego (2)

Concha

Em Luneda

Os dias da Galiza foram passados na estrada, a gravar música tradicional para um projecto em curso. Mas também houve tempo para falar de lã. Foi em Luneda, muito perto de Melgaço, com a D. Concha:

Se tens … uma ovelha, ou duas ou três, rapa-lhe a lã, mira que a lã seja de boa raça, que seja completamente sedosa, que não seja brava, faz roupa, faz de tudo. Não é preciso ir às fábricas para viver.

Our week in Galicia was spent on the road, recording traditional music for one of Tiago‘s ongoing projects. But there was also time to talk about wool. We were in Luneda with D. Concha, near the portuguese border, and recorded her praise of wool:

If you have … a sheep or two or three, you shear the wool … but you must choose good sheep to have soft wool. You can make your own clothes, you can make many things. There is no need to go to the factories to live.

botas de vilão

botas da madeira

botas da madeira

Uma das poucas coisas que comprei na Madeira foi um par de botas de vilão, ou botas chãs. Com mais ou menos alterações (as minhas são de pele mas têm a sola numa borracha rija e muito fina a imitar couro), este modelo de bota é ali produzido e usado há pelo menos duzentos anos. Em 1821, William Combe descrevia assim o trajar dos madeirenses: they wear boots made of goat-skins, which are light and durable, and being white, have a pretty appearence (A History of Madeira). Se forem de facto tão duradoiras como são confortáveis vão fazer-me muita companhia nos próximos tempos.

One of the few things I bought in Funchal was a pair of traditional madeiran boots. This type of boot has been in use in Madeira for at least two centuries and subject to very little change (mine have thin rubber soles instead of the traditional leather ones). In 1821, William Combe mentioned them when describing the usual dress of the native inhabitants: they wear boots made of goat-skins, which are light and durable, and being white, have a pretty appearence (A History of Madeira). If they are in fact durable as they are pretty and comfortable I am sure I will be wearing them a lot.

botas da madeira
Imagem de William Combe, A History of Madeira, 1821.

o cordão da campaniça

forca de fazer cordão

campaniça centenária

A nossa ida ao Alentejo no início da semana teve como principal objectivo a preparação da campanha de crowdfunding para a realização de um documentário sobre a viola campaniça. E foi numa campaniça centenária que vi o cordão antigo que me levou finalmente a estrear a forca de fazer cordão que comprei há uns anos, encomendada neste site. O cordão que se faz com este utensílio é diferente dos tipos mais conhecidos. Raro hoje em dia, foi comum noutros tempos, como se vê pelo da fotografia e pelas forcas alentejanas que existem no Museu de Etnologia e no de Arqueologia (apesar de esta última estar mal catalogada). Também o Hernâni Matos tem pelo menos uma na sua belíssima colecção de Arte Popular. Em Inglês a técnica chama-se luceting, e é fácil encontrar instruções online. O resultado é idêntico ao do tricot de dedos feito apenas em dois dedos, mas a forca permite um trabalho mais rápido e delicado. Read more →

alforges do baixo alentejo

alforge

alforge

Há cinco anos não sabia grande coisa sobre alforges mas cheguei a casa com um. Entretanto tornaram-se uma das minhas peças têxteis preferidas e já são muitos os que moram comigo. Ontem tivemos o privilégio de ver e fotografar uma colecção informal de alforges antigos do Baixo Alentejo, reunidos pela mão do Pedro Mestre em Sete, terra que há poucas décadas era ainda de cardadores e tecedeiras. Os alforges foram levados da Península Ibérica para a América, onde sobrevivem com o nome espanhol (e transmontano) de alforjas, decoradas com as cores e os padrões das populações indígenas. Read more →

Page 2 of 1012345...10...Last »