das fraldas

...

No grande ponto de encontro em que o mercado de agricultura biológica do Príncipe Real se tornou para mim e para a E. fiquei ontem a conhecer (olá Mariana) uma novidade (para mim) que estou a tentar encaixar entre o último grito do consumo consciente (assunto em que o meu blog de referência do momento é o Worsted Witch) e a mais absurda das fricalhices: o movimento anti-fraldas (alguns de muitos outros links: A culture without diapers; Dare to bare; Babies without diapers? No thanks). Já tinha pensado muitas vezes nos bebés sem fraldas dos documentários sobre tribos pouco ou nada ocidentalizadas (os menos telegénicos assuntos da higiene pessoal acabam por nunca ser abordados) – como é que aquelas mães andam sempre com os bebés sem fralda na anca e tanto elas como eles parecem sempre limpos? – mas não tinha percebido que não era preciso ir tão longe (cf. Decommissioning the diaper). Se vivêssemos no campo, se a casa não fosse tão fria e não estivéssemos à espera de um bebé de Inverno, se… . Para já (e em contagem decrescente para voltarmos à rotina das ditas) acho que me fico por mais uns emails para as principais marcas de fraldas descartáveis (ainda não me dedidi a experimentar as de pano) a explicar que eu e provavelmente muitos outros mães e pais preferíamos comprar fraldas mais pardas mas menos lixiviadas e, ainda melhor, biodegradáveis.

18 comments » Write a comment

  1. O assunto é interessante, mas acho que fico pela filosofia do mesmo. Concordo que as crianças devem deixar de usar fraldas o mais cedo que se conseguir (algo que não depende só da boa vontade e tempo dos pais mas também da maturidade da criança para tal)pois acho que o uso por tempo prolongado é abusivo até para a saúde psíquica da criança. Só de pensar em crianças com 4 anos a usar fralda me mete nojo para ser sincera.Penso o mesmo em relação às chuchas… Mas isso é outro assunto.A minha filha tem agora um ano e meio e eu estou com muita fé que até ao final do Verão vou conseguir que ela passe para o penico, e o que me faz pensar em tal coisa é o facto de ela já saber comunicar que tem c.c.( a dita maturidade). Eu adorava que houvesse fraldas realmente ecológicas, mas há falta delas não compreendo como é que ainda neste país ninguém se lembrou de criar o negócio ( como existe nos E.U.A) de uma lavandaria de fraldas ( de pano). Eu seria cliente, palavra!

  2. Olá Rosa! Acho super-louvável o seu interesse e, sobretudo, o trabalho e a entrega que coloca em cada manifestação cívica. Seja para tentar resolver o problema da vizinha debaixo, seja para fazer alguma diferença na indústria de consumo! Obrigada pelo exemplo!

    Suzanne

  3. Nós estamos à espera do Francisco para o fim deste mês, e vamos meter-nos na aventura das fraldas de pano. Mas como diz a “furtadinha”, aqui nos Estados Unidos, especificamente em Madison, há uma empresa local que se encarrega da lavagem e de nos trazer semanalmente à porta de casa as fraldas lavadinhas. Também vendem fraldas descartáveis biodegradáveis feitas de algodão, o que vai acabar por ser uma alternativa para quando passarmos algum tempo fora de casa. Estive a explorar as possibilidades em Portugal e penso que a Naturkinda (http://naturkinda.com/) oferece algumas destas soluções, mas ainda não consegui falar com eles. Outro recurso é o Ecobebe (http://www.ecobebes.com/).

  4. Pois, aqui tb estamos à espera de um bebé de inverno… mas vamos usar as de pano que usámos na primeira…

    ;o)

    beijos e abraços

  5. Olá Rosa,

    Antes de mais, parabéns por mais um bébé a caminho…

    Percebo-te perfeitamente, em Portugal já assisti a um encontro “anti-fraldas” na biocoop, mas confesso que não fiquei convencida. Quanto às fraldas descartáveis mais amigas do ambiente, podes encontrá-las também na biocoop.

    Um beijinho,

    Magui

    Ps – o teu trabalho encanta-me todos os dias.

  6. Magui, também experimentei essas fraldas da BioCoop, mas achei-as mais caras e menos eficientes que as “normais”. Quando as comprei pensei que eram biodegradáveis e fiquei um bocado desiludida quando percebi que eram só menos lixiviadas que as outras…

  7. Antes de falar de fraldas tenho que dizer parabens, o bébé tem sorte a chegar a sua familia.

    E entao..fraldas…Quando vivi em lisboa usei fraldas de pano, tipo toalha, que se dobra de diferente formas. Eles secam muito rapidomente, quando havia sol dentro de meia hora(‘tabém, foi no verão). Mas a questão com as fraldas de pano é que usas quando dá jeito, e quando não, usas as descatáveis. é mutio menos trabalho do que pensas, so tens que ter uma balde na casa do banho e por a maquina a lavar a trabalhar o bocado mais. Sem falar do ambiente poupas tanto dinheiro.

    O único problema e escolher a fralda do pano… se quiseres conselho possou contar mais.

    Se es pessoa que consegue por as feijões de molho a noite anterior, conseguias usar fraldas de pano!

  8. Fraldas de pano? 24 fraldas ( na melhor das hipóteses) para lavar, secar e passar a ferro por dia? E o resguardo de plástico que lhes provoca mais facilmente assaduras?

    Há 22 anos as fraldas descartáveis era um luxo, com um bébé com eczema atópico chegava a mudar fralda de meia em meia hora…

  9. Preparada para uma resposta a pergunta sobre as criancas ao colo sem fraldas e respectivas maes (este teclado nao faz acentuacao)? Podes optar por coloca-la no blog ou nao, Rosa. ‘E que nao ‘e mto agradavel!Pois aqui vai: existe uma tecnica de observacao das expressoes faciais dos bebes ja utilizada na europa e que faz com que alguns pais consigam treinar os filhos a utilizar o bacio aos poucos meses de idade. No sudeste asiatico – ou seja, aqui e aqui ao lado – associa-se essa tecnica a uma outra bastante (aos meus olhos ocidentais) repugnante. Os animais domesticos, neste caso o cao, estao associados a higiene da crianca. Ha sempre um cao a volta dos bebes. A razao ‘e simples cabe-lhes a eles limparem-lhes o corpo apos os xixis e os cocos. A primeira vez que presenciei isto, o meu organismo reagiu… mas esta e uma pratica corrente milenar na montanha… e conta-la faz o meu organismo reagir novamente…:-(

  10. Rosa querida,

    esse assunto muito me interessa. De verdade. Por vários motivos: por ter uma menina de dois anos e meio que não se interessa de forma nenhuma ao peniquinho e variações mil já testadas, por eu ter pensado muito antes de chegar a conclusão que as descartáveis, mesmo contra ideologia, era o possível para nós, por trabalhar em casa e fora de casa, com jornadas diárias de no mínimo 12 horas fora de casa, de ter a Anna na creche. Enfim, para as familias em que as mães são ativas profissionalmente em esquemas tradicionais, a vida do bêbe sem fraldas só nos parece ser reportagem de revista. Que oportunidade têm os bêbes das mães que se dedicam as opções menos poluentes e/ou que têm serviços que dão uma mãozinha.

    Abraços tranquilos,

    Glau

  11. olá,

    parabens pela gravidez ;)

    quanto ao serviço das lavagens das fraldas de pano eu ofereçi este serviço, mas nunca ninguém aderiu, por isso deixei de fazer publicidade para tal.

    quanto às fraldas da moltex nao são apenas menos branqueadas que as da dodot e afins, mas sim estão feitas de 100% celulose, contém muito menos daquele gel super-absorvente e em vez de conterem loções e quimicos, só contém extracto de chá para acalmar a pele do bebé. E a embalagem é biodegradável ;)

    Aqui há algumas informações em inglês sobre as fraldas da moltex.

    http://www.spiritofnature.co.uk/acatalog/nappies_moltex.html

    Quem quiser saber mais sobre fraldas, pode contactar cmg.

    Natália – naturkinda

  12. Olá!

    Encontrei estes dias um site com fraldas de algodão biológico certificadas que me parecem muito boas. Além disso tem explicações muito detalhadas acerca do uso de fraldas laváveis.

    Aqui fica:

    http://www.essenciadomundo.com

  13. Olá :-)

    Pois confesso que estou maravilhada com a quantidade de compatriotas interessadas no tema das fraldas de pano. Eu comecei a experimentar, e quase tnha um esgotamento com a quantidade de modelos, marcas etc. É como se houvesse um mundo paralelo, onde estas coisas das fraldas de pano são o dia-a-dia. Pois sim! a confusão foi tal, que decidi fazer um resumo (meio em português meio em castelhano), informal e claro está, pessoal :-)

    Depois de todo este kaos, posso assegurar que tenho usado com o meu filhote (agora com sete mêses), e que estou totalmente viciada nas minhas fraldinhas :-) são fantásticas!

    Em relação a ter uma companhia para lavar, depende das fraldas que usem. As que eu uso, vão à máquina de lavar roupa (até mesmo com nozes de lavagem), e junto com tudo o resto, a baixas temperatura, e saiem impecáveis. Se algum dia saiem um bocadinho manchadas, com o sol (basta estender no exterior) ficam branquinhas outra vez. enfim, olhem, se quiserem mais detalhes, apitem :-)

    beijinhocas,

    Marta

    PS: melhor mesmo, é criar um blog com o resumo que fiz. Quando tiver tempo, vou actualizando…

Leave a Reply

Required fields are marked *.