a broa

senhora da hora

broa de avintes

A série de posts sobre pão continua a norte, com uma das melhores broas de Avintes que já provei. No Porto, onde não há padarias como as de Lisboa, o pão-que-não-é-pão de supermercado parece ter-se tornado regra. No Pingo Doce ao pé de casa não havia à venda um único que não tivesse na lista de ingredientes gordura hidrogenada e/ou aditivos vários. O pão bijou, regueifa e broa vendem-se em mercearias, cafés e padarias diferentes das daqui, e parece-me que já não são esses que se comem na maioria das casas. A broa das fotografias foi comprada sábado de manhã na feira da Senhora da hora, numa venda que fica do lado oposto às outras que vendem pães e bolos. Ainda estava morna quando foi cortada e três dias depois continua fresca (hoje comemo-la na sopa). É macia e húmida por dentro, e foi cozida sobre folhas de couve, como é costume. Read more →

pão nosso (3)

de centeio

de centeio

Dizer pão de forma é quase um paradoxo, porque quando é de forma raramente é pão digno desse nome. Este é a excepção e presença obrigatória no guia informal dos bons pães que se vendem aqui no bairro (ver também o primeiro e o segundo que referi): o belíssimo pão de centeio em forma da Panificação das Mercês. Só se faz à quarta-feira e convém reservar de véspera. Combina tão bem com sandes tipo gourmet, com cottage, nozes e rúcula, como com a nossa gulodice preferida: barrado com manteiga e polvilhado com açúcar e canela.

de ir ao pão

dona a.

dona a.

Quando comecei a ir sozinha ao pão (deve ter sido há um quarto de século, mais ou menos), toda a gente levava o seu próprio saco de pano. Quem não levasse pagava dois ou três escudos (que devia ser quase o preço de um papo-seco) por um de plástico. Hoje em dia vêem-se muito poucos sacos de pano na padaria e consta (disse-me uma padeira) que até há uma norma que impede quem vende pão de sequer aceitar pô-lo nos ditos por razões de higiene (que paranóia, sinceramente). Eu e a Dona A. somos duas das resistentes aqui da rua. Ontem armei-me em alfaiate lisboeta dos taleigos e não resisti a pedir-lhe uma fotografia.

A propósito do que e do como comemos, veja-se, reveja-se e recomende-se nas escolas dos nossos filhos: Read more →

pão nosso

pão nosso

saco do pão

Uma das muitas coisas boas de Lisboa é o pão. Aqui no Bairro Alto pode-se comer bom pão e diferente todos os dias. Não estou a falar de pão caseiro, biológico nem gourmet, e muito menos do enganador pão quente, mas sim do bom pão da padaria, feito atrás da loja durante a madrugada, e dos que várias mercearias recebem diariamente, de trigo, milho ou centeio, vindos de outros pontos do país e feitos só de farinha, fermento, água e sal. O da fotografia foi o nosso pão de segunda-feira:

Pão do coração da Panificação das Mercês
Pronto mais ou menos a partir das 10h, de segunda a sábado, e geralmente disponível nas versões mal cozido (na foto) e bem cozido (dependendo da disposição das padeiras).
No dia seguinte, quando sobra, dá umas magníficas torradas.

O saco (ou bolsa ou taleigo) fi-lo há já umas semanas. Escolhi só tecidos que, pelos padrões e cores, pudessem ter pelo menos a minha idade e acho que ficou com um simpático ar alentejano (os tecidos são: 1, 2, 3, 4, 5). Read more →

padarias de lisboa

padaria

padaria

Outra padaria. Esta é na Rua da Escola Politécnica, junto ao Rato, e talvez seja das que mudaram menos desde o início do século passado. As fotografias foram tiradas com a cumplicidade mas sem autorização da padeira, porque os patrões não deixam. Vá-se lá saber porquê.

Read more →

padarias de lisboa

padaria

padaria

Tema improvável para um post e menos ainda para vários: padarias das que abrem das 7 à uma e das cinco às 7, que vendem pão feito na noite anterior em vez do pão quente a todas as horas que já nem é bem pão, com mosaico, azulejo, balcão de madeira e tampo de mármore. A última do meu bairro, na Rua das Gáveas, ainda atrai os turistas com os estuques pintados, mas nem o chão nem o balcão são tão bonitos como há uns anos. Ainda há alguma intacta?