renda do pêlo de cabra

xaile

A seguir às viagens e às segundas-feiras de biblioteca, é na Retrosaria que aprendo mais sobre malhas. Volta e meia, no meio de uma conversa, alguém tira da mala uma coisa para mim totalmente nova. Foi o que aconteceu há dias, quando a D. Abília Ferreira (aluna da Rita Correia) me surpreendeu com este xaile do pêlo da cabra australiana que aprendera a fazer trinta anos antes a uma senhora de Santarém. É uma técnica de crochet em que se usa uma agulha de barbela e uma régua e que, segundo a D. Abília, só se consegue fazer com pêlo de cabra, porque com qualquer outro fio o cordão não forma os mesmos caracóis perfeitos e o ponto não fica com a mesma definição. O pormenor da cabra australiana intrigou-me: vim depois a descobrir que afinal o fio era 100% mohair e que vinha de um stock secreto da marca francesa extinta Georges Picaud. O ponto, de acordo com a minha especialista em crochet preferida, é uma variante mais bonita da chamada broomstick lace (), e teremos de aprender a fazê-lo numa próxima visita da D. Abília. Quanto ao uso do pêlo de cabra, já me tinha questionado a propósito dos xailes que vi há dois anos em Nisa se alguma das raças que por cá viveram teria um pêlo apropriado. Até porque entretanto também encontrei uma referência enigmática a camisolas serranas de pêlo de cabra (quaisquer achegas serão bem-vindas)… Read more →

dar cor

dyeing

dyeing

Por causa das novas lãs para meias que chegaram à Retrosaria, apeteceu-me fazer mais algumas experiências de tinturaria. Usei um processo diferente desta vez, que aqui deixo em formato de receita:

Ingredientes:

Uma meada de Beiroa branca novelada
Tintas próprias para tingir lã (eu uso da Jacquard mas também se pode experimentar com tinta Raposa) ou corante alimentar
Vinagre branco do mais barato
Seringas de plástico de 50ml
Luvas de látex e avental
Um recipiente que possa ir ao micro-ondas (eu uso um pyrex)
Forno micro-ondas

Execução: Read more →

fazer meias

meias

meias

Entre o Outono e a Primavera nunca param na gaveta, por andarem sempre a uso. Só na estação das sandálias é que as consigo ver todas juntas, de um ano para o outro com mais um ou dois pares (fora os que vários que fui fazendo para oferecer). Fiz as primeiras há três anos e desde então tenho sempre mais um par nas agulhas, porque como são um trabalho pequeno e portátil vão sempre comigo na mochila (aulas de piano da E, tardes no parque infantil e festas de anos de outros meninos são alturas óptimas para mais umas voltinhas). Quem também faz sabe do que falo. Read more →

coser

sewing

ferramentas

Já é raro usar meias compradas, mas ainda estou longe de ter feito blusas suficientes. Fiz esta há poucos dias com um tecido Nani Iro e um molde do livro Happy Homemade 3. Como é uma pergunta que me fazem com frequência, deixo também a lista de todas as ferramentas que usei: caneta de giz para marcar o tecido, linha de algodão e de alinhavar, agulhas, dedal, alfinetes finos e respectiva alfineteira, descosedor, punção (para conduzir ou corrigir o tecido mesmo junto ao pé calcador), uma tesoura grande e um corta-fios. Para decalcar o molde: papel vegetal, lápis de carvão, régua e tesoura de cortar papel. A alfineteira também serve de peso para o papel não se desviar.

atavios

máscara ibérica

dos pés

Este ano choveu durante o Desfile da Máscara Ibérica e acho que vieram menos grupos que no ano passado, mas valeu na mesma a pena ir assistir. Quanto a malhas, vi de perto algumas meias rendadas, as luvas às riscas de um diabo trasmontano e vários xailes que feitos noutras cores e fios não destoariam nos melhores livros japoneses, mas o que gostei mesmo (depois do episódio dos tamancos de Baltar) foi de ver as madreñas e albarcas, umas aconchegadas com palha dentro, outras com escarpines de burel e as mais fantásticas forradas a pneu. Read more →

a sumbia

sumbia

Man and His Horse
Man and His Horse. Senegal, 2005.

Se as malhas portuguesas têm muitas histórias por desvendar, sobre as africanas pouco li até hoje. No entanto estão por toda a parte, de Norte a Sul, de uma ou cinco agulhas, de lã e de fibras vegetais, manuais e mecânicas. A sumbia é o gorro que muitos homens africanos usam, julgo que sobretudo na Guiné Bissau, Gâmbia e Senegal, feito de malha mecânica de lã (as mais bonitas) ou algodão de duas cores. As que se vêem mais são verdes escuras e brancas, mas também as há castanhas e brancas, vermelhas e brancas e provavelmente em mais cores. Têm uma barra com motivo horizontal, normalmente um ziguezague mas há outros, e riscas estreitas verticais até ao topo, que é rematado com um pompom. Nunca encontrei nada escrito sobre estes gorros, apesar de tantas pessoas os conhecerem por os associarem imediatamente à figura de Amílcar Cabral. Apetece dizer que os motivos são os mesmos dos cestos destes países, mas a verdade é que são praticamente universais. Não sei onde são feitos (será em pequenas fábricas? Serão importados de outro país? Já se farão na China?) nem desde quando, mas o processo de fabrico deve ser curioso, porque as carreiras correm na vertical e não na horizontal como é hábito. Tenho uma de lã, trazida pelo meu avô da Guiné há cinquenta anos (à esquerda nas fotos) e várias de algodão, que encomendei à Ana Teresa, e adorava saber mais sobre elas. Read more →

exílio

exílio

Foram 20 anos de ausência. … Tornaram-me a vida impossível.

Vinte anos de exílio político tornaram-lhe impossível integrar-se e reconstruir a carreira no Porto quando uma amnistia permitiu que regressasse para junto da mulher e dos filhos. Viu-se obrigado a partir novamente para o Brasil, onde viria a morrer nove anos mais tarde.

Celebremos, hoje e sempre, a liberdade de opinião. 25 de Abril Sempre! Read more →

#meiasdatiabarborita

aprender

Demorou, mas as instruções para fazer as meias da tia Barborita estão finalmente prontas e disponíveis para download no Ravelry. Escrevê-las foi um processo muito mais interessante do que de vezes anteriores porque implicou aprender uma coisa nova. Há anos que admiro os livros de tricot japoneses e as suas instruções em esquema. Mais claras e intuitivas (para mim) do que as receitas por extenso, há muito que se tornaram a minha forma preferida de ler e escrever tricot. Ao decidir publicar a receita destas meias quis fazê-lo à japonesa, mas faltava-me dominar a ferramenta certa para o fazer. Foi o pretexto para aprender.
As instruções também estão disponíveis em texto (em Português e em Inglês). Por isso, quem quiser aprender a tricotar por esquemas japoneses pode ver estas instruções como uma espécie de pedra da roseta e passar das meias da Tia Barborita para livros como este ou este.

meias da tia barborita
meias da tia barborita

As meias que desenhei nasceram desta, pequenina e rota, feita algures no início dos anos 70. Hoje em dia a Tia Barborita pouco pega nas cinco agulhas e entretém-se sobretudo a fazer (como tantas senhoras de norte a sul do país) biquinhos de renda em panos da loiça. Mas in illo tempore fez, no mesmo ponto, as da fotografia de baixo, que julgo serem as meias mais altas que já vi.

No Instagram: #meiasdatiabarborita

tele-tricot


Uma coisa que estava há anos na minha lista: fazer pequenos vídeos de tricot. Vídeos mesmo muito simples e curtos, como os que eu gosto de ver, sem narração nem introduções, só mesmo com o que interessa. A câmara lenta ajuda a que os gestos se percebam mais facilmente e, a julgar pelo feedback no instagram, foi uma boa ideia fazê-los. Os primeiros já estão no YouTube, porque a web 2.0 só se lembra do que aconteceu há uns minutos atrás e às coisas úteis convém ser fácil voltar. Partilho aqui este em particular porque ilustra uma maneira menos comum de tricotar o ponto de meia. A técnica é actualmente a minha preferida porque, com um pouco de prática, faz com que a tensão das carreiras de meia fique quase idêntica à das carreiras de liga.

malhas portuguesas

malhas portuguesas

malhas portuguesas

Nasceu esta tarde em Lisboa às 14.31h, com 546g de peso. Está de boa saúde, tal como a mãe que, por se encontrar ainda um pouco combalida e muito emocionada com o acontecimento, deixa os comentários para depois.

malhas portuguesas - portuguese knitting

malhas portuguesas

portugal porta-bebés

tecto

capucha

Não tenho conseguido ir mesmo todas as semanas à biblioteca como pretendia, mas sempre que vou regresso contente. Um excerto de um dos artigos que li hoje, escrito por José Júlio César em 1922:

Se precisam de agasalhar ou conduzir ao colo uma criança, deitando-a sobre uma das pontas [da capucha] e passada a outra por baixo desta, levam as mães os filhinhos encostados ao coração, podendo levá-los sopesadas da cabeça e ombros, enfardados e estendidos quase como se estivessem no berço. Desta forma devia ter trazido a Virgem Mãe ao colo, envolto em seu manto, verdadeira capuchinha, o Deus Menino.
É tão cómodo e prático este modo de trazer e acalentar crianças que as mães, ou quem assim as leva, ficam com os movimentos livres para fazerem qualquer serviço, e até para conduzir qualquer coisa à cabeça. pois sabem aconchegar e enrolar os filhos de tal modo que podem fazer largos trajectos sem precisarem do auxílio das mãos e braços para os transportarem.

Esta imagem, que publiquei há algum tempo, ilustra bem o texto.

sobre rodas

Ch. Chusseau-Flaviens, Autriche Vienne, ca. 1900-1919.

Uma das consequências indirectas de o nascimento da A. me ter convertido ao babywearing foi ter passado a questionar a necessidade de usar muitos (senão quase todos) os acessórios que as grávidas e recém-mamãs do mundo ocidental pensam serem essenciais à felicidade dos bebés. Sair à rua com um bebé num sling significa deixar em casa o gigantesco porta-bagagens sobre rodas conhecido como carrinho de bebé. Sem porta-bagagens aprende-se a simplificar e chega-se à conclusão de que quase nada chega perfeitamente.

Trainee nannies at a Nursery Training Centre push prams

Trainee nannies at a Nursery Training Centre push prams. 1926 (arq. Corbis).

Ao perceber que os carrinhos são só mais um dos acessórios dispensáveis passei a olhar para eles com outros olhos. Popularizados no tempo da rainha Vitória, fazem na sua origem parte de um tipo de maternidade delegada em amas e criadas, com uma enorme distância entre os olhos da mãe e a pele do filho. O século XX democratizou o acesso aos carrinhos e deu-lhes novos feitios e materiais, mas não encurtou essa distância.

Read more →