chapéu

Não é que a E. tenha menos tiradas dignas de memória, nem que a A. não me surpreenda diariamente com as suas habilidades, mas tenho escrito menos sobre elas. A explicação mais óbvia é a de que, por passar boa parte do tempo a tentar evitar que a A. se magoe durante os desportos radicais que passa o dia a praticar (sobretudo escalada e queda livre) e a resolver as crises existenciais da E. (porque é que eu não posso ser adulta já?), não sobra que chegue. Quando adormecem, saio finalmente um bocadinho da sanduíche de mãe que sou o dia todo, amarrotada e com sopa no cabelo, cheia de intenções de ler e de fazer e de pensar, e preciso é de ir ali para o meu cantinho do sofá fazer coisa nenhuma. Ou então de ir vê-las dormir, tão lindas.

16 comments » Write a comment

Leave a Reply

Required fields are marked *.


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.