portugal, um retrato social

soajo

Soajo, 1980. Fotografia de Alexandre Pomar.

Desde os primeiros anúncios, que pediam depoimentos e histórias de vida, que aguardava a estreia desta série da autoria de António Barreto. Perdi o primeiro episódio mas, depois de ontem ter visto o segundo, espero ter as meninas a dormir a horas de não perder mais nenhum. Conhecia de outro documentário as declarações chocantes do autarca algarvio dos anos 70, a propósito da urbanização selvagem do sul do país, mas as imagens do Portugal a preto e branco põem-me sempre a pensar. A preto e branco não há gordos. Reparei nisso há anos, julgo que nos excertos que vi das recolhas de Michel Giacometti, e nunca mais consegui deixar de ver (em todas as imagens do programa de ontem, uma única mulher não era magra) essa fome quase omnipresente até há tão pouco tempo. Desse país, o dos meus pais e avós, o que conhecerão as minhas filhas? Das visitas de estudo que fiz durante a primária, as que melhor recordo foram a fábricas: uma de conservas (acabou com a turma a deliciar-se à mão com uma lata gigante de cavala), outra de açúcar e ainda a de bolachas e chocolates da Aliança. Eram todas em Lisboa, dentro da cidade. Nenhuma sobrevive. Restará talvez para elas desse Portugal, o rural e o das fábricas, o que foi guardado e/ou reinventado pelos ranchos folclóricos (sem eles não seria certamente possível comprar hoje – e pela internet – um fato completo de lavradeira do Minho), por alguma museologia e pelos nichos de mercado.

Nota: na fotografia, tirada se não me engano num princípio de Primavera em que a água das poças ainda gelava, mais uma achega para a história do mundo antes das fraldas descartáveis, sobre a qual comecei a interrogar-me nesta altura: o menino, provavelmente com dois anos, tem sapatos e meias até aos joelhos (vêem-se noutra fotografia da mesma série) mas, da cintura para baixo, mais nada.