curtas

bonecas

Todos os dias a caminho do (outro) trabalho passo pela montra em que moram estas bonecas. Podia dizer que as bonecas de porcelana me assustam (para onde olham quando está escuro?) mas esta (a grande, que tem – quase que aposto – cabelo de menina de verdade) não me mete medo. Acho-a tão bonita. Não creio , no entanto, que alguma vez entrarei no antiquário onde mora porque me repugnam os antiquários que ostentam memorabilia do estado novo como se não fosse nada de mais.

Skin Deep: Ontem a seguir a pôr a E. (que faz hoje um ano e meio!) a dormir a sesta apanhei no segundo canal parte de um documentário – inserido na série de documentários de refugo que têm vindo a passar – que me prendeu a atenção: uma mulher da geração da minha mãe passava cinco dias na rua disfarçada de sem-abrigo (sem dinheiro, sem comida, sem uma muda de roupa interior). Lembrei-me logo do Les glaneurs et la glaneuse, que vi há três anos, mas aqui havia uma pontinha de demagogia, não sei bem. Consegui fixar o nome da senhora, que afinal não era nem mais nem menos do que a fundadora da Body Shop.

4 comments » Write a comment