almofada

A autora das almofadas chamava-se Fátima Vaz (1946-1992). Sobre ela encontrei apenas uma referência (muito fraquinha) através do Google, mas consultei directamente os folhetos de algumas das muitas exposições de pintura que fez, entre 1969 e 1990, e por eles fiquei a saber que juntamente com Helena Lapas, se dedicou com sucesso ao “patchwork” (Rui Mário Gonçalves) e que aos informais objectos de pano que fazia [que em muito me lembraram os da Anne Harmsen], Fátima Vaz chamou “macacos do nariz” (Idem).

É bom de ver que não era uma artesã, por muito patchwork que fizesse. A questão do que é ou deixa de ser artesanato continua a interessar-me. Further reading: PPART, Crafts Council e l’Artisanat.

bagagem de imagens

almofada de patchwork

patchwork pillows

Numa lista imaginária de objectos e imagens que provavelmente mais me marcaram, bem perto do topo hão-de estar um conjunto de almofadas e uma manta de patchwork feitas por volta de 1975. Estavam na sala da primeira casa em que morei (estas duas e mais uma série delas) e foram encosto, carros, barcos, camas e paredes e tecto de muitas casinhas. Tinha-lhes perdido mais ou menos o rasto mas há uns meses lembrei-me de as ir procurar. Perderam quase toda a cor e ganharam buracos mas continuam lindas. E acrescentaram mais algumas tarefas a outra (e muito maior) lista, a de coisas por fazer: descobrir o nome da autora (e a autora propriamente dita), tirar-lhes o recheio de esponja fora de prazo e tomar conta delas…

Read more →

tesouro de retalhos

saco

Há uns dias trouxe este tesouro de uma loja de que gosto muito e onde há já meses que não passava (a Cavalo de Pau* que vende artesanato propriamente dito de várias partes do mundo, incluindo Portugal). É um saco feito de retalhos de pano, coçado e esburacado, trazido de Estremoz. Todo, todo cosido à mão. Conta-me histórias…

Outros retalhos (em papel) a que não resisti e que chegaram hoje: A Caravan Of Quilts e Passionate Patchwork.

E mais:

Briar Press: o regresso da tipografia (via Be a Design Group).

…e a sereia da Mimi.

Read more →

grow baby grow

quilt

Deitei finalmente mãos ao projecto de fazer um quilt com algumas roupas de bebé da E, inspirada pelo da Hillary. Visto e revisto o saco de roupa que ainda não seguiu para a prima mais nova, tive pena de sacrificar peças que ainda pudessem ser vestidas. Fiquei-me por cinco babygrows bem coçados nos joelhos, uma sweatshirt da feira e uma t-shirt manchada de pêra. O tecido, por ser muito elástico, prometia dar luta, mas fui gostando tanto de ver os quadrados uns ao pé dos outros e a E. aos pulos de entusiasmo que passei boa parte do dia de sábado a coser. Está feita a manta de retalhos – falta transformá-la em quilt (acolchoá-la). Para já estamos satisfeitas com o resultado.

Read more →

feedsack

feedsack

feedsack

A minha curiosidade crescente pelo quilting tem-me levado a ler bastante sobre o assunto e a encontrar inúmeras referências aos feedsacks (sacos de farinha ou outros alimentos feitos de tecido). Nos Estados Unidos, a reutilização destes sacos foi estimulada como acto patriótico e deu origem a toda uma indústria, mas deve ter sido prática corrente até há poucas gerações em grande parte do mundo, e mais ainda em sítios onde o algodão não abundava.

Read more →

japanese do it better

machine made patchwork

Se não está no top de vendas de livros crafty japoneses em terras ocidentais devia estar. Desde que o vi referido pela primeira vez que tinha a certeza de que se ia tornar um dos meus preferidos e agora que chegou vejo que não me enganei.

Rie Kobayashi: via Molly Chicken e acrescentada aos favoritos dos meus favoritos por causa destas carteiras e destas bonecas.

Masaya Hirai: ilustração.

Wawaya: coelhos que foram luvas.

Read more →

quíltingue

acolchoado de chita

Tenho andado à procura da maneira de dizer em Português quilt, quilting e patchwork. O melhor que consegui para quilt foi:

Acolchoado: coberta chumaçada e pespontada em xadrês, segundo a já velhinha 3.ª edição do Dicionário de Português da Porto e Editora.

Não soa muito bem mas acho que é a palavra certa. Manta de retalhos acolchoada é mais explicativo mas comprido demais. E patchwork, como é que se traduz?

Há meses que ando cheia de vontade de explorar estas técnicas. Fiz as pegas-ou-pousadores-de-caneca-ao-lado-do-computador, um saco, três porta-moedas e agora uma brincadeira com destino ainda não decidido (manta para as bonecas, individual ou pousa-cotovelos-junto-ao-teclado, que é o que está a ser neste momento).

Read more →