oxo

OXO

antes e depois

Depois de chegarem as novas Mé-mé (Ravelry) não consegui resistir a começar qualquer coisa com elas e que envolvesse motivos de Fair Isle. Estas lãs chegam da pequena fábrica em que são fiadas com um aspecto bastante tosco mas, depois de um banho e de umas horas ao vento, ficam muito mais macias e com uma textura óptima para trabalhar a duas cores (na fotografia de baixo dá vagamente para ver a diferença). As características tão diversas dos tipos de lã puseram-me a ler sobre raças de ovelhas (qualquer coisa pode ser um assunto fascinante, desde que se esteja para aí virado) e sobre a história da indústria dos lanifícios em Portugal. No site da SPOC fiquei a saber que só por cá há quinze raças diferentes de ovelhas, das quais se poderia tirar pelo menos outros tantos tipos de lã, estivesse a produção orientada para isso…

singing in the rain

singing in the rain

singing in the rain

Elegeram-no o filme da temporada e vimo-lo três vezes nos últimos dias. Era um dos meus preferidos em miúda e foi o primeiro que vi na Cinemateca, com a idade que a E. tem agora. A A. chama ao Don Se’nato à Chuva e quer aprender sapateado e a E. tenta recitar o Moses supposes…. Eu namoro os jerseys e coletes de 1952 à la 1927, sobretudo os de Fair Isle (já seriam feitos à máquina no início dos anos ’50?). O do Gene Kelly tem meias a condizer, mas a nossa televisão é tão antiga e low-fi que não consegui fotografá-las.