#oilily

#oilily

Consigo pensar em muitos motivos mais agradáveis para se ser referido na imprensa estrangeira mas, dada a situação, este também também é bom. O artigo está online aqui e assim que puder actualizo este post com uma tradução a tradução, gentilmente feita pela Sónia, segue mais abaixo. Agradeço ao Zé Nuno pela imagem e também aos outros amigos na Holanda que foram comprar o jornal por minha causa.

Entretanto, o endereço de email da Oilily foi desactivado, o que só pode ser uma reacção às (creio que) centenas de mensagens de protesto que terão recebido nos últimos dias. Obrigado a todos pelo apoio!


Amsterdão – Os novos donos da marca de moda holandesa Oilily devem seriamente ter em conta um processo judicial contra a empresa familiar devido a plágio.

A designer portuguesa Rosa Pomar acusa a Oilily de ter copiado um boneco por ela pensado. A marca colorida usa o design num boneco chamado Pinki. O desenho é usado também em etiquetas na roupa de bebe e material de embrulho.

A portuguesa, que desenhou o boneco em 2004, exige que os bonecos e suas imagens desapareçam das lojas e no mínimo 60.000 euros de indemnização. Os potenciais compradores da marca que esta semana fizeram uma proposta não foram informados do eventual contecioso.

Pouco antes de a Oilily ter pedido insolvência, Pomar avançou com a acusação de plágio. Na troca de emails com a empresa, esta mencionou que “a situação financeira da empresa nao é a melhor, o que significa que iremos comunicar a sua exigência ao executor Marc Molhuysen”. Entretanto a empresa faliu.

O executor Molhuysen do escritorio de advogados DLA Piper disse que a marca é ela própria frequentemente copiada. Molhuysen acha que a Oilily deverá distanciar-se da prática do plágio. “Seja ou não verdade, temos de nos distanciar dessa suspeita”, diz ele. “Por isso retirámos todos os bonecos das lojas e retirámos tambem as etiquetas das roupas de bebe. Contenciosos são a última coisa de que precisamos neste momento.”

Em reacção à notícia, o post no DaddyTypes: Score one for the little bunny….

45 comments » Write a comment

  1. Estou mesmo feliz por as coisas terem atingido tal proporção e por este caso estar a ter esta visibilidade. Espero que sirva de exemplo a não seguir, por parte de outras empresas e entidades. Que bom, Rosa :)

  2. Que bom que chegou à imprensa Holandesa!! Fico à espera da traducção.

    Beijinhos,

    Carlota

    P.S Tenho que te confessar que só eu mandei 3 mails de 3 endereços diferentes.. uppsss :))

  3. Ora bem!

    Tudo se está a compor. E, é mesmo como a Marta Mendes diz, este caso vai acabar por servir como um exemplo daquilo que não se faz.

    Tudo se vai resolver, talvez até mais cedo do que se esperava. Sobretudo, porque a questão que se colocava no início (de ser apenas uma pessoa contra uma grande empresa) está a deixar de ser relevante. Até eles já devem ter percebido isso!

    A internet é um pau de dois bicos.

  4. Fiquei com um sorriso na cara a ler este post, eu bem digo que eles nem imaginam do que os “tuguinhas” são capazes!!! Desactivaram o mail, tss, tss, que fraquiiiiiiinhos!!!

    beijinhos Ervilha ;)

  5. Olá Rosa!

    Estou no Brasil e acompanhou seu blog daqui. Escrevo num momento bastante desagradável, pois tenho como desrespeito tal apropriação do seu trabalho sem o seu consentimento, mas eh neste momento, por esses dias que tomei a coragem de assumir uma vontade antiga, continuar a costurar e criar um blog. Visitar o seu sempre me fez muito bem, e certamente me animou na criação do meu. Quando puder passe por lá!

    Grande abraço e boa sorte!

  6. Bien, Rosa!

    Me da gusto por tí y por tantos otros diseñadores independientes plagiados por Oilily.

    Recientemente estuve en Estocolmo y en el catálogo de la SAS venden objetos de Oilily, tus muñecos no estaban en catálogo de la SAS : )

  7. Afinal já não pareces apenas uma pessoa contra uma grande empresa. Já és uma grande pessoa contra uma empresa grande, com e-mail desativado.

    Salve Rosa!

    Sigo assim essa história q começou muito desigual e q ganha contornos fantásticos.

    Me sinto participante dessa luta junto com vc e me agiganto.

    Parabéns e força!

    Bj grande

    Alessandra

  8. Olá,

    Costumo seguir o seu blog e fiquei particularmente atenta a toda esta situação do plágio! Orgulho-me de dizer que todo este apoio por parte das pessoas me comove, afinal não estamos sempre todos juntos apenas por causa do futebol!

    Espero que tudo se resolva e também estou do seu lado. Afinal temos de ser uns pós outros!

    Muita sorte,

    bjinhos!!!

    Patrícia

  9. Amsterdao – Os novos donos da marca de moda holandesa Oilily devem seriamente ter em conta um caso de tribunal contra a empresa familiar devido a plagio.

    A designer portuguesa Rosa Pomar acusa a Oilily de ter copiado um boneco por ela pensado. A marca colorida usa o design num boneco chamado Pinki. Tambem as etiquetas com a forma do boneco sao usadas na roupa de bebe e a imagem do boneco e usada no material de embrulho.

    A portuguesa, que desenhou o boneco em 2004, exige que os bonecos desaparecam das lojas e no minimo 60.000 euros de indeminizacao. Os potenciais compradores da marca que esta semana fizeram uma proposta nao estao a par do eventual contecioso.

    Pouco depois de a Oilily ter pedido insolvencia, Pomar avanca com a acusacao de plagio. Oilily responde entre outros que “a situacao financeira da empresa nao e a melhor, o que signific que iremos comunicar ao executor Marc Molhuysen da sua exigencia.”, assim parece atraves de troca de emails. Entretanto a empresa faliu.

    O executor Molhuysen do escritorio de advogados DLA Piper disse que frequentemente a marca tambem ela copiada. Ele acha que a Oilily devera distanciar-se. “Se e verdade ou nao, temos que evitar qualquer danos”, diz ele. “Por isso retiramos todos os bonecos das lojas, retiramos tambem as etiquetas em forma do boneco das roupas de bebe. Contenciosos e tudo o que menos queremos.”

  10. carambas, ya me hubiese extrañado que la prensa no se hubiese hecho eco del plagio, ¿así que Oilily en quiebra?, ¿que ellos también fueron copiados? no dudo que hayan influído con su colorido o los diseñadores de su país influyeran en ellos, hace años a mi me gustaba tanto su ropa, pero esto es tan flagrante que no tiene disculpa de ningún tipo y es tan triste que ya les hemos cogido todos una manía tremenda, miro con tristeza mi colonia Oilily, cuando se me acabe (fue un regalo especial) no compraremos más de esa marca…

  11. Rosa

    Fiquei indignada com essa história e estou muito feliz em saber que estão tomando provindências em seu favor!!! Admiro muito o seu trabalho e estou torcendo por você!!! Abraços de uma amiga brasileira!!

  12. de nada! vejo que tinha alguns (muitos) erros, o portugues ja me foge, mas a tua correccao ficou optima! Nao era realmemte “pouco depois da oilily…”mas sim “pouco antes da oilily…”. acho que tradutora nao seria um futuro!

    jinhos e fico a aguardar as consequencias!

  13. Rosa,

    Já sigo o teu trabalho há algum tempo, gosto bastante dele e acho que neste caso com a Oilily estás cheia de razão.

    Mas 60.000 euros?

    Um pedido de desculpa público a admitir o erro não chegava? (Dá-te a publicidade gratuita que nunca terias de outro modo) Se a empresa entrou com o processo de insolvência não achas demais exigir receber dinheiro? Será que os funcionários da Oilily que vão / estão a ser dispensados não merecem receber aquilo a que têm direito? Tens noção que se a empresa está com problemas financeiros os primeiros a receber são os credores / processos judiciais e só depois os funcionários?

    Sei que este meu comentário parece a ovelha negra dos comentários porque até hoje não vi ninguém sequer contrariar os teus gostos e as tuas ideias.

    Sofereste uma injustiça, é certo. A Oilily deve ser punida. Mas isto mais parece os pedidos de indeminização astronómicos que os familiares de uma vítima de acidente fazem ao condutor que provocou o acidente como se houvesse dinheiro que compensasse a perda de um ente querido.

    Desculpa o desabafo mas eu acho que o bom senso deve imperar.

  14. Ao contrário do comentário anterior, eu acho que tens todo o direito de pedir o que é teu, por direito. Só quem é criador (designer, artista, escritor,…) é que sabe como é difícil vingar no mercado tão competitivo, ainda para mais sem o suporte de uma grande empresa/marca.

    Se continuarmos a desculpar, os senhores do dinheiro continuarão a fazê-lo, porque mesmo correndo o risco de plágio, o facto de venderem em todo o mundo dá-lhes muitas mais compensações financeiras. É o mesmo que dizer que o crime compensa!

  15. São óptimas notícias! E, realmente, não me parece que a exigência de indminização seja desproporcionada. Não conheço nenhum método mais eficaz que a ameaça de um processo judicial (basta ler a notícia atentamente) e as suas consequências devem ser realmente dissuasoras para ser encarado com seriadade. A Oilily foi ela própria vítima de plágio, e não me parece que se contente com um pedido de desculpas por parte dos plagiadores, independentemente da saúde financeira destes. As dificuldades financeiras de uma empresa não se resolvem seguramente com este tipo de comportamento desleal mas sim com uma melhor gestão e com o respeito pelas reais expectativas dos consumidores. Na Oilily o decréscimo de qualidade dos produtos é evidente. Um vestido de criança comprado, esforçadamente, no Natal não resistiu à primeira lavagem, embora a culpa da insolvência recaia depois na conjuntura económica… O plágio é um assunto sério e não me parece que a Rosa Pomar ou qualquer criador aprecie este tipo de publicidade gratuita. A popularidade da Rosa e do seu trabalho é enorme no nosso país e fora deste, já o era antes deste incidente, e continuirá a sê-lo por mérito próprio e… a bem da nação :)

  16. eu tenho compaixao pelos trabalhadores da oilily e passo a explicar o imbroglio e a minha analise da situacao, porque nao e muito clara para nao dizer suspeita.

    Oilily e uma empresa holandesa fundada nos anos sessenta por um casal de alkmaar, teve um enorme sucesso no pais, nomeadamente nos anos oitenta expandido o seu sucesso ao estrangeiro nos anos noventa. as roupas sao coloridas e o desenho dos tecidos muito caracteristico e original (isto nos bons tempos).

    o casal foi envelhecendo e eriquecendo e em 2003 vende a empresa a um grupo de investidores chamado H2 Equity Partners (http://www.h2.nl) e o investimento parece nao ter sido dos melhores. a roupa passa a ser feita em massa na India e China e os precos tornam-se exorbitantes, isto aliado ao facto de a marca nao seguir o passo da moda actual leva a uma queda enorme de vendas, um desastre. agora o bizarro do caso… este ano Age Hollander e a sua mulher Lea Ward (uma americana vistosa de Mba em Yale) (http://www.cnote.nl/site/about.php) compram a oilily cheios de falinhas mansas e promessa de abertura de novas lojas mundo afora. acontece que Age Hollander e simplesmente o principal accionista da empresa H2 Equity Patners, logo compra a empresa a si proprio, declara passado dois meses falencia, ficando os credores a porta e salarios por pagar desde fevereiro e vende em hasta publica a oilily. resultado: alguns milhoes para o bolso numa altura em que a empresa so em 2007 teve mais de 2 milhoes de euros em prejuizos.

    Cris, ja reparou que o que diz e um tremendo disparate? nao e o pedido de indeminizacao que leva ao nao pagamento de salarios, mas sim a ganancia de dois investidores que desta forma afundam uma das empresas mais emblematicas deste pais.

    e uma questao de principio e isto e uma batalha de David contra Golias. faz-lhes pouca mossa e tenho a certeza que so retiraram os bonecos das lojas por dar mais jeito para a venda da empresa na semana que vem…. They don’t care!

  17. Obrigada por toda a informação, Sónia. Naturalmente, se não houvesse uma ameaça real de terem de pagar uma indemnização avultada, nem se dariam ao trabalho de tirar os bonecos das lojas.

  18. Ok, eu sei que penso e digo disparates.

    Se é a como a Sonia relata, esta triste história da Oilily é de facto causada pela ganância de milionários que só querem arrecadar mais uns milhares.

    O que escrevi pouco tem a ver com o tema em causa (a injustiça a que a Rosa foi sujeita). Mas vocês estão contentes pela justiça que se está a fazer com a Rosa ou pela cereja em cima do bolo de a empresa ter entrado em falência??

    A indeminização nunca sairá do bolso do casal Hollander mas sim dos cofres da Oilily. E sim, ao sair de lá, o pagamento de uma indeminizacao leva ao não pagamento de salarios. E sim, 60.000 euros distribuídos pelos funcionários com os salários já em atraso, fazem mais por essas famílias do que nos possa passar pela cabeça.

    Desçam um pouco do pedestal onde estão e olhem para o mundo à vossa volta. Se a empresa onde trabalham entrasse em falência e tivesse recebido uma intimação judicial para o pagamento de uma indeminização será que pensariam: “Sim, o plágio deve ser punido e eu não me importo que a minha família passe dificuldades económicas em nome da protecção da arte” ?

    Continuo a dizer: existem outros meios de os fazer corrigir o erro que cometeram mas tentar tirar partido disso é triste… mesmo em nome da arte!

  19. Agradeço à pessoa que assina os comentários como “Cris” que indique um endereço de email válido, porque a Ervilha Cor de Rosa não aceita comentários anónimos (ver modo de usar). Quanto ao conteúdo dos ditos comentários, faço minhas todas as palavras da Sónia. Eu sou o menor dos problemas dos trabalhadores da Oilily, com excepção do/da designer que teve a triste ideia de plagiar o meu trabalho.

  20. que bom, Rosa, acho que tudo que tem feito é mesmo o certo, processo e, ainda mais importante, imprensa, porque ficar com má fama é o pior pra marca no momento! viu como já se moveram? boa! acho que agora estás protegida. tudo de bom por aí e boa primavera!

  21. Olá, Rosa! Infelizmente você não é a primeira nem será a última a ter sua criatividade roubada – mas fico muito feliz em saber que, ao contrário do Brasil (de onde escrevo), parece que há justiça por aí. Espero que os 60.000 euros venham mesmo, imagine quantos tecidos eles não valem! :)

  22. Congratulations! This is excellent news that they’re destroying their knock-off bunnies. Of course they still never should have copied your design in the first place. But it’s nice to know that the Dutch court thinks that as well. Here’s to you winning the damages portion as well.

  23. Concordo plenamente com a Rosa e os demais defensores de uma compensação financeira à Rosa.

    60.000 não é nada e lembrem-se a Rosa pode ela própria investir esse dinheiro de uma forma que gere riqueza e crie postos de trabalho. Quanto à publicidade, melhor para ela e para nós caso ela seja generosa e sensata na forma como investir estes pequenos 60.000.

    Mas até nisso defendo a sua liberdade de escolha. Se ela quiser comprar um carro ou um vestido Hermes é lícito.

    Se o/a Cris está tão preocupado porque é que ele não sai para a rua e começa ele a criar postos de trabalho para essas pessoas a quem a OIlily não paga?

  24. Muchas felicidades Rosa por vencer en esta batalla. Eres un gran estímulo para much@s otr@s diseñadores y creadores. Ahora a seguir creando!!!

  25. parabéns! espero mesmo que este “Filme” continue a tomar as proporções que merece.

  26. Queria aqui dizer k eu nao sou a cris k deixou o comentario no dia 20 april as 8h48. Nao concordo nada com o comentario. Acho k a Rosa deve pedir a indeminizacao k acha necessaria e nao es responsavel pelos funcionarios da Oilily. Tenho ja deixado alguns comentarios em outros blogs portuguese e nao gostaria de ser confundida com alguem de quem desconcordo tanto (podes verificar pelo meu email k nao sou a mesma pessoa, a nao ser que alguem saiba do meu email por ter deixado um comentario num outro blog). Eu gosto muito do teu blog e trabalho, e do da sonia tambem. Boa sorte com a luta contra “essa pequena quase nao existente” companhia

  27. Parabens Rosa! Tenho acompanhado este caso, e tambem eu enviei mails em sua defefsa. Estou bastante feliz por si, e que agora possa ser feita justiça!

  28. Os meus parabéns à Rosa, o decorrer deste caso restaura-me alguma fé nas nossas instituições e também considero que a Rosa tem todo o direito a ser indemenizada. Os infelizes trabalhadores da empresa não vão ficar sem os salários por causa dessa idemenização, vão sim como foi esclarecido pela má gestão e ganãncia dos patrões. E quanto à “cereja” em cima do bolo, isto não é uma festa nem a Rosa vende bolos, mas a haver uma teria de ser o plágio ter sido descoberto por uma newsletter da própria empresa para a Rosa!:-))

    Parabéns, Rosa, continue com muita força e talento!

  29. Olá Rosa,

    esta notícia deixa-me triste e feliz por ti. Triste porque o plágio, e em especial nesta área… é uma constante e é um crime, mas feliz porque não deixa de ser uma forma de reconhecimento.

    E ainda bem que souberam reconhecer o erro, e retirar de venda tudo o que tivesse associado à marca que TU criaste, e que é já um orgulho para todos nós, portugueses.

    beijo grande e força!

    Voodoo e Patine

  30. Olá Rosa. Desde 2003 que acompanho o teu blog e fiquei muito indignada com esta situação. Encontrei este artigo no El País, sobre um caso semelhante de uma designer espanhola que viu alguns dos seus desenhos copiados pela Zara e postos à venda nas suas lojas. Como não tinha os desenhos registados,não pode fazer nada, o que é muito triste. Deixo aqui o link: http://www.elmundo.es/elmundo/2008/05/08/madrid/1210273505.html

Comentar