a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

Na aldeia de Gralhas (Montalegre), os rebanhos de ovelhas e cabras continuam a ser apascentados de forma comunitária. O trabalho de levar para o monte e vigiar todos os animais, o dia todo, é partilhado entre todos os proprietários, à razão de um dia de trabalho por cada dez cabeças de gado. Chama-se vezeiras a este sistema e já muito se escreveu sobre ele. Estivemos em Gralhas uma manhã, cedo que chegue para ver formar o rebanho, subir ao monte e conversar sobre lã, mesmo se o nosso propósito desse dia era ouvir cantar:

Mulheres de Gralhas: “Rua abaixo, rua acima” (MPAGDP)

Ana Rabuda chama o rebanho (Lã em Tempo Real)

Para ler: As culturas do trabalho no Barroso: A Vezeira, por Daniela Araújo.

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

as meias das pernas

fusos e meias das pernas

as meias das pernas

Alguns dias, muitas curvas e outras tantas histórias depois, chegámos a Montalegre, onde tinha estado há três anos. Uma das razões deste passeio foi conhecer pessoalmente a Daniela Araújo, antropóloga e autora de um dos meus blogs preferidos, Uma Ovelha no Quintal. Juntas visitámos um dos muitos protagonistas do seu levantamento de saberes e tradições da região do Barroso, o Sr. Manuel Chaves. Como sempre acontece nestas ocasiões, a conversa levou-nos a muito mais temas do que as agulhas de fazer meia, que eram o pretexto inicial. Graças a ele fiquei a conhecer as meias das pernas, que nunca vi em museu nenhum nem me lembro que estejam referidas nas recolhas que conheço. Trata-se de um agasalho em malha de lã que no tempo mais frio os homens ali usavam sobre as calças e por baixo da croça e da capa. Do seu remate sai uma trança que é presa ao cinto ou às presilhas das calças e abaixo do joelho é presa (uma em cada perna, claro) com um cordão também de lã. O Sr. Manuel não as vestiu, mas mostrou-nos como era, e exemplificou também a feitura do cordão. Entre muitas outras coisas vi os fusos que fez para a mulher, os de fiar (com o característico sulco helicoidal) e os de torcer, todos em madeira (como parece ser norma em Trás-os-Montes) mas sem o volante que caracteriza os da região de Miranda do Douro. E a seguir vimos os fantásticos e coloridos xales, que ficam para outro dia… Read more →