sacos, bolsas, taleigos

taleigos
Debret, Jean Baptiste (1768-1848), Boutique de boulanger. Brasil, 1834-1839 (pormenor).

taleigos
Domingos Rebelo (1891-1975), Os Emigrantes, 1926.

A poucos dias do próximo workshop de sacos, bolsas e taleigos (o primeiro foi assim), um rol de imagens: a de cima é a mais antiga que tenho de um saco de retalhos (à esquerda na mão do rapaz). É um pormenor de uma das célebres gravuras de Jean Baptiste Debret e é interessante por mostrar há quanto tempo se usam estes sacos para ir ao pão. No quadro de Domingos Rebelo, mais ainda que o chamativo saco ao centro, gosto do do lado esquerdo, sobre a arca, que podia ser este, feito daquelas chitas vermelhas brancas e pretas dos finais do século XIX. Haverá certamente muitos sacos por encontrar noutros retratos e fotografias de emigrantes portugueses. A quarta imagem deve ter o taleigo que mais gente viu sem reparar nele (eu própria só dei por ele recentemente). Aparições à parte, é uma lindíssima fotografia. A seguir, três sacos feitos por três avós de participantes do workshop que tiveram a gentileza de os trazer para me mostrar.

taleigos
Jorge Barradas, ilustração para a capa de Emigrantes de Ferreira de Castro, 1934 (retirado do Blog da Rua Onze).

taleigos
Autor desconhecido (?), Retrato dos chamados Pastorinhos de Fátima (1916-1919).

sacos, bolsa taleigos
Taleigo feito pela avó da Joana Rosa. Algarve, segunda metade do século XX.

sacos, bolsa taleigos
Saco acolchoado de tiras de tecido feito na zona de Leiria. Último quartel do século XX.

sacos, bolsa taleigos
Saco de retalhos triangulares. Meados do século XX (?).

16 comments » Write a comment

  1. Que taleigos mais lindos, Rosa… é verdade, eu nunca tinha notado o taleigo do pastorzinho de Fátima. Adorei o de tirinhas, de Leiria.
    Beijo
    Helena

  2. Depois de ler este post fiquei com um sorriso de orelha a orelha, pois vou estar presente no Workshop de dia 24 ;)

  3. São todos tão bonitos… Adorei o penúltimo!
    Bjs e continuação de bom trabalho Rosa

  4. Todos lindos e bem trabalhados e as cores todas tão vivas e alegres. O que serve de fundo é um soalho? Lindíssimo!

  5. Nunca tinha reparado no taleigo do Francisco. Aliás essa foto sempre me causou impressão pelo olhar triste e sério dos pastorinhos e que tanto contrasta com as fotos que hoje vemos das crianças portuguesas (por exemplo da E. e da A.). Um post muito bonito.

  6. Gosto tanto destes “retalhos” de história. Esta sim, é que é uma dissertação que valia a pena escrever!!

    A minha imagem preferida é a primeira, mas também achei muita graça ao facto de olharmos tantas vezes para os “pastorinhos” e nunca termos reparado no saco.

  7. Bom dia Rosa!
    Descobri o seu blog há pouco tempo. De facto, os blogs são como as cerejas, atrás de um vem sempre outro e outro e outro ainda melhor e mais apetecível.
    Durante muitos anos reprimi a vontade de aprender a usar uma máquina de costura, por falta de tempo… ou por outro motivo qualquer! E, entretanto, nas minhas pesquisas sobre temas que me agradam e me interessam(como a culinária, a fotografia…), chego até ao seu blog.
    Devo afirmar que é muito bonito e agradável, mas o que mais me entusiasmou foram os workshops que se realizam na Retrosaria.
    Ora o meu entusiasmo acalmou quando me apercebi que são realizados em Lisboa e eu moro no Norte do país.
    De qualquer forma, quero felicitá-la pelo trabalho que faz e dizer-lhe que continuarei a «espreitar» as imagens e os comentários interessantes que vai colocando neste blog.

    Obrigada

    barbara

  8. Como faço para me inscrever num dos workshops? E já agora, quanto custa cada sessão?
    Obrigada.
    Maria José Barroso

  9. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » ♥:

  10. Pingback: chitas de alcobaça | A Ervilha Cor de Rosa

Leave a Reply

Required fields are marked *.


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>