madragoa

transatlântico

na corda

lisboa no campo

Dois pretextos para andar pela Madragoa: passear um novo amigo e fotografar o meu quilt acabado ontem a desoras. Gostei tanto de ver os anteriores no lavadouro de Samora Correia que pensei pôr este num cenário semelhante. O lavadouro da Madragoa é um pedaço de campo no meio da cidade. Segundo o filho de uma das três senhoras que ainda lhe dão uso, foi doado pela rainha D. Amélia ao povo daquele bairro. No site da câmara não se encontra grande informação sobre os lavadouros municipais, mas apetece ir conhecê-los a todos.

Read more →

▤

▤

A Spoonflower é uma empresa norte-americana que imprime tecido a metro com desenhos criados pelos seus clientes. A impressão digital em tecido é um negócio que ainda está só no início, e que tem imenso potencial para quem trabalha em escala reduzida. Desde que há um ano o nascimento deste site foi anunciado que estava desejosa de experimentar, mas fui adiando e acabei por só me estrear agora. O desenho é o destas minhas bonecas que há tempo demais que não faço.

Fiquei muito satisfeita com o serviço e com vontade de tentar outros padrões. Os restantes tecidos da almofada são da Retrosaria, claro.

PS em resposta aos comentários: vai haver uma quantidade limitada deste tecido à venda na Retrosaria dentro de poucas semanas. Obrigada pelo incentivo!

Read more →

◲◱

mini

O half log cabin é um padrão que não aparece com frequência no patchwork popular português, mas de que gosto muito. Principalmente nas suas versões afro-americanas, como esta ou esta. Acho-o interessante sobretudo quando é interpretado de forma bastante livre e cada bloco é pensado individualmente em vez de ser igual aos do lado. Para os meus, o que faço é cortar a olho três tiras de largura diferente de cada um dos tecidos e trabalhar a partir daí.

No caso deste, não fiquei muito satisfeita com a opção de acolchoar com linhas diagonais (que interferem com a leitura do patchwork), mas estou contente com a conjugação das cores e dos padrões. Os tecidos são todos da Retrosaria, claro.

Read more →

☐ ☐ ☐

☐☐☐☐☐☐

70s

Terminei hoje esta almofada. Os retalhos com que a fiz vieram de um pequeno atelier de costura e estavam guardados num saco juntamente com outros, todos muito pequenos, que alguém há muito tempo não teve coragem de deitar fora. São todos de algodão e de tecidos dos anos 70, quase de certeza portugueses. Com o bom tempo, foi um instante enquanto os lavei e ficaram prontos a usar. Por serem tão espampanantes não arrisquei mais do que cortá-los em quadrados e, mesmo assim, até decidir que ficavam bem como almofada com crianças em cima houve uns momentos em que achei que eram cores a mais. Afinal não são.

top

quilt top

A combinação destes tecidos pareceu-me tão feliz que num instante (à minha escala, entenda-se) ficou pronto o top do meu próximo quilt. Usei padrões de alguns designers conhecidos de que gosto muito (Kaffe Fassett, Heather Ross e Anna Maria Horner) mas pelo meio de outros menos vistosos e igualmente bonitos (como este). Fico sempre a pensar se daqui a dez ou vinte anos os meus quilts me parecerão incrivelmente datados pelas cores e padrões ou se algumas vezes conseguirei acertar numa daquelas combinações mágicas que nunca cansam. E apercebo-me de que mesmo sem querer continuo sempre à procura destas cores.

Read more →

☐ ☐ ☐

☐ ☐ ☐

Apesar de ter começado a brincar com retalhos já há anos, nunca tinha experimentado a técnica da parede de flanela. É usada pela Denyse Schmidt e recomendada no seu (excelente) livro – Denyse Schmidt Quilts – de iniciação ao patchwork. Além do mais, é extremamente simples: uns metros de flanela presos à parede (ou, como no meu caso, provisoriamente pendurados numa estante) dão uma superfície a que os tecidos aderem como se fossem autocolantes. Em geral combino os tecidos no chão, mas a verdade é que o chão está sempre no meio do caminho do jogo das escondidas, dos berlindes e da carruagem dos playmobil. Um cenário de flanela, que não é preciso desfazer ao fim de umas horas, é de facto muito mais simples.

Os tecidos deste meu próximo quilt são quase todos da Retrosaria, mais dois ou três que tinha guardados há uns anos. As cores são uma variação das que uso sempre (só com mais preto e tons ligeiramente mais saturados). O padrão é dos mais simples que há (quadrados alinhados verticalmente), mas no meu caso foi directamente inspirado por esta lindíssima fotografia que me serve de desktop há mais de um ano:

Read more →

Page 5 of 14« First...34567...10...Last »