joão

retrosaria joão

O João, que vestiu o A2 ainda na maternidade, cresceu. Ganhou uma paleta de tons quentes mas tranquilos, como os que (me) apetece vestir aos bebés.

A photo posted by Rosa Pomar (@rosapomar) on

Nesta brincadeira de quando chegaram os primeiros novelos comprovei que o João é em tudo semelhante ao fio das antigas mantas do Baixo-Alentejo. Um dia, quando o meu tear antigo voltar a tecer, hei-de fazer uma.

meias de grades 2.0

meias de grades de bucos
As publicações camarárias, muitas vezes fontes únicas ou quase sobre determinado assunto, enchem caixotes e armazéns por esse país fora. Não chegam às livrarias, circulam pouco, só por sorte sabemos que existem. O Meias de Grades, editado em 2013 pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, teve outra sorte. Ainda que localmente não se lhe tenha dado grande atenção – desafio-vos a encontrar no site da câmara a secção das publicações – da Retrosaria saíram todos os exemplares que encomendámos e a brochura, que despertou muito interesse, acabou por esgotar rapidamente. Impunha-se assim uma reedição e, face à indisponibilidade da CMCB, resolvi fazê-la pelos meus meios (com a imprescindível colaboração da designer Rita Faria, claro). Aí está ela!

lã que pica

mondegueira
mondegueira

É só uma ideia, mas que podia ter resultados interessantes a vários níveis: fazer luvas esfoliantes tricotadas a partir da lã das nossas ovelhas churras mondegueiras, churras do campo e algarvias, que pouco valor tem no mercado. Este teste foi feito num instante com parte de uma maçaroca que fiei faz agora um ano e parece excelente para o efeito. Nano-empreendedores com gosto pelas ovelhas, embora lá?

o ciclo da lã

ciclo da lã
ciclo da lã

di·dác·ti·co |át|
(grego didaktikós, -ê, -ón, apto para ensinar)
adjectivo
1. Próprio da didáctica.
2. Que tem por fim instruir (ex.: unidade didáctica).
3. Que facilita o ensino ou a aprendizagem; que serve para ensinar ou aprender (ex.: jogos didácticos).
4. Que procura educar ou ensinar (ex.: discurso didáctico).

“didáctico”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, 2008-2013.

Antes de mais, a lã não tem um ciclo. É verdade que muitas vezes por comodismo hoje em dia se fala em ciclo da lã, mas a expressão não faz grande sentido a não ser que estejamos a pensar na biodegradabilidade da dita e na sua eventual transformação em nutrientes que fazem crescer o pasto que as ovelhas vão ingerir para depois darem mais lã, mas parece-me rebuscado. De qualquer forma, se se quer ser didáctico convirá pensar no assunto.
A lã tem origem, histórias, caminhos, processos e variadíssimos usos e, de há alguns anos a esta parte, tem felizmente muitas pessoas interessadas na cultura que a rodeia. Sobre a lã em Portugal podem entre outros percorrer-se os posts deste blog, os do da Diane, o Saber Fazer da Alice Bernardo, o meu Lã em Tempo Real, pode-se visitar o The Flying Fleece ou mesmo ler a tese da Joana Sequeira. E, antes de escrever um livro didáctico sobre o assunto, pode-se ir ver como outras pessoas o fizeram noutros tempos, ler este livro infantil de 1976 ou procurar inspiração nos carimbos Agatha dedicados à lã (sem ciclo) há uns 30 anos.
Mas também se pode, pelos vistos, não ir ver nada disso e publicar na mesma um livro didáctico sobre o ciclo da lã. Foi o que fizeram Cristina Quental, Mariana Magalhães e Sandra Serra, que por exemplo confundem e ensinam a confundir uma roca com uma roda, não olharam certamente com atenção para nenhuma delas e também não sabem bem onde é que a Bela Adormecida afinal se picou. É pena.

lã de bebé

mini

A Ágata mandou-me o link para este artigo sobre uma campanha da Woolmark que decorre por estes dias em Paris. Vista de relance, é uma campanha em defesa da lã – the exhibition will showcase wool in all its extraordinary forms and stages – mas, olhando com atenção, descobre-se (mais) uma iniciativa para promover apenas um tipo de lã de apenas uma raça de ovelhas – o Merino australiano. Sozinha, a Austrália produz cerca de 27% da lã mundial (dados oficiais) e, a acreditar no artigo, 90% (!) da lã destinada à indústria de vestuário. É lá que vivem 111 milhões de ovelhas intensamente modificadas (comparem-se com as tetravós espanholas) para que a sua lã seja o mais abundante e o mais macia possível. Mas e as outras raças? Peter Ackroyd, global strategy advisor da Woolmark entrevistado no artigo, é peremptório: a lã que a sua empresa promove é macia. O resto só serve para fazer tapetes:

WWD: But you know what people say: wool is itchy?
P.A.: That’s one of the biggest misconceptions about wool. It’s local and cross-bred wools that are scratchy and they are so on purpose, because they were meant for carpets. People don’t remember that in days of Roubaix and Tourcoing all wools that were spun there came from Australia [where 90 percent of the world’s apparel wool comes from], and Australian merino is very soft.

Esta triste afirmação ressoa na frase que mais frequentemente se ouve nas lojas de lãs: Têm lã para bebé?

Pela Retrosaria passam, tenho orgulho em dizê-lo, muitas pessoas das que lêem criticamente os rótulos, sejam os da comida ou os da roupa que vestem, e que apreciam os novelos com mais do que um dos cinco sentidos. Mas ouço esta frase diariamente. E o mais comum, porque me falta na parede uma boa reprodução do Menino do cobertor [de papa], é ter de desarmar o interessado (cf. the shame of selling) com um potencialmente desastroso O que é que quer dizer com lã para bebé?

lauro corado
Lauro Corado (1908-1977), Menino do cobertor. Col. Museu de Grão Vasco. Imagem MatrizPix.

A resposta, acompanhada de um olhar de espanto por eu parecer não entender à primeira, é quase, quase sempre a mesma: Daquela mais macia. Para BEBÉ. E o contra-ataque por vezes é fatal: Prefere um fio muito macio mas pouco natural ou menos macio mas local, sem fibras sintéticas nem aditivos? Ou um fio que, seja qual for a sua composição ou processo de fabrico, tem a cara de um bebé sorridente estampada no rótulo ou a palavra baby no nome e que, só por isso, passa por ser o melhor?

beiroa

Não se desfazem preconceitos nem se desconstroem décadas de marketing de repente, mas há duas ideias que tenho cada vez mais presentes no que faço diariamente seja na Retrosaria ou em casa:
Por um lado a riqueza que reside no conhecimento e na procura das coisas na sua variedade – sejam 14 raças de ovelhas (só em Portugal), cada uma com a sua lã, sejam os sabores diferentes do mel consoante as flores que rodeiam a colmeia. Sim, Sr. Ackroyd, da lã das nossas ovelhas churras fazem-se por cá (além de tudo o resto) óptimos tapetes industriais (para exportação). Mas as nossas outras raças de ovelhas dão lã boa de vestir, que nem toda a lã é para usar directamente em cima da pele (vivam as camisas de algodão e de linho por baixo das camisolas e casacos de lã) e muito melhor poderá ser ainda quando os produtores começarem a pensar mais nela outra vez (vejam-se entre tantos outros os exemplos escocês e islandês, cujas raças de ovelhas que dão lã que pica são promovidas como riqueza nacional).

churra do minho
Ovelhas (com cara de serem) Churras do Minho na Serra do Marão, há algumas semanas.

Por outro lado, o empobrecimento da vida em geral e da das crianças pequenas em particular com a obsessão em remover obstáculos de todo o género – a lã para bebé, as uvas sem grainhas, o pão sem côdea, os parques infantis com barreiras à volta dos baloiços (leia-se, a propósito, esta entrevista ao professor Carlos Neto)…

As calças da primeira fotografia foram feitas com Beiroa. As instruções são gratuitas e muito simples de seguir. A Beiroa não é uma lã para bebé. Ou será? Quando chegar a altura conto se o destinatário se queixa.

mondegueira

mondegueira

mondegueira

Fiei na roda uma maçaroca da lã de ovelha churra mondegueira que lavei esta semana. Do que tenho observado, os velos desta raça são compostos por três tipos de fibras diferentes: uma camada exterior de fibras extremamente longas, grossas e lisas (que quando fiadas sozinhas produzem um fio que lembra a corda de sisal), uma camada interior de fibras muito mais curtas, finas e ligeiramente frisadas e ainda, por vezes, um tipo de fibras que estão soltas no meio das outras, grossas, curtas, ponteagudas e levemente frisadas, que já tenho ouvido chamar fios de prata e que só atrapalham (também as tenho visto nos velos de bordaleira da Serra da Estrela).
O fio que resulta desta lã não serve para fazer camisolas, mas daria uns belos tapetes. Pergunto-me que destino lhe é actualmente dado, visto que – apesar de comprada a baixíssimo preço – é canalizada para o circuito industrial. Desta maçaroca acho que vou fazer uma luva esfoliante. Tenho a certeza de que resulta e é totalmente livre dos abomináveis micro-plásticos que povoam a maioria dos produtos para o mesmo efeito.

como lavar um velo de lã

mondegueira

É uma pergunta que me fazem muitas vezes, por isso aqui ficam as instruções para quem tenha em mãos um ou mais velos e queira dar-lhes uso. O das fotografias é de Churra Mondegueira, uma raça autóctone de que já falei aqui. É uma lã extremamente longa, grossa e nada frisada, com a qual vou ter uma aventura no próximo sábado.

Consoante o uso que queremos dar à lã a escolha e lavagem podem ser feitas de forma muito mais complexa e demorada, mas este método não é nada mau para começar.

1. Estender o velo numa superfície limpa e retirar a lã mais suja, que corresponde aos limites exteriores daquele. Esta lã é a mais curta e grosseira, não merecendo na maioria das vezes o trabalho de a limparmos manualmente (pode ir para o compostor ou para a terra, porque o estrume das ovelhas é um adubo de óptima qualidade). Se o velo não estiver inteiro tiram-se todas as porções de lã que pareça demasiado suja.

2. Retirar toda a matéria vegetal e outras impurezas visíveis que a nossa paciência permitir. Quanto mais tempo dedicarmos a esta tarefa mais simples será o processamento da lã depois da lavagem.

mondegueira

3. Encher um alguidar grande com água muito quente e pôr cuidadosamente a lã lá dentro. Toda a lã deve ficar submersa mas não podemos agitá-la no processo ou ficará feltrada (quanto mais fina e frisada for a lã mais cuidado é preciso ter para que não feltre). Muitas pessoas põem sabão ou detergente nesta água, mas eu não costumo usar. A temperatura elevada é suficiente para que a suarda comece de imediato a dissolver-se – a água fica rapidamente com um tom castanho dourado característico e carregada de lanolina (lavar lã deixa as mãos muito macias).

4. Passados alguns minutos, escorrer a água da lavagem (de preferência para a terra para aproveitar os nutrientes) e repetir o processo se a lã ainda estiver muito suja, sempre com cuidado para não a agitar.

5. Deixar a lã a escorrer até que boa parte da água tenha saído e que a temperatura baixe consideravelmente.

mondegueira

6. Quando a lã estiver à temperatura ambiente está pronta para ser enxaguada com água fria. Geralmente faço esta parte do processo na máquina de lavar: Ponho a lã em sacos daqueles de rede que se usam para a roupa delicada e meto na máquina, no programa de lavagem de lãs, com um bocadinho de detergente adequado. Só recomendo este processo se o programa de lavagem de lãs for mesmo muito suave, pois de outra forma a lã ficará feltrada.

7. Estender a lã horizontalmente num local arejado (mas sem vento!) e deixá-la secar.

mondegueira

Quem quiser ver fotografias mesmo bonitas deste processo feito à maneira do baixo Alentejo só tem de ir até ao blog da Diane. Em 2011 também estive lá, a aprender.

da ovelha ao novelo

fiar a lã na retrosaria
roda de fiar

A minha roda de fiar, uma great wheel ou roda portuguesa de tipo 1, foi feita em São Miguel, nos Açores, por um carpinteiro para quem esta não foi (felizmente) uma encomenda invulgar ou excepcional. É muito semelhante às rodas do Baixo Alentejo e Serra Algarvia e funciona exactamente da mesma maneira, mas tem algumas diferenças: o fuso é de madeira e não de ferro, a roda propriamente dita é bastante maior e não tem manivela (para a fazermos girar pressionamos os raios na direcção desejada) e o suporte do fuso está montado em cima do banco da roda e não do lado esquerdo deste.

fiar a lã na retrosaria
fiar a lã na retrosaria

No workshop deste Sábado foi óptimo ter mais técnicas para partilhar com quem veio aprender a ir da ovelha ao novelo. Além do fuso, claro, todos puderam experimentar fiar na roda e também num caneleiro de ferro do Baixo Minho (caneleiro de tipo 1). Estes caneleiros (de que a Joana Sequeira fala aqui), ainda que muito elementares e pouco produtivos, podem ser usados com a mesma técnica da roda para fiar e torcer fios de qualquer espessura.

PS: um bocadinho do que se fez no Sábado.

fiar a lã na retrosaria

Page 1 of 712345...Last »