fiar na ilha do Pico

fiar na ilha do Pico

Já não é fácil encontrar teares na ilha do Pico. Na escola de artesanato de Santo Amaro o último foi desmantelado há já vários anos e pouco mais se faz hoje em dia senão peças decorativas em escama de peixe e miolo de figueira. Também deixou de se fiar: as meias de lã para os ranchos folclóricos (que as usam com as tradicionais albarcas) vêm em geral de outras ilhas e a suera (da sweater norte-americana, a camisola de lã usada pelos pescadores) é só peça de museu. Em São João, no sul da ilha, encontrámos a D. Avelina e o seu fuso. Aqui fia(va)-se com o fuso apoiado, técnica que nunca vi usar no continente mas é comum por exemplo no Tibete e no Peru. A lã não é lavada antes de ser cardada (sobre a lã dos Açores escreverei depois), nem se usa roca (tal como na Serra de Montemuro). O fuso é semelhante aos que se usam em Trás-os-Montes (de tipo 1 na tabela estabelecida por Benjamim Pereira), mas aqui a roda (volante) tem um diâmetro maior e é mais fina. O fuso da D. Avelina tinha ainda a particularidade de ter incisos dois sulcos helicoidais, um para fiar e outro para torcer o fio (outro vídeo que fica para depois).

feedback

polainitos

No Verão conheci a D. Teresa Simões, exímia fiandeira e fazedora de meias de Bucos. Vim aprender as grades de sete e de nove malhas, os corações e a espinha de peixe das meias que os homens daqui (e não as mulheres) traziam dentro dos socos. Trazia comigo umas meias meias feitas à maneira da Serra de Montemuro que a intrigaram. Ensinei-lhe o misterioso ponto da concha, ficámos amigas. Agora, no meu regresso a Bucos, ofereceu-me uns polainitos nesse ponto, feitos na lã por ela fiada das ovelhas mais meirinhas. Assim circularam desde sempre os pontos e as técnicas, entre segredos e amizades de mulheres de sítios diferentes. Assim se constrói a tradição.

casa de trabalho de nordeste

nordeste

nordeste

Em Nordeste, S. Miguel, ainda se trabalha lã local para fazer mantas, algumas malhas e trajes para os grupos folclóricos (em que a lã é agora muitas vezes substituída por fibras sintéticas). Na Casa de Trabalho e Protecção à Juventude Feminina do Nordeste o fio é criado pelos processos manuais de cardar, fiar e torcer, e foi lá que, com a gentil D. Filomena, aprendi a fiar na roda. Read more →

Page 7 of 7« First...34567