gorro de bucos

a+bucos

bucos

Um gorro para adulto ou criança de lã de Bucos que se faz num serão. É feito pelo avesso, em liga, como manda a técnica portuguesa:

Materiais:

80g de Bucos (100% lã) cor mescla
Conjunto de 5 agulhas 6mm
Uma agulha de coser malhas (para os remates)
Uma marca

Execução:

Montar 76 malhas distribuídas pelas 4 agulhas (19 malhas em cada agulha). Introduzir uma marca na agulha da mão direita, para assinalar o início/fim das voltas.
Trabalhar 12 voltas em canelado (2 malhas de liga, 2 malhas de meia).
Trabalhar 17 voltas em liga.

Confirmar o número de malhas em cada agulha (19) e redistribuí-las se necessário.
*Trabalhar todas as malhas da agulha da mão esquerda com excepção das duas últimas. Trabalhar juntas as duas últimas malhas da agulha da mão esquerda e passar a malha resultante para a agulha que ficou livre, que é agora a nova agulha da mão direita.* A marca pode agora ser retirada das agulhas.
Repetir de * a * até sobrarem apenas duas malhas em cada agulha.
Cortar o fio deixando um comprimento de cerca de 20cm e, com a agulha de coser malhas, passar o fio por dentro das 8 malhas restantes, puxando-o de forma a fechar o trabalho.
Rematar as pontas de fio, passando-as sob as malhas do avesso do trabalho.

A simple beanie hat made with Bucos using the portuguese knitting method (circular knitting is always purled, with the wrong side facing the knitter):

80g Bucos (100% wool) mescla
Set of 6mm double pointed needles
Marker
Tapestry needle

Cast on 76 stitches and join in the round. Place a marker to indicate the beginning of the round.
Work 12 rounds of ribbing (*Purl 2 Knit 2*).
Purl 17 rounds.
Make sure you have 19 stitches on each needle. Remove the marker.
*Purl all but the two last stitches on the left hand needle. P2TOG and slip resulting stitch to the new right hand needle*. Repeat from * until only 8 stitches remain. Break yarn and, using the tapestry needle, thread through the remaining stitches. Pull tight to close. Weave in yarn ends.

lã em movimento

bucos na estrela
Foto: Vânia Vargues

No passado Sábado as Mulheres de Bucos vieram a Lisboa mostrar o seu trabalho integradas, a meu convite, na iniciativa IKEA HOTTËL. Nesse dia eu estava muito mais a norte, mas a E e a A puderam relembrar o que têm aprendido noutros passeios.

Dia 1 inaugura em Guimarães a exposição/concurso Contextile. A Lã em Tempo Real estará lá e aqui fica o convite para quem quiser ir espreitar.

Last Saturday the Mulheres de Bucos (spinners and weavers from Bucos) were in Lisbon showing their work, as a part of a small project I have been developing for IKEA. I was in Galicia working on something else and couldn’t be there, but E and A were.

Contextile opens in a few days, in Guimarães, and Lã em Tempo Real will be there.

fiar na madeira

Na Madeira, subimos do Funchal por dentro de uma névoa cerrada em direcção a Ribeiro Frio. Íamos ao encontro (com ajuda dos amigos) da D. Maria Isabel, que faz barretes de vilão com a lã das suas ovelhas, que são – julgo eu – da raça churra madeirense (só vi a raça referida aqui e não vem mencionada no meu site de referência habitual). No vídeo de cima, a D. Isabel descreve a tosquia e a lavagem da lã.

Ver como se fia num sítio novo é quase sempre ocasião para surpresas. Já fora assim na ilha do Pico, onde vi fiar com um fuso leve e esguio apoiado numa cadeira, e assim foi também desta vez. O fuso da D. Maria Isabel, feito em urze, era longo e pesado, sem o sulco helicoidal (a rosca no topo da haste) habitual nos fusos portugueses. O fuso é apoiado no chão e a lã é preparada para a torção num movimento cuidado dos dedos da mão esquerda sobre o joelho (segundo vídeo). O vídeo abaixo mostra o processo de torcer dois fios juntos para criar o grosso fio retorcido que é usada nos barretes. Como diz a D. Isabel, não é que seja coisa reles de fazer, mas dá um pedaço de trabalho.

We left Funchal towards the mountains and through thick fog. We were going to Ribeiro Frio to meet D. Maria Isabel, spinner and maker of the traditional knitted hats stil worn by some farmers and shepherds. The first video above shows D. Isabel with her wool carders describing the process of shearing and scouring the local wool – two tasks which are still done entirely by hand.

Seeing how hand spinning is done in a place I have never visited before is always a time for surprises. In Pico island we saw a woman spinning on a supported spindle, something I had never witnessed in Portugal before. The spindle from Pico was short and made from a lightweight wood, very unlike the one used by D. Isabel: this one, made of heather wood, was long and heavy and rested directly on the ground. Unlike most portuguese spindles, it didn’t have the screw-shaped incision along the top section of the shaft. The carded wool is held in the left hand (as usual) and the drafting is carefully done on the knee, a detail which was also new to me (second video above). The video below shows the process of plying two strands of yarn together (rotating the same spindle counterclockwise) to create the thick 2ply used to knit the hats.

botas de vilão

botas da madeira

botas da madeira

Uma das poucas coisas que comprei na Madeira foi um par de botas de vilão, ou botas chãs. Com mais ou menos alterações (as minhas são de pele mas têm a sola numa borracha rija e muito fina a imitar couro), este modelo de bota é ali produzido e usado há pelo menos duzentos anos. Em 1821, William Combe descrevia assim o trajar dos madeirenses: they wear boots made of goat-skins, which are light and durable, and being white, have a pretty appearence (A History of Madeira). Se forem de facto tão duradoiras como são confortáveis vão fazer-me muita companhia nos próximos tempos.

One of the few things I bought in Funchal was a pair of traditional madeiran boots. This type of boot has been in use in Madeira for at least two centuries and subject to very little change (mine have thin rubber soles instead of the traditional leather ones). In 1821, William Combe mentioned them when describing the usual dress of the native inhabitants: they wear boots made of goat-skins, which are light and durable, and being white, have a pretty appearence (A History of Madeira). If they are in fact durable as they are pretty and comfortable I am sure I will be wearing them a lot.

botas da madeira
Imagem de William Combe, A History of Madeira, 1821.

meias dos balcãs

meias gregas

meias gregas

Comprei aqui estas meias tradicionais balcânicas, provavelmente turcas. Tive umas em criança, que usei até à exaustão como pantufas, e há uns anos, quando comecei a fazer meias, fascinaram-me as técnicas e padrões usados nesta região. É interessante ver como recentemente passou a ser possível encontrar este tipo de peças à venda online, seja através de empresas que promovem o património etnográfico de regiões específicas, seja em páginas criadas por pessoas que encontram novos públicos para o que sempre viram fazer e usar em casa.

Para aprender, o melhor livro é a meu ver o Ethnic Socks and Stockings de Priscilla A. Gibson-Roberts, de que aqui se conseguem ver com detalhe algumas páginas. É aliás um dos meus livros de tricot preferidos, com técnicas raras e claramente explicadas. Os fios a usar devem ser finos, de lã e apropriados para jacquard. Read more →

o cordão da campaniça

forca de fazer cordão

campaniça centenária

Foi numa viola campaniça centenária que vi o cordão antigo que me levou finalmente a estrear a forca de fazer cordão que comprei há uns anos, encomendada neste site. O cordão que se faz com este utensílio é diferente dos tipos mais conhecidos. Raro hoje em dia, foi comum noutros tempos, como se vê pelo da fotografia e pelas forcas alentejanas que existem no Museu de Etnologia e no de Arqueologia (apesar de esta última estar mal catalogada). Também o Hernâni Matos tem pelo menos uma na sua belíssima colecção de Arte Popular. Em Inglês a técnica chama-se luceting, e é fácil encontrar instruções online. O resultado é idêntico ao do tricot de dedos feito apenas em dois dedos, mas a forca permite um trabalho mais rápido e delicado. Read more →

#meiasdatiabarborita

aprender

Demorou, mas as instruções para fazer as meias da tia Barborita estão finalmente prontas e disponíveis para download no Ravelry. Escrevê-las foi um processo muito mais interessante do que de vezes anteriores porque implicou aprender uma coisa nova. Há anos que admiro os livros de tricot japoneses e as suas instruções em esquema. Mais claras e intuitivas (para mim) do que as receitas por extenso, há muito que se tornaram a minha forma preferida de ler e escrever tricot. Ao decidir publicar a receita destas meias quis fazê-lo à japonesa, mas faltava-me dominar a ferramenta certa para o fazer. Foi o pretexto para aprender.
As instruções também estão disponíveis em texto (em Português e em Inglês). Por isso, quem quiser aprender a tricotar por esquemas japoneses pode ver estas instruções como uma espécie de pedra da roseta e passar das meias da Tia Barborita para livros como este ou este.

meias da tia barborita
meias da tia barborita

As meias que desenhei nasceram desta, pequenina e rota, feita algures no início dos anos 70. Hoje em dia a Tia Barborita pouco pega nas cinco agulhas e entretém-se sobretudo a fazer (como tantas senhoras de norte a sul do país) biquinhos de renda em panos da loiça. Mas in illo tempore fez, no mesmo ponto, as da fotografia de baixo, que julgo serem as meias mais altas que já vi.

No Instagram: #meiasdatiabarborita

tele-tricot


Uma coisa que estava há anos na minha lista: fazer pequenos vídeos de tricot. Vídeos mesmo muito simples e curtos, como os que eu gosto de ver, sem narração nem introduções, só mesmo com o que interessa. A câmara lenta ajuda a que os gestos se percebam mais facilmente e, a julgar pelo feedback no instagram, foi uma boa ideia fazê-los. Os primeiros já estão no YouTube, porque a web 2.0 só se lembra do que aconteceu há uns minutos atrás e às coisas úteis convém ser fácil voltar. Partilho aqui este em particular porque ilustra uma maneira menos comum de tricotar o ponto de meia. A técnica é actualmente a minha preferida porque, com um pouco de prática, faz com que a tensão das carreiras de meia fique quase idêntica à das carreiras de liga.

malhas portuguesas

malhas portuguesas

malhas portuguesas

Nasceu esta tarde em Lisboa às 14.31h, com 546g de peso. Está de boa saúde, tal como a mãe que, por se encontrar ainda um pouco combalida e muito emocionada com o acontecimento, deixa os comentários para depois.

malhas portuguesas - portuguese knitting

malhas portuguesas

portugal porta-bebés

tecto

capucha

Não tenho conseguido ir mesmo todas as semanas à biblioteca como pretendia, mas sempre que vou regresso contente. Um excerto de um dos artigos que li hoje, escrito por José Júlio César em 1922:

Se precisam de agasalhar ou conduzir ao colo uma criança, deitando-a sobre uma das pontas [da capucha] e passada a outra por baixo desta, levam as mães os filhinhos encostados ao coração, podendo levá-los sopesadas da cabeça e ombros, enfardados e estendidos quase como se estivessem no berço. Desta forma devia ter trazido a Virgem Mãe ao colo, envolto em seu manto, verdadeira capuchinha, o Deus Menino.
É tão cómodo e prático este modo de trazer e acalentar crianças que as mães, ou quem assim as leva, ficam com os movimentos livres para fazerem qualquer serviço, e até para conduzir qualquer coisa à cabeça. pois sabem aconchegar e enrolar os filhos de tal modo que podem fazer largos trajectos sem precisarem do auxílio das mãos e braços para os transportarem.

Esta imagem, que publiquei há algum tempo, ilustra bem o texto.

sobre rodas

Ch. Chusseau-Flaviens, Autriche Vienne, ca. 1900-1919.

Uma das consequências indirectas de o nascimento da A. me ter convertido ao babywearing foi ter passado a questionar a necessidade de usar muitos (senão quase todos) os acessórios que as grávidas e recém-mamãs do mundo ocidental pensam serem essenciais à felicidade dos bebés. Sair à rua com um bebé num sling significa deixar em casa o gigantesco porta-bagagens sobre rodas conhecido como carrinho de bebé. Sem porta-bagagens aprende-se a simplificar e chega-se à conclusão de que quase nada chega perfeitamente.

Trainee nannies at a Nursery Training Centre push prams

Trainee nannies at a Nursery Training Centre push prams. 1926 (arq. Corbis).

Ao perceber que os carrinhos são só mais um dos acessórios dispensáveis passei a olhar para eles com outros olhos. Popularizados no tempo da rainha Vitória, fazem na sua origem parte de um tipo de maternidade delegada em amas e criadas, com uma enorme distância entre os olhos da mãe e a pele do filho. O século XX democratizou o acesso aos carrinhos e deu-lhes novos feitios e materiais, mas não encurtou essa distância.

Read more →