uma vida simples

estação
alentejo sem rede
taleigo

Vou para estar e raramente me faz falta contar que fui e ao que fui. Há uma calma qualquer que é nova (deve ser da idade). Depois tenho pena porque sempre tive diários, sempre foram o meu espelho, a minha garantia de ter feito, ter estado, ter sido. Não vim aqui gravar o dia em que pela primeira vez ordenhei uma cabra nem o inesquecível serão passado a fazer queijo ou o sorriso da A. à conquista das ruas da vila na sua nova bicicleta. Às vezes só viver é tudo.

lar

5 comments » Write a comment

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.