exílio

exílio

Foram 20 anos de ausência. … Tornaram-me a vida impossível.

Vinte anos de exílio político tornaram-lhe impossível integrar-se e reconstruir a carreira no Porto quando uma amnistia permitiu que regressasse para junto da mulher e dos filhos. Viu-se obrigado a partir novamente para o Brasil, onde viria a morrer nove anos mais tarde.

Celebremos, hoje e sempre, a liberdade de opinião. 25 de Abril Sempre!

bisavô camilo

8 comments » Write a comment

  1. Sempre sim ! … esse bilhete comove-me muito … e faz-me lembrar muitos outros que vi e li nos arquivos nacionais onde passei horas e horas a procurar documentos nos arquivos da PIDE-DGS … esta memória não se deve perder, nunca !

  2. Pois é…. o fim dos presos políticos e poder falar de política…lamentàvelmente pouco mais nos trouxe o 25 de Abril, esperava muito mais.
    Agora falamos e ninguém nos ouve…

  3. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » recortes da tia lina:

  4. Antes do 25 de Abril quase metade da população era analfabeta; não havia ordenado mínimo (o patrão pagava o que bem entendia…); só as mulheres chefes de família (viúvas, ou com os maridos ausentes do país) é que podiam votar e para sair do país tinham de pedir autorização aos maridos;….. e outros itens haverão mas por mim estes chegam e sobram!
    E mais não digo porque este blog não é meu.

  5. Realmente deve ser duro ser obrigado a sair do seu país e deixar tudo para tras , lembro-me do meu pai que a 59 anos atras saiu de Portugal tentando uma vida melhor e aqui realmente foi feliz ate hoje minha mae vive aqui e nunca voltou a terrinha dela Maia (Porto) mas naquela epoca era muito caro uma viagem de aviao porem hoje já com muita idade nao acho conveniente mas o meu maio sonho é um dia conhecer esta terra maravilhosa. Estou terminando de tirar minha cidadania portuguesa e passar para meu filho que tem sonho e ano que vem ir para Portugal . Um beijo e boa semana

Comentar