um gorrinho

gorrinho


Era para ter sido mais um par de mini calças mas só depois de um serão a fazer o canelado reparei que tinha montado 20 malhas a menos, de maneira que acabei por fazer um gorro. O modelo foi improvisado mas ficou com umas proporções simpáticas, de modo que partilho aqui as instruções. Trabalhado com um fio mais grosso e agulhas de 5mm, a mesma receita produz um gorro de adulto:

Tamanho: até aos 3 meses

Materiais:
Cerca de 35g de João na cor 911
Cerca de 15g de João na cor 401
Conjunto de 5 agulhas de dupla ponta de 2.5mm
Conjunto de 5 agulhas de dupla ponta de 3.5mm
Marcas para tricot
Agulha de ponta redonda para rematar

Execução:
Montar 88 malhas com o fio azul nas agulhas de 2.5mm e trabalhar 32 voltas (7.5cm) em canelado (1 malha de liga, uma malha de meia).
A partir deste ponto todas as malhas são trabalhadas em liga.
*Com as agulhas de 3.5mm e o fio branco, trabalhar 2 voltas, passando o fio azul pelo avesso.
Com o fio azul, trabalhar 2 voltas, passando o fio branco pelo avesso.
Repetir a partir de * até ter trabalhado um total de 11 riscas (6 brancas e 5 azuis).
Com o fio branco, trabalhar 1 volta, colocando uma marca na agulha a cada 8 malhas.
*Volta seguinte: trabalhar até 2 malhas antes da marca, 2 malhas de liga juntas. Repetir esta instrução até ao fim da volta.
Volta seguinte: trocar de cor e trabalhar uma volta inteira sem diminuições.
Repetir desde * até restarem apenas 11 malhas nas agulhas. Retirar as marcas.
Cortar o fio do trabalho, deixando uma ponta com cerca de um palmo de comprimento. Com a ajuda da agulha de ponta redonda, passar o fio por dentro das 11 malhas restantes, puxar suavemente para fechar o gorro e rematar pelo avesso.

gorro

lã de bebé

mini

A Ágata mandou-me o link para este artigo sobre uma campanha da Woolmark que decorre por estes dias em Paris. Vista de relance, é uma campanha em defesa da lã – the exhibition will showcase wool in all its extraordinary forms and stages – mas, olhando com atenção, descobre-se (mais) uma iniciativa para promover apenas um tipo de lã de apenas uma raça de ovelhas – o Merino australiano. Sozinha, a Austrália produz cerca de 27% da lã mundial (dados oficiais) e, a acreditar no artigo, 90% (!) da lã destinada à indústria de vestuário. É lá que vivem 111 milhões de ovelhas intensamente modificadas (comparem-se com as tetravós espanholas) para que a sua lã seja o mais abundante e o mais macia possível. Mas e as outras raças? Peter Ackroyd, global strategy advisor da Woolmark entrevistado no artigo, é peremptório: a lã que a sua empresa promove é macia. O resto só serve para fazer tapetes:

WWD: But you know what people say: wool is itchy?
P.A.: That’s one of the biggest misconceptions about wool. It’s local and cross-bred wools that are scratchy and they are so on purpose, because they were meant for carpets. People don’t remember that in days of Roubaix and Tourcoing all wools that were spun there came from Australia [where 90 percent of the world’s apparel wool comes from], and Australian merino is very soft.

Esta triste afirmação ressoa na frase que mais frequentemente se ouve nas lojas de lãs: Têm lã para bebé?

Pela Retrosaria passam, tenho orgulho em dizê-lo, muitas pessoas das que lêem criticamente os rótulos, sejam os da comida ou os da roupa que vestem, e que apreciam os novelos com mais do que um dos cinco sentidos. Mas ouço esta frase diariamente. E o mais comum, porque me falta na parede uma boa reprodução do Menino do cobertor [de papa], é ter de desarmar o interessado (cf. the shame of selling) com um potencialmente desastroso O que é que quer dizer com lã para bebé?

lauro corado
Lauro Corado (1908-1977), Menino do cobertor. Col. Museu de Grão Vasco. Imagem MatrizPix.

A resposta, acompanhada de um olhar de espanto por eu parecer não entender à primeira, é quase, quase sempre a mesma: Daquela mais macia. Para BEBÉ. E o contra-ataque por vezes é fatal: Prefere um fio muito macio mas pouco natural ou menos macio mas local, sem fibras sintéticas nem aditivos? Ou um fio que, seja qual for a sua composição ou processo de fabrico, tem a cara de um bebé sorridente estampada no rótulo ou a palavra baby no nome e que, só por isso, passa por ser o melhor?

beiroa

Não se desfazem preconceitos nem se desconstroem décadas de marketing de repente, mas há duas ideias que tenho cada vez mais presentes no que faço diariamente seja na Retrosaria ou em casa:
Por um lado a riqueza que reside no conhecimento e na procura das coisas na sua variedade – sejam 14 raças de ovelhas (só em Portugal), cada uma com a sua lã, sejam os sabores diferentes do mel consoante as flores que rodeiam a colmeia. Sim, Sr. Ackroyd, da lã das nossas ovelhas churras fazem-se por cá (além de tudo o resto) óptimos tapetes industriais (para exportação). Mas as nossas outras raças de ovelhas dão lã boa de vestir, que nem toda a lã é para usar directamente em cima da pele (vivam as camisas de algodão e de linho por baixo das camisolas e casacos de lã) e muito melhor poderá ser ainda quando os produtores começarem a pensar mais nela outra vez (vejam-se entre tantos outros os exemplos escocês e islandês, cujas raças de ovelhas que dão lã que pica são promovidas como riqueza nacional).

churra do minho
Ovelhas (com cara de serem) Churras do Minho na Serra do Marão, há algumas semanas.

Por outro lado, o empobrecimento da vida em geral e da das crianças pequenas em particular com a obsessão em remover obstáculos de todo o género – a lã para bebé, as uvas sem grainhas, o pão sem côdea, os parques infantis com barreiras à volta dos baloiços (leia-se, a propósito, esta entrevista ao professor Carlos Neto)…

As calças da primeira fotografia foram feitas com Beiroa. As instruções são gratuitas e muito simples de seguir. A Beiroa não é uma lã para bebé. Ou será? Quando chegar a altura conto se o destinatário se queixa.

☐☐☐☐

mantas de retalhos
mantas de retalhos
mantas de retalhos
mantas de retalhos
mantas de retalhos
No primeiro dia desarrumam-se todos os tecidos da loja e vêem-se muitas imagens para ficar bem claro que o patchwork não é uma coisa mas muitas coisas diferentes e que nunca por aqui foi preciso usar uma roda de cores para descobrir o que fica e o que não fica bem. As regras que dou são poucas e estão abertas a discussão: proponho escolher cores e desenhos dos quais continuemos a gostar daqui a mais de vinte anos (afinal uma manta de retalhos tem de durar bem mais do que isso), sugiro usar poucos tecidos com demasiadas cores e com cores que não existissem nos tecidos das nossas avós e insisto para que todas as costuras sejam tão bem feitas que resistam ao uso intenso que espero que as mantas venham a ter. Depois o jogo começa.

da ovelha ao novelo

fiar a lã na retrosaria
roda de fiar

A minha roda de fiar, uma great wheel ou roda portuguesa de tipo 1, foi feita em São Miguel, nos Açores, por um carpinteiro para quem esta não foi (felizmente) uma encomenda invulgar ou excepcional. É muito semelhante às rodas do Baixo Alentejo e Serra Algarvia e funciona exactamente da mesma maneira, mas tem algumas diferenças: o fuso é de madeira e não de ferro, a roda propriamente dita é bastante maior e não tem manivela (para a fazermos girar pressionamos os raios na direcção desejada) e o suporte do fuso está montado em cima do banco da roda e não do lado esquerdo deste.

fiar a lã na retrosaria
fiar a lã na retrosaria

No workshop deste Sábado foi óptimo ter mais técnicas para partilhar com quem veio aprender a ir da ovelha ao novelo. Além do fuso, claro, todos puderam experimentar fiar na roda e também num caneleiro de ferro do Baixo Minho (caneleiro de tipo 1). Estes caneleiros (de que a Joana Sequeira fala aqui), ainda que muito elementares e pouco produtivos, podem ser usados com a mesma técnica da roda para fiar e torcer fios de qualquer espessura.

PS: um bocadinho do que se fez no Sábado.

fiar a lã na retrosaria

2014

export

Demasiadas coisas a acontecer ao mesmo tempo (ou apenas falta de jeito) fizeram com que não viesse aqui celebrar o facto de 2014 ter sido o ano em que os fios de lã da Retrosaria passaram a estar à venda também em lojas no estrangeiro (a primeira foi a Stephen+Penelope em Amsterdão). Esta aventura de produzir fios com lã de ovelhas portuguesas tem sido cheia de descobertas, desafios e também muitas frustrações, mas a verdade é que aquilo que há quatro anos era apenas um sonho tem vindo a ganhar forma. E continua…

cobertor

cobertor
cobertor
cobertor

O novo fio da Retrosaria chama-se Cobertor e é o fio com que são feitos os cobertores de papa. É espesso e no novelo o toque não é suave. A textura e torção fazem lembrar os fios islandeses com que se fazem as camisolas lopi. Aquilo que o torna mesmo especial, para além dos 500 anos de história quase desconhecida à qual espero voltar por aqui, é o que se lhe pode fazer depois de o tricotarmos: com uma pequena carda ou uma escova de aço para cães pode levantar-se facilmente a camada de pêlo densa e fofa que caracteriza os melhores cobertores de papa. A paleta que criei para este fio tem doze cores, mais o branco amarelado e o castanho naturais das ovelhas que lhe dão vida. Agora sonho vê-lo transformado em casacos e outras coisas boas de vestir no Inverno.

PS: o belíssimo rótulo é da responsabilidade do Lord Mantraste.

romaria

Romaria
Romaria

O primeiro de todos os galões nasceu ainda antes da Retrosaria. Hoje estreamos um novo, mais uma vez da autoria de um ilustrador convidado (depois da Camilla Engman e da Helen Dardik), o Bruno Reis Santos, aka Lord Mantraste. É uma romaria com vacas, cavalos e (claro) ovelhas, e estou curiosa para ver o que fazem com ele. Veio acompanhado de uma ilustração linda, porque há quem queira coser o galão e há quem prefira pô-lo na parede.

a hora do tricot

a hora do tricot
a hora do tricot
a hora do tricot

Correu mesmo bem. Foi preciso inventar mais cadeiras e trazer almofadas para quem se sentou no chão, o chá e bolinhos foram um mimo e as histórias contadas pela Ana Sofia Paiva e pelo Luís Correia Carmelo conquistaram-nos a todos. Obrigada ao Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva pelo convite e pela organização e obrigada a todos os que vieram, foi um prazer.

PS: mais alguém reparou naquele estojo de tricot tão lindo? O motivo é este, só é preciso aproximar mais as filas de ovelhas.

a hora do tricot

a hora do tricot
a hora do tricot

Há dez anos fazer tricot em público era estranho. Já não se viam senhoras a fazer renda no eléctrico e fazer malha, em geral, não ficava bem. Pode parecer estranho dizê-lo, porque não passou assim tanto tempo, mas é verdade: se se era uma mulher culta, activa e independente (seja já o que isso for), então não era suposto fazer-se malha. Quando muito fazia-se um bocadinho em casa, quando nascia um bebé, sob os olhares semi ou totalmente reprovadores de quem estava por perto. Foi nessa altura, em Setembro de 2004, que eu e a Hilda Portela convocámos o primeiro encontro de tricot. Tão popular era a ideia que compareceram três pessoas – eu, a Hilda e uma corajosa chamada Sofia. Os encontros seguintes foram muito mais animados, claro. E depois veio a imprensa, a televisão, apareceu gente a mais, criaram-se novos grupos e aos poucos as coisas foram mudando.
Há algumas semanas fui convidada pelo José Vítor Malheiros para organizar um encontro de tricot no âmbito de um evento anual no Pavilhão do Conhecimento. Disse que sim. Convidei o Bruno Reis Santos, aka Lord Mantraste, para desenhar os flyers e cartazes e estão tão bonitos que vão ficar na parede durante muito tempo (quem quiser um aproveite para passar ou fazer encomendas na Retrosaria hoje e amanhã). Chamámos a Zélia para representar o Gang da Malha e o IELT para contar histórias e vai haver chá e bolinhos. É amanhã.

mantraste
a hora do tricot

Page 1 of 1612345...10...Last »