amimono

malha

malha

Um colete com muitas cores e um desenho complexo, daqueles em que poucas voltas se fazem de seguida sem ser preciso andar meia para trás porque se trocou a cor de alguma malha pelo caminho. Faz parte do encanto e do desafio de construir uma peça assim. O modelo é de um dos livros de tricot japoneses recentes a que não resisiti (mais um da grande Mariko Mikuni) e as cores são minhas, daqui, decididas ao fim de uma longa amostra. No Ravelry.

meias de grades de bucos

meias de grades

meias de grades

O resultado da minha estadia em Bucos em Novembro do ano passado está finalmente disponível e quanto a mim valeu a pena a espera: uma brochura editada pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto com as instruções para fazer um par de meias dos corações, em lã de Bucos ou noutra qualquer de que se goste. No Ravelry o modelo está aqui.
(entretanto a secção sobre, ⬆ ali em cima ⬆, também foi actualizada)

para fazer meia #2

fazer meia

meia

Também o primeiro saco para fazer meia teve direito a número 2. De facto é a coisa mais confortável e parecida com levar um cestinho no braço com o novelo. Estou a estreá-lo com um novo par de meias, feito num fio que quis testar para a Retrosaria. O desenho está a ser copiado do de um par de meias antigas que a Carla (uma assídua dos nossos workshops) me emprestou. Foram uma prenda de casamento que o seu pai recebeu e foram feitas na Serra de Montemuro. Quando as terminar publico por aqui as instruções.

diário de uma camisola

#knitting #handspun

#retrosaria

Com os muitos quilómetros feitos junto ao Douro na semana que passou a camisola foi crescendo. Os cálculos do Raglanify não foram exactos quanto ao momento em que devia deixar de fazer aumentos para as mangas (julgo que porque as malhas trabalhadas com este fio ficam invulgarmente largas proporcionalmente à altura), mas a vantagem deste método é que a camisola pode ser experimentada à medida que é feita. Entretanto tenho fiado e sonhado com um tear.

Este blog fez doze anos há poucos dias. Doze anos depois continua a ser-me precioso, imprescindível. Por muito que os novos social media dispersem as leituras, vivam no instantâneo e nas frases curtas, é aqui que continuo a sentir-me melhor. É quase como se se completasse um círculo e o blog voltasse a ser tranquilo e discreto como no início. E há muitas leituras lentas que continuo a fazer. Aqui ficam uma, duas, três (e desta terceira deverá haver em breve novidades na Retrosaria).

diário de uma camisola

diário de uma camisola

diário de uma camisola

Tenho fiado aos poucos o velo de Merino preto do Alentejo. Disse que ia fazer uma camisola e já estou perto. Dos primeiros novelos, de lã castanha e branca misturadas de várias maneiras, nasceu um barrete. Entretanto fiei mais cinco, com o fio mais fino mas ainda irregular. Esta tarde fiz uma amostra para perceber como se porta o fio depois de trabalhado. Acho que vou voltar a seguir o Raglanify para a camisola mas como talvez opte antes por um casaco quis ver se o fio aguentava uns steeks. E aguentou muito bem.

Notas de trabalho:
Agulhas: 4.5mm
Densidade (antes da lavagem): 17.5 malhas x 25 carreiras = 10cm Read more →

aldeia da serra, redondo

aldeia da serra

aldeia da serra

aldeia da serra

Há três anos fui à Aldeia da Serra conhecer as mulheres que mantêm vivas as meias da Serra de Ossa. Foi um daqueles dias que não se esquecem, e um dos mais decisivos para levar avante a ideia de escrever um livro. Hoje, a convite da Câmara de Redondo, vou reencontrá-las e mostrar o que fiz entretanto.

Three years ago I went to Aldeia da Serra, a small village in Alentejo, looking for the few women who still keep a very special tradition alive: they are the makers of the meias da Serra de Ossa, the beautiful bright stockings once worn by the local girls. From that day on I was sure that I had a book to write.

aldeia da serra

gola minderica

gola minderica

gola minderica

A gola minderica, não sendo directamente inspirada numa peça de malha, foi escolhida para o livro por ter nascido do meu fascínio pelas mantas artesanais portuguesas. Neste caso baseei-me nos padrões das mantas de Minde que, apesar de fazerem parte do repertório mental de quase todos os portugueses, poucos associam ao seu local de fabrico. Fazem-nos pensar no Ribatejo ou chamamos-lhes alentejanas, sem saber que vêm de uma terra pequenina, mais a norte, com uma longa história de teares caseiros e comerciantes orgulhosos que as espalharam por todo o sul de Portugal. Os mindericos distiguem bem as suas mantas janotas (as mais coloridas) das do alentejo. As cores não são as mesmas, nem é igual a dispersão dos motivos pela superfície do tecido. Mas um leigo pode facilmente confundir-se. O que é inequívoco é que os padrões de Minde constituem um manancial gráfico que apetece tricotar, respeitando as paletas ou inventando outras. A sua estrutura composta por motivos pequenos, muitos dos quais se repetem sempre ao mesmo ritmo (3, 2, 1, 2), torna o trabalho a duas cores bastante fácil de memorizar e rápido de fazer.

Para encontrar uma manta de Minde verdadeira, das que são feitas em tear manual com fios de lã, é preciso ir ao CAORG e fazer figas para que haja stock, porque elas desaparecem mal saem das mãos do tecelão Elias.

Estas duas golas foram feitas em Beiroa. Uma é a do livro, com a sua bainha de bicos, e a outra foi feita numa paleta mais quente, com o castanho natural por fundo, e com as orlas em canelado (três serões chegaram para a terminar).

This cowl from the book was inspired by the handwoven blankets from Minde. Minde is a small town with a strong tradition in weaving and trading. The blankets were woven at home and then sold by the men, who travelled in the Summer to sell them in the big farmers markets of the south. They feature small and repetitive motifs, which translate perfectly into knitting. And their bold palettes are an endless source of inspiration.

Read more →

Page 5 of 23« First...34567...1020...Last »