aljezur

aljezur

aljezur

Cada vez gosto mais dos pequenos museus locais, onde a prioridade é mostrar. Uns têm muito pouca informação sobre a colecção, noutros as condições de exposição deixariam qualquer técnico de conservação arrepiado, mas em todos há peças para ver, conhecer e relacionar. E para quem visita, venha de longe ou da porta ao lado, vale mais uma dúzia de peças à vista do que centenas delas escondidas nas reservas. Read more →

d. vitorina

fiar
Pormenor do Saltério de Luttrell, século XIV. British Library.

d. vitorina

Para além de ver lavar a lã, fui a Mértola para conhecer finalmente a mulher de cujas mãos nasce o fio usado nas mantas da Oficina de Tecelagem. A D. Vitorina aprendeu a fiar em criança mas só crescida pegou na roda, numa altura em que alguns subsídios para deslocações a feiras tornaram a actividade suficientemente lucrativa. Hoje em dia fia apenas nas horas vagas mas, por ser aparentemente a única fiandeira no activo, é dela que em grande medida depende a sobrevivência das mantas de Mértola. Quis ver a sua grande roda de fiar em pé, de que já tinha ouvido falar, em tudo idêntica às que na Baixa Idade Média se difundiram pela Europa. Vi fiar em Peroselo e Vila Franca da Beira, e já mais ou menos me ajeito com um fuso, mas que me lembre nunca tinha visto fiar numa roda portuguesa.

pronta a fiar

Quis conhecer a D. Vitorina também para perceber o momento em que as pastas de lã saídas das cardas são moldadas de forma a poderem finalmente transformar-se em fio. Cardar era por aqui trabalho de homem, mas os cardadores extinguiram-se e agora é a fiandeira que assegura também este passo da preparação da lã. Para trabalhar bem nas cardas, azeita-se a lã que foi antes escarmeada, mas essa parte da história fica para depois. Read more →

d. laudecena

a lã, o fuso e a roca

d. laudecena

Perto de Penafiel, fui aprender a fiar na roca, que é diferente de fiar com a lã pousada ou arrumada num cestinho. Ainda estou longe de ter coberto toda a bibliografia etnográfica sobre fiação manual, mas quase que aposto que nenhuma saiu da pena de alguém que dominasse o processo sem ser na teoria. Assim, ainda nem sequer consegui encontrar a tradução para worsted e woolen, as duas formas fundamentais de criar o fio a partir das fibras de lã (sugestões?). A D. Laudecena de Peroselo ensinou-me a abrir a lã com as mãos (o que torna possível fiá-la sem ter sido cardada) e a pô-la na roca, e depois a usar os dedos da mão esquerda para ir puxando as fibras da maneira certa (criando um fio woolen). Também conheci a D. Ana, tecedeira da localidade, cujo tear não cheguei a ver mas que vai ter as suas mantas na Agrival, uma feira que se realiza há trinta anos. Tanto quanto percebi é em boa medida a dita feira que mantém activos os artesãos da região, estimulando a produção, organizando os transportes e permitindo o encontro entre quem faz e quem compra. Read more →

fiar

fiar
Autor desconhecido, Retrato de mulheres (sec. XX). Papel montado sobre madeira, col. Museu de Arte Popular (via MatrizPix).

A imagem de cima deve ser a mais bonita que conheço de mulheres portuguesas a fiar. Hoje foi o que fiz boa parte da tarde. Aprendi já há meses, com a Tita Costa, mas só agora que tenho a matéria-prima que procurava me empenhei em aperfeiçoar a técnica. Diz a bibliografia (Normas de Inventário. Etnologia / Tecnologia têxtil, IPM, 2007) que estes fusos (usados em Portugal, Itália, França e julgo que poucos outros países) são os de tipo 2, caracterizados pela ausência de volante ou cossoiro (aquela base ou rodela dos chamados drop spindles que também se usam por cá em muitas aldeias) e pelo sulco helicoidal que percorre o topo da haste. Este, que tão bem fia mesmo nas mãos de uma principiante, deve ter cem anos e é de uma amiga. Quem me dera nestas férias ter a sorte de encontrar o da minha bisavó… Read more →

Page 4 of 41234