fiar em santa maria

spinning in Santa Maria

carding and plying in Santa Maria

Dom Afomso etc. A quantos esta carta virem fazemos saber, q o Ifante Dom Henrique meu muito prezado e amado tio nos enviou dizer q ell mandara lançar ovelhas nas sete ilhas dos Açores, e q se nos aprouvese que as madaria pobrar. (…)
Carta régia de D. Afonso V dando licença ao Infante D. Henrique para povoar as sete ilhas dos Açores. 1449 (fonte).

Flashback de Abril: uma tarde passada na freguesia de Santo Espírito, na ilha de Santa Maria, com um grupo de mulheres de cuja vida a lã fez parte durante muitos anos e que mantem bem vivos os gestos do seu trabalho (até aos meados dos anos 70 a produção caseira de camisolas de lã fiada à mão era um complemento importante do orçamento de muitas famílias marienses). Das ovelhas que por lá se criaram desde o século XV ainda sei pouco. Agora abundam as Romney Marsh e Suffolk, introduzidas (dizem os criadores) com apoio do Estado em detrimento das raças autóctones (?!), entretanto desaparecidas (?!). Mas mesmo a lã longa e suave das Romney acaba muitas vezes no lixo, aqui como no Faial e por todo o arquipélago, nos locais em que as ovelhas ainda não deram de vez lugar às omnipresentes vacas.
Em Santa Maria fia-se como no Pico, em fusos leves de tipo 1 que se apoiavam no chão (tosquiava-se e fiava-se sentado no chão) e se pousam agora numa cadeira. Neste pequeno vídeo podem ver-se as operações de cardar, fiar e torcer, num dia em que a névoa açoreana se mostrava em todo o seu esplendor:

diário de uma camisola

diário de uma camisola

diário de uma camisola

Tenho fiado aos poucos o velo de Merino preto do Alentejo. Disse que ia fazer uma camisola e já estou perto. Dos primeiros novelos, de lã castanha e branca misturadas de várias maneiras, nasceu um barrete. Entretanto fiei mais cinco, com o fio mais fino mas ainda irregular. Esta tarde fiz uma amostra para perceber como se porta o fio depois de trabalhado. Acho que vou voltar a seguir o Raglanify para a camisola mas como talvez opte antes por um casaco quis ver se o fio aguentava uns steeks. E aguentou muito bem.

Notas de trabalho:
Agulhas: 4.5mm
Densidade (antes da lavagem): 17.5 malhas x 25 carreiras = 10cm Read more →

minha lã, meu amor

fiar

fiar

É a mais suave das lãs portuguesas. Vem das ovelhas Merino do Alentejo e fiá-la à mão é um desafio para quem aprendeu e treinou sobretudo com lãs cruzadas, de raças mais a norte. O fio nasce devagarinho, poucos centímetros de cada vez, e depois tem de ser torcido para ser trabalhado. Mas o toque é maravilhoso. Vem por aí uma camisola.

fiar

saber mostrar

giacometti

Três fotografias de Michel Giacometti no catálogo de uma exposição de 2010 no Museu da Música Portuguesa (80 Anos 80 Imagens). Pertencem a um espólio com mais de 3100 registos fotográficos, na sua maioria incorporados em muito más condições de conservação e que foram felizmente objecto de restauro. As legendas das duas de baixo são exemplo do pouco que se sabe sobre os têxteis portugueses:

giacometti
157/01 Fiando o Linho (Ifanes, Miranda do Douro, 1975). Mas, vendo de perto, a senhora está muito obviamente a fiar lã e não linho, e o texto que acompanha a legenda só desajuda, com uma descrição aberrante do processo de fiação.

giacometti
477/01 Tecendo a manta (Vila Boa – Buços [sic], Cabeceiras de Basto, 1975). Da descrição: A fiação podia ser feita num fuso ou noutro engenho, como a caneleira que a senhora utiliza. Na verdade a senhora está apenas a encher uma canela, e não vejo como possa ser possível fiar nesta caneleira. O local é Bucos, claro (as gralhas acontecem).

…mas vem aí uma exposição de têxteis que vai dar que falar aqui em Lisboa. É ir seguindo as pistas da Daniela Araújo.

agosto galego (2)

Concha

Em Luneda

Os dias da Galiza foram passados na estrada, a gravar música tradicional para um projecto em curso. Mas também houve tempo para falar de lã. Foi em Luneda, muito perto de Melgaço, com a D. Concha:

Se tens … uma ovelha, ou duas ou três, rapa-lhe a lã, mira que a lã seja de boa raça, que seja completamente sedosa, que não seja brava, faz roupa, faz de tudo. Não é preciso ir às fábricas para viver.

Our week in Galicia was spent on the road, recording traditional music for one of Tiago‘s ongoing projects. But there was also time to talk about wool. We were in Luneda with D. Concha, near the portuguese border, and recorded her praise of wool:

If you have … a sheep or two or three, you shear the wool … but you must choose good sheep to have soft wool. You can make your own clothes, you can make many things. There is no need to go to the factories to live.

lã em movimento

bucos na estrela
Foto: Vânia Vargues

No passado Sábado as Mulheres de Bucos vieram a Lisboa mostrar o seu trabalho integradas, a meu convite, na iniciativa IKEA HOTTËL. Nesse dia eu estava muito mais a norte, mas a E e a A puderam relembrar o que têm aprendido noutros passeios.

Dia 1 inaugura em Guimarães a exposição/concurso Contextile. A Lã em Tempo Real estará lá e aqui fica o convite para quem quiser ir espreitar.

Last Saturday the Mulheres de Bucos (spinners and weavers from Bucos) were in Lisbon showing their work, as a part of a small project I have been developing for IKEA. I was in Galicia working on something else and couldn’t be there, but E and A were.

Contextile opens in a few days, in Guimarães, and Lã em Tempo Real will be there.

fiar na madeira

Na Madeira, subimos do Funchal por dentro de uma névoa cerrada em direcção a Ribeiro Frio. Íamos ao encontro (com ajuda dos amigos) da D. Maria Isabel, que faz barretes de vilão com a lã das suas ovelhas, que são – julgo eu – da raça churra madeirense (só vi a raça referida aqui e não vem mencionada no meu site de referência habitual). No vídeo de cima, a D. Isabel descreve a tosquia e a lavagem da lã.

Ver como se fia num sítio novo é quase sempre ocasião para surpresas. Já fora assim na ilha do Pico, onde vi fiar com um fuso leve e esguio apoiado numa cadeira, e assim foi também desta vez. O fuso da D. Maria Isabel, feito em urze, era longo e pesado, sem o sulco helicoidal (a rosca no topo da haste) habitual nos fusos portugueses. O fuso é apoiado no chão e a lã é preparada para a torção num movimento cuidado dos dedos da mão esquerda sobre o joelho (segundo vídeo). O vídeo abaixo mostra o processo de torcer dois fios juntos para criar o grosso fio retorcido que é usada nos barretes. Como diz a D. Isabel, não é que seja coisa reles de fazer, mas dá um pedaço de trabalho.

We left Funchal towards the mountains and through thick fog. We were going to Ribeiro Frio to meet D. Maria Isabel, spinner and maker of the traditional knitted hats stil worn by some farmers and shepherds. The first video above shows D. Isabel with her wool carders describing the process of shearing and scouring the local wool – two tasks which are still done entirely by hand.

Seeing how hand spinning is done in a place I have never visited before is always a time for surprises. In Pico island we saw a woman spinning on a supported spindle, something I had never witnessed in Portugal before. The spindle from Pico was short and made from a lightweight wood, very unlike the one used by D. Isabel: this one, made of heather wood, was long and heavy and rested directly on the ground. Unlike most portuguese spindles, it didn’t have the screw-shaped incision along the top section of the shaft. The carded wool is held in the left hand (as usual) and the drafting is carefully done on the knee, a detail which was also new to me (second video above). The video below shows the process of plying two strands of yarn together (rotating the same spindle counterclockwise) to create the thick 2ply used to knit the hats.

Page 1 of 3123