(des)contexto

the killing sweater copy
Springfield, Novembro de 2014. Camisola em fibras sintéticas idêntica à que é usada pela personagem Sara Lund na série dinamarquesa The Killing. A camisola original, em 100% lã e inspirada por motivos tradicionais das ilhas Faroe, foi concebida por Gudrun & Gudrun.

anthropologie viana
Scrolled Vines Apron (Style No. 7532601482556). Avental da marca Anthropologie com motivos de bordados de Viana do Castelo.

But can I have it both ways? If I want to ditch narrow nationalist associations in favour of a more diverse and fluid and culturally relative idea of knitting and design, why does this (…) still inspire in me a sensation of mild offence?

Kate Davies, knitwear and cultural relativism.

Para pensar.

4 comments » Write a comment

  1. perder a referência das coisas é perder a identidade. e perder a identidade é rapidamente deixar de existir. que interesse é que isso tem?

  2. No design a questão da autoria é sempre muito conflituosa, o que é um problema à partida. Mas no caso dos desenhos da tradição, que envolvem um processo de “design” anónimo ou desconhecido, quase sempre orgânico e pouco delimitado, o respeito por uma ideia de origem e de identidade local é ainda mais relativizado.

    Numa sociedade em que a troca de imagens é constante, a ideia de autoria ou origem é quase sempre contraproducente, é como se essa ideia de autoria se diluísse e deixásse de ter valor.

    A “ofensa” de que fala a Kate Davies parece-me que é o resultado do esquecimento: da eliminação do saber, da informação, da história, em função da multiplicação de objectos e imagens. Um claro conflito entre a ideia de abundância e de vazio que se vive hoje diariamente.

  3. Muitas peças da Anthropologie são feitas em Portugal – já o vi em várias peças de cerâmica. Gosto de acreditar que algumas marcas ainda compram na origem, e algumas, podem até garantir o futuro de artes cada vez mais difíceis de preservar.

Leave a Reply

Required fields are marked *.