♥ zagal

♥ zagal
♥ zagal

How much or how little information do you need to follow a knitting pattern? Knitting from japanese books has made me favor charts over text, symbols over words. While doing research for my book I’ve met old ladies who can’t follow the simplest written pattern but will reproduce a complex knitted garment from looking at it only once or twice.

♥ zagal
♥ zagal

This sleeveless jumper was the first thing I’ve created with my new yarn, Zagal. My daughter is 7 but I think it will look nice on smaller kids as well. It’s done portuguese style (which means I prefer purling over knitting and always purl when knitting in the round, facing the inside of the garments), in the round up to the armholes and then flat up to the shoulders. If you’re knitting style is any other than portuguese chances are you prefer knitting over purling – just purl where I knit and knit where I purl and you’ll be fine.

♥ zagal
♥ zagal

Needles: 60cm x 6mm circular needles for the ribbing, 60 x 7mm circular needles for the body and a set of 5 double pointed 6mm needles for the ribbing on the neck and arm openings.
Yarn: 1 skein of Zagal 902 (yellow) and 3 skeins of Zagal 909 (blue & white).

♥ zagal
♥ zagal

Some notes:
1. The ribbing pattern is k1, p3.
2. After the ribbing, stitches 1 & 63 are knitted to create a faux seam. All other stitches are purled.
3. Leave stitches 1 & 63 on stitch holders when you reach the beginning of the armholes.
4. Cast off the stitches of the front (20 on each shoulder) together with the stitches of the back (also 20 st on each shoulder). This is called a three needle bind off.
5. The neck opening starts on row 64 of the front and row 77 of the back. Start counting after the ribbing is finished.

♥ zagal

Have fun!

o gorro montanhac

montanhac
montanhac



Nasceu há já alguns meses, inspirado por uma manta do baixo Alentejo especialmente bonita. O padrão é diferente dos mais habituais: não tem meio e o seu lado esquerdo é o negativo do direito. De tal maneira que em pequenino, como estava na manta, parecia ter um erro de construção. Fiz o primeiro em Beiroa 2ply com agulhas 6mm e agora fiz três de uma vez em Zagal com agulhas 7mm. Chama-se Montanhac porque é esse o nome localmente dado às mantas com este tipo de desenho (a bibliografia de referência está aqui, pirateada por yours truly porque é quase impossível dar com ela em alfarrabistas). As instruções estão disponíveis para download no Ravelry e hoje, no belíssimo Fringe Association, fala-se dele.

sete em um

gola beiroa

Era para ser só uma experiência de tricotar a cores com as sete beiroas novas mas acabou por resultar numa gola pequenina, mesmo ao tamanho da A. Fica a receita, para quem quiser experimentar ou variar sobre o tema:

Materiais:

Beiroa nas cores 695, 409, 567, 557, 595, 729 e 625
Conjunto de 5 agulhas de 3.5mm x 20cm
Conjunto de 5 agulhas de 4mm x 20cm
Dois alfinetes de fazer meia
Uma marca
Agulha de ponta redonda para os remates

Execução:

Canelado: Com a cor 695, montar 112 malhas nas agulhas de 3.5 com o método de montagem à portuguesa (fio ao pescoço) ou outro que produza uma margem elástica, distribuindo as malhas pelas quatro agulhas. Introduzir uma marca para assinalar o início/fim da volta e verificar que as malhas da montagem não ficam torcidas.
Trabalhar 10 voltas em canelado 3×1 (3 malhas de liga, 1 malha de meia).

Padrão: Com as agulhas de 4mm e colocando um alfinete de fazer meia em cada ombro, trabalhar o padrão sempre em liga. Na primeira volta, acrescentar duas malhas, uma no início e outra no meio da volta (114 malhas). Esta primeira carreira é trabalhada da seguinte forma: *5 malhas com a cor 695, 1 malha com a cor 409*. Repetir de * a * até ao final da volta.

Nota importante: para o padrão ficar com um aspecto uniforme, é essencial suspender cada cor sempre no mesmo alfinete, por exemplo: começar com a cor 695 no alfinete do lado esquerdo e a cor 409 no do lado direito. Quando a cor 695 deixa de ser usada, passar a nova cor (567) no alfinete do lado esquerdo, mantendo a cor 409 do lado direito. Ao retomar o trabalho depois de uma pausa, passar os fios no mesmo alfinete em que se encontravam antes.

Depois de completar o padrão, trabalhar uma volta lisa em liga com a cor 625, matando duas malhas (uma no início e outra no meio da volta) (112 malhas).

Canelado: Com as agulhas de 3.5mm, trabalhar 10 voltas em canelado 3×1 (3 malhas de liga, 1 malha de meia).

Rematar usando uma técnica de remate que produza uma margem elástica (por exemplo esta).
Rematar as pontas de fio soltas.

Para uma gola de adulto convém montar um mínimo de 124 malhas, aumentando para 126 a seguir ao canelado.

This tiny cowl was purled from the inside, portuguese style, using two knitting pins to hold the yarn (one on each shoulder). The yarn is Beiroa, shades 695, 409, 567, 557, 595, 729 e 625, knitted on 3.5mm (rib) and 4mm (pattern) double pointed needles.

Instructions: CO 112 st on the 3.5mm needles using shade 695 and *p3 k1* 10 rounds. With 4mm needles, start following pattern, increasing 2st on the first round (114 st). Purl one round with shade 625 after finishing the pattern, decreasing to st (112 st). With 3.5mm needles, *p3 k1* 10 rounds. Cast off.

For an adult size version, cast on at least 124 st, increasing to 126 at the beginning of the pattern.

gorro de bucos

a+bucos

bucos

Um gorro para adulto ou criança de lã de Bucos que se faz num serão. É feito pelo avesso, em liga, como manda a técnica portuguesa:

Materiais:

80g de Bucos (100% lã) cor mescla
Conjunto de 5 agulhas 6mm
Uma agulha de coser malhas (para os remates)
Uma marca

Execução:

Montar 76 malhas distribuídas pelas 4 agulhas (19 malhas em cada agulha). Introduzir uma marca na agulha da mão direita, para assinalar o início/fim das voltas.
Trabalhar 12 voltas em canelado (2 malhas de liga, 2 malhas de meia).
Trabalhar 17 voltas em liga.

Confirmar o número de malhas em cada agulha (19) e redistribuí-las se necessário.
*Trabalhar todas as malhas da agulha da mão esquerda com excepção das duas últimas. Trabalhar juntas as duas últimas malhas da agulha da mão esquerda e passar a malha resultante para a agulha que ficou livre, que é agora a nova agulha da mão direita.* A marca pode agora ser retirada das agulhas.
Repetir de * a * até sobrarem apenas duas malhas em cada agulha.
Cortar o fio deixando um comprimento de cerca de 20cm e, com a agulha de coser malhas, passar o fio por dentro das 8 malhas restantes, puxando-o de forma a fechar o trabalho.
Rematar as pontas de fio, passando-as sob as malhas do avesso do trabalho.

A simple beanie hat made with Bucos using the portuguese knitting method (circular knitting is always purled, with the wrong side facing the knitter):

80g Bucos (100% wool) mescla
Set of 6mm double pointed needles
Marker
Tapestry needle

Cast on 76 stitches and join in the round. Place a marker to indicate the beginning of the round.
Work 12 rounds of ribbing (*Purl 2 Knit 2*).
Purl 17 rounds.
Make sure you have 19 stitches on each needle. Remove the marker.
*Purl all but the two last stitches on the left hand needle. P2TOG and slip resulting stitch to the new right hand needle*. Repeat from * until only 8 stitches remain. Break yarn and, using the tapestry needle, thread through the remaining stitches. Pull tight to close. Weave in yarn ends.

dar cor

dyeing

dyeing

Por causa das novas lãs para meias que chegaram à Retrosaria, apeteceu-me fazer mais algumas experiências de tinturaria. Usei um processo diferente desta vez, que aqui deixo em formato de receita:

Ingredientes:

Uma meada de Beiroa branca novelada
Tintas próprias para tingir lã (eu uso da Jacquard mas também se pode experimentar com tinta Raposa) ou corante alimentar
Vinagre branco do mais barato
Seringas de plástico de 50ml
Luvas de látex e avental
Um recipiente que possa ir ao micro-ondas (eu uso um pyrex)
Forno micro-ondas

Execução: Read more →

líquenes

liquen

beiroa com liquen

Na Gralheira o chão estava coberto de líquenes. Colhemos um saco deles, mesmo sem saber se seriam os mais indicados para tingir. À noite secaram junto à lareira e no dia seguinte, já em Lisboa, pu-los num tacho com água e deixei ferver uns minutos. Pareceu-me que a água não mudava de cor e achei que a experiência não ia resultar, mas juntei-lhes uma meada de Beiroa e deixei cozer em lume muito brando durante cerca de uma hora. Passado este tempo a lã tinha ganho uma cor dourada muito bonita. Não foi preciso juntar vinagre nem nenhum dos mordentes que muitos pigmentos naturais exigem para se fixar à lã.

É mais um tema que apetece estudar e experimentar. Algumas pistas de leitura: Read more →

dar cor

dar cor

dar cor

Continuo a fazer experiências de tinturaria com a Beiroa. De uma cor passei para as duas, e depois para mais ainda. A ideia é conseguir que as meadas sejam bonitas mas que não tenham aquele efeito (ou defeito?) de serem ainda mais bonitas do que o fio depois de trabalhado (quem faz muito tricot sabe do que estou a falar). Esta meada foi levada pela Ana Paula, que se ofereceu para a experimentar e me trouxe hoje o resultado: uma gola decorada com um ponto ajourado muito bonito e simples de fazer:

Carreiras ímpares:
*Primeira, terceira e quinta carreiras: 7 malhas de liga, uma laçada, resto das malhas em liga.
Sétima carreira: matar sete malhas e trabalhar as restantes em liga.
Carreiras pares: liga.*
Repetir de * a * até ao fim da meada. Read more →

receita

:)

:)

Ingredientes: camisolas interiores de algodão (novas ou usadas), canetas de feltro próprias para tecido, cartão rectangular para pôr dentro das camisolas ou bastidores para manter o tecido esticado.

Execução: desenhar a gosto. Passar a ferro no fim para fixar as cores.

Page 1 of 41234