vestir-me

vestir-me

vestir-me

Este ano ainda não comprei nenhuma peça de roupa. Das várias vezes que estive à beira de o fazer (o momento crítico foi a chegada do catálogo da Boden), feita mentalmente a lista das peças que me fazem realmente falta, pensei que mais valia fazê-las eu. Preciso de uma ou duas saias (a que mais uso fi-la no século passado), um par de calças de ganga que vou mesmo ter de comprar e de blusas. Várias blusas de algodão das quais terminei hoje a primeira. É uma adaptação (mais curta e mais estreita) deste vestido cujo molde está num dos meus livros japoneses preferidos, da autoria de Naomi Ito (já esteve na Retrosaria e há-de voltar em breve, acompanhado de tecidos novos da mesma autora).

Como nunca tinha feito um colarinho, alinhavei bastante antes de coser e fiz muitos acabamentos à mão: duas lições a usar nos próximos projectos.

9 comments » Write a comment

  1. está muito bonita…

    mas fiquei curiosa sobre o facto de não comprares roupa. porque não queres? não gostas? ou porque queres ser tu própria a fazê-la? ou será uma espécie de teste como a autora do needled? várias vezes penso sobre este excesso de consumismo que nos leva a abarrotar o armário de pequenas coisas sem significado e a dar cada vez menos importância ao acto de escolher. mas eu…sinceramente…não conseguiria…acho:)

  2. Boa ideia, deste modo escolhe-se o modelo, o tecido os acabamentos… tudo o que se quer na blusa. Há tempos, quando tinha mais tempo :) fiz uma do género para a minha filha que tinha então 4 anos. É em vichy azul denim com trevos vermelhos bordados em redor da abertura da frente. Como não tinha máquina de costura disponível fi-la toda à mão observando uma outra que ela tinha com mangas compridas. O truque do colarinho é fazê-lo em viés (o tecido na diagonal) para se fazer bem a curva do tecido em redor do pescoço. Tb resulta no acabamento para o remate das mangas. Espero que possamos conhecer as próximas ;)

  3. Acho-a linda. Este ano também reduzi muito as minhas compras de roupa, mas ainda não fiz nenhuma para mim. Ando a pensar numa saia, com um tecido lindo da retrosaria (que ainda tenho que encomendar).

  4. ficou linda a blusa! Tu tens maos de fada!!!

    Adoro seu trabalho e toda sua perspectiva desse mundo…

    Serve-me de inspiraçao!

    bjos desde Brasil!

    Desirée Franco

  5. Olá Rosa

    Que sorte a tua, teres o material e a arte de o fazer. Eu não tenho tanta sorte. O material compra-se, a arte é outra historia. O meu corpo não joga bem com os padrões convencionais e pronto a vestir significa levar sempre uma serie de arranjos. Tenho uma senhora muito querida que mos faz, mas é uma canseira sempre. Boa sorte para as tuas blusas, frescas e apetitosas, como gelados, nas tardes de verão. Beijinhos BD

  6. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » leve:

Leave a Reply

Required fields are marked *.


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.