das beiras

churra do campo

churra do campo

merino da beira baixa

merino da beira baixa

…por onde andei na semana passada, a ver e a aprender. Fiquei a conhecer de perto mais duas raças autóctones de ovelhas, a Churra do Campo (fotos de cima) e a Merino da Beira Baixa (fotos de baixo). A ovelha Churra do Campo está à beira da extinção. É um bicho pequeno, de lã churra muito longa (estava deste tamanho em Setembro, imagine-se quando chegar à época da tosquia) e, como se diz nos livros, de elevada rusticidade (o que basicamente quer dizer que é muito bem adaptada e resistente ao meio porque ninguém tentou transformá-la noutra coisa ou fazê-la crescer para dar mais leite ou mais carne). Estas ovelhas estão bem no calor abrasador do Verão e na neve também. Tanto quanto sei era do seu leite que deviam ser feitos os queijos tradicionais da Beira Baixa, aqueles que agora levam um DOP à frente do nome. O problema é que para fazer queijo DOP na Beira Baixa basta fazê-lo na região certa. Importam-se ovelhas de raças israelitas ou francesas (raças que foram apuradas até se transformarem em máquinas leiteiras), criam-se na região certa e, como que por magia, do seu leite faz-se queijo regional, com direito a dizer DOP no rótulo e tudo. Não percebo como é que é possível ter-se aprovado legislação desta, mas os resultados estão à vista.

meias de grades de bucos

meias de grades

meias de grades

O resultado da minha estadia em Bucos em Novembro do ano passado está finalmente disponível e quanto a mim valeu a pena a espera: uma brochura editada pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto com as instruções para fazer um par de meias dos corações, em lã de Bucos ou noutra qualquer de que se goste. No Ravelry o modelo está aqui.
(entretanto a secção sobre, ⬆ ali em cima ⬆, também foi actualizada)

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

Na aldeia de Gralhas (Montalegre), os rebanhos de ovelhas e cabras continuam a ser apascentados de forma comunitária. O trabalho de levar para o monte e vigiar todos os animais, o dia todo, é partilhado entre todos os proprietários, à razão de um dia de trabalho por cada dez cabeças de gado. Chama-se vezeiras a este sistema e já muito se escreveu sobre ele. Estivemos em Gralhas uma manhã, cedo que chegue para ver formar o rebanho, subir ao monte e conversar sobre lã, mesmo se o nosso propósito desse dia era ouvir cantar:

Mulheres de Gralhas: “Rua abaixo, rua acima” (MPAGDP)

Ana Rabuda chama o rebanho (Lã em Tempo Real)

Para ler: As culturas do trabalho no Barroso: A Vezeira, por Daniela Araújo.

a vezeira em gralhas

a vezeira em gralhas

a subida à serra

transumância

transumância

Pedro,
Este ano não tirei tantas fotografias da subida à Serra como da outra vez. Metade do tempo porque fui com o cordeiro do Sr. António ao colo, depois porque quando já está muita luz e calor é mais difícil fazer boas imagens e também, claro, porque os caminhos antigos são mais bonitos do que a estrada que tomámos este ano. Mas foi na mesma um dia inesquecível. Foi bom ver as mulheres e filhas dos pastores a fazer a caminhada e perceber que a Grande Rota da Transumância despertou nelas e em muitos outros a vontade de conhecer mais de perto o vosso trabalho. A E. e a A. também não se vão esquecer deste dia. Até porque levaram muito a sério os seus elogios às borlas (elas chamam-lhes pompons) e continuam a fazê-las umas atrás das outras – quando o Pula precisar de mais, é só dizer! O Tiago ainda não teve tempo de editar as filmagens desse dia, mas eu aviso quando estiverem online. Entretanto, também há muitas imagens aqui e aqui, não sei se já viu.
Até breve (espero) e um grande abraço para si e para o Pula.

transumância

transumância

transumância

a romaria das ovelhas

romaria das ovelhas

romaria das ovelhas

romaria das ovelhas

romaria das ovelhas

Ainda não sei quantas são as aldeias em volta da Serra da Estrela onde os pastores continuam a fazer questão de levar as ovelhas em romaria, mas a Folgosa da Madalena é certamente uma das que levam o acontecimento mais a sério. Estivemos lá no ano passado e voltámos na semana passada para ver correr os rebanhos em torno da capela. Para sair bem, o rebanho tem de pegar: as primeiras ovelhas têm de alcançar as últimas da roda, fechando o círculo e continuando a correr até o pastor dar ordem de inversão de marcha. A seguir, o processo repete-se no sentido contrário. Enquanto as ovelhas correm, o pastor e os ajudantes vêm cumprimentar os que estão na assistência. Quanto mais elegante for todo o processo, quanto mais bonitas e mais obedientes as ovelhas, mais elogios se ouvem e mais satisfeito e orgulhoso sai o seu dono.
Mais fotografias aqui.

romaria das ovelhas

romaria das ovelhas

romaria das ovelhas - bode enfeitado

Page 1 of 41234