biquinhos de crochet

biquinhos de crochet
[instagram] #maximalism > beautyfying everyday kitchen towels with crochet edgings is the pastime of choice of uncountable portuguese (older) women, thus keeping their hands busy at times once used for spinning, mending or knitting socks. large bold ‘joyful’ prints and bright yarns are always preferred over lighter ‘minimalistic’ palettes, discarded as too plain or simply ‘sad’.

o início

A

A

A prova de que o workshop de Sábado à tarde foi mesmo bom é ter vindo para casa com uma vontade incontrolável de fazer hexágonos de crochet. Talvez a coisa me agrade tanto por ser uma espécie de encontro entre a malha e as mantas de retalhos. Vem aí uma manta (a não ser que eu consiga fazer um casaco parecido com este). Estou a usar a Beiroa em quase todas as suas cores. A minha mãe estranhou ver-me só com uma agulha na mão – crochet?! – e depois lembrou-se deste quadro, que lhe pareceu a inspiração ideal.

…e o melhor site de crochet (e não só) que conheci nos últimos tempos: Ganchitos.

A

A

Read more →

na retrosaria

tricot 2

tricot 2

Uma das boas coisas que acontecem na Retrosaria é dizerem-nos tantas vezes que os nossos workshops são diferentes.
Ontem também estive do outro lado. De manhã ensinei truques de malha e à tarde fui aluna da Rita (a mesma Rita que fez as ilustrações do meu livro). Foi a estreia do workshop de Crochet 2, em que se aprende a fazer rosetas ou motivos de crochet (aquilo a que nos EUA se chama granny squares e cá não tem nome mas quase toda a gente da minha idade reconhece de uma manta de casa da avó). Para mim, que nunca tinha tentado avançar no crochet para além do mais básico, foi uma revelação. As cores da Beiroa, que foi o fio que usámos, agora parecem-me ter sido inventadas para isto.

crochet 2

crochet 2

crochet 2

d. rosário

pegas

pegas

A D. Rosário vem às vezes visitar-me à Retrosaria. Como boa alentejana que é, poucas técnicas que envolvam fios e agulha lhe escapam. Um destes dias veio com estas pegas e tentou ensinar-me o ponto das sogras e noras (em baixo à esquerda). Cozinha que se preze tem de ter uma colecção delas.

(as da Rita também são lindas)

agulha

agulha

Enquanto eu e a Daniela víamos o Sr. Manuel Chaves a fazer agulhas, o F. deitou discretamente mãos à obra e fez uma também, de um pauzinho que achou no chão. Ontem, ao ver este link partilhado pela Rita, lembrei-me de a estrear finalmente. As agulhas de madeira (normalmente todas descascadas e branquinhas) são muito mais frequentes nas nossas aldeias do que se possa pensar – em pelo menos três, de norte a sul, ouvi mulheres contar que em meninas aprenderam a fazer meia nas agulhas que elas próprias talharam. Fazer é poder! Read more →

mãos

first time

Enquanto a Ana e a Rita se aventuravam alegremente pelos mares nunca dantes navegados do tricot, a E. aprendeu a fazer crochet com uma mestra. Pensou num cachecol e eu lembrei-me das sábias palavras da Elizabeth Zimmermann sobre a melhor maneira de ensinar uma criança a fazer malha:

An excellent first project is a garter-stitch pot-holder. It will probably turn out thin, lumpy, sleazy, and full of holes, but it is a small project, comparatively soon finished, and very easy to make much of.
Provide suitable and encouraging tools and materials. (…)
Then hang the pot-holder up behind the stove, and use it, and
use it. It won’t be your most efficient pot-holder – it will give you many a burned hand – but use it. It won’t even be necessary to comment on its excellence or beauty every time you use it; you will be noticed, and the fact that it will soon become shabby, worn, and beat-up will be the best thanks and encouragement you can give. Soon its successor will be cast on.

in Knitter’s Almanac, 1974.* Read more →

Page 1 of 212