padarias de lisboa

padaria

padaria

Tema improvável para um post e menos ainda para vários: padarias das que abrem das 7 à uma e das cinco às 7, que vendem pão feito na noite anterior em vez do pão quente a todas as horas que já nem é bem pão, com mosaico, azulejo, balcão de madeira e tampo de mármore. A última do meu bairro, na Rua das Gáveas, ainda atrai os turistas com os estuques pintados, mas nem o chão nem o balcão são tão bonitos como há uns anos. Ainda há alguma intacta?

14 comments » Write a comment

  1. Ai, Rosa, se aí está assim, imagina por aqui, país novo, cidade mais nova ainda, que já não possue muitas construções antigas, e as poucas que já existiram vão se acabando dia a dia…

    Eu amo a minha cidade, pois a escolhi para viver, mas, outro dia, andando pelas ruas em busca de coisas antigas para fotografar, me dei conta que pouquíssimo existe por aqui.

    Ontem estive em Caxambu, outra cidade do Circuito das Águas Minerais, e lá sim, me farto de ver lindas construções bem antigas, inclusive hotéis muito belos. Até dá vontade de morarlá,mas sei bem que sofreria muito acompanhando de perto a destruição dessas belezas todas, pois o “progresso” precisa chegar.

    Obrigada por partilhar conosco um pouco da história de Portugal.

  2. As padarias da minha memória de infância (Graça, Sapadores e arredores) tinham números, como os talhos, e eram todas iguais: mármore branco ou muito claro no chão e paredes (até meio, depois era alvenaria normal)e balcão e prateleiras ora de madeira ora de alumínio. Não tinham piada nenhuma, ou melhor, a graça que lhes acho HOJE vem do facto de serem tão minimais, tão despojadas… mas isto era nesses bairros meio operários, meio pequeno e médio burgueses… Nos bairros mais antigos deviam ser todas como essas de que falas.

    Agora compramos tudo no supermercado :(

    E para encontrar pão mesmo pão é preciso procurar muito ;(

    marta

  3. No meu bairro em Lisboa ainda há algumas: eu frequento aquela da esquina da rua da Lapa … quando por aí estou.

    A propósito, não deixes de visitar a drogaria da rua da Lapa, alguns metros a seguir …

    Belíssimo, tudo original ! aí ainda encontras o limpa-metais Coração, etc, etc e olha que não é uma loja de tesouros nostálgicos, é autêntica !

    fico à espera das tuas bonitas fotos, para matar saudades …

  4. Moro em Benfica e ainda existem algumas padarias “à antiga”. Só na minha rua existem duas e conheço mais três nas redondezas, uma delas tem azulejos lindíssimos. Ainda compro o meu pão na padaria em frente à minha casa, e tento ir de manhã bem cedinho logo que acordo, para ter carcaças estaladiças para o pequeno almoço. É tão bom.

  5. tenho de ir a Benfica :)

    (those are probably like the bakeries my grandfather and uncles worked at)

    Mary

  6. por sorte vivo num bairro ainda digno desse nome, onde as padarias ainda têm esses horários, os letreiros têm números de telefone com 5 dígitos, o chão é em pedra e as paredes em azulejos e o pão é embrulhado em papel pardo ou levado em saquinhos de pano. e sabem tão bem, um paõzinho verdadeiro…

  7. também confirmo que em Benfica, há padarias ainda «à antiga», com a cortina na montra e tudo, e até há pouco tempo o pão chegava à padaria em grandes cestas (que infelizmente vão sendo substituídas pelos caixotes de plástico), a maior parte já estão a substituir os balcões mas continuam a manter as antigas balanças, além disso o pão daquelas padarias também é «à antiga», do melhor!

  8. Há muito que deixei de comprar pão na padaria tradicional, pelo menos por sistema. Enerva-me esse horário, chateia-me que o pão não seja digno desse nome, apenas uma amálgama de fermento duro e sensaborão. Moro na zona dos Anjos e adoptei um café/padaria com fabrico próprio, com o pãozinho quente a saír em fornadas de hora a hora. A fila chega até à porta e é mais barato do que o da padaria.

    É uma pena, mas terão tendência para acabar, porque o produto que vendem é cada vez pior.

  9. vou andar de olho nas padarias que me cruzo todos os dias. pelos vistos, estou próximo das que estão intactas. ;)

  10. Mais do que os balcões e as paredes, o que verdadeiramente interessa numa padaria é o pão.

    Na esquina da rua Carlos Mardel com a o Mercado de Arroios há uma grandiosa padaria, vende pão alentejano do Alentejo, pão de mafra de Mafra, carcaças e etc, todos eles cozidos em forno de lenha o que se pode confirmar pela cinza no lar (é o nome que os padeiros dão à zona em contacto com o forno) do pão. Esta padaria tem paredes em mármore rosa de estremoz. Aliás o mármore rosa ou calcários verdes (casado, as veias a fazerem desenho) com barras pretas são mais comuns que os azulejos nas padarias em lisboa. Os azulejos julgo que aparecem em padarias (e talhos) que já o eram antes da nobilitação de novos espaços (o que aconteceu já no séc. XX.), como resposta à pedra natural. Existem inúmeras em toda a envolvente e extensão da Av Almirante Reis e nas Av Novas.

  11. Há padarias com paines de azuleijo muito bonitos e alguns ate sao patrimonio nacional, mas e pena verem-se pessoal que querem acabar com tudo isso pois so estão enteressadas nos patrimonios da padarias já que algumas tem algum, já trabalhei com alguma delas e posso dizer que o produto que o mais importante deixa muito a desejar, pão acerio (pão,pão)a muito pouco cá por Lisboa.

    Deicho-vos um concelho cuidado com algum tipo de pão que anda por ai, o frio é congelado e a certo pão quente que e de plastico.

  12. Olá, não vi aqui a Panificadora de Campo de Ourique ao lado dos alunos de Apolo – fica de referência como sendo mais uma.

    No meu bairro (Campolide) ainda cheguei a comprar pão quase em frente á minha casa numa padaria muito bonita que lá havia cheia de azulejos alusivos e com um portão verde de ferro forjado Belle Epoque lindissimo.Pois foi, a padaria estava em risco de desabamento e fechou… há uns tempos caiu o telhado.

  13. Prezada Rosa,

    Escrevo de Sao Paulo, às vésperas de uma curta viagem a Lisboa. De família portuguesa, procuro uma boa indicação para saborear o euivalente aos “pastéis de Belem”, tão apreciados pelos brasileiros, mas francamente sem precisar ir ao pisado ponto turístico. Encantada com as padarias, de marido amante de Eça e das coisas lindas e deliciosas de Portugal, mais longa vivência a dois mais as filhas em Londres, adorei sua ervilha cor de rosa e as generosas indicaçoes, especialmente esta das padarias (uma instituição muito paulistana também). alguém pode me ajudar? um abraço e boa sorte com sua loja e seus sonhos. Claudia, brasileira

Comentar